EUA anunciam suspensão de tratado nuclear com a Rússia

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, confirmou esta sexta-feira que os Estados Unidos vão retirar-se do tratado de armas nucleares de médio alcance e o Presidente Donald Trump responsabilizou a Rússia, por violar esse acordo.

Esta sexta-feira, Mike Pompeo confirmou que os Estados Unidos suspendem a partir de domingo as suas obrigações com o tratado de armas nucleares de médio alcance, assinado em 1987.

Em comunicado, o Presidente Donald Trump acusou a Rússia de o ter violado “por tempo demais com impunidade, desenvolvendo secretamente e colocando em campo um sistema de mísseis proibidos, que representa uma ameaça direta aos nossos aliados e aos nossos militares no estrangeiro”.

Donald Trump afirmou que os Estados Unidos “aderiram totalmente” ao pacto por mais de 30 anos, mas que não podem continuar limitados aos seus termos enquanto a Rússia deturpa os seus termos. “Não podemos continuar a ser o único país do mundo unilateralmente vinculado ao tratado”, explicou Trump, no comunicado.

A decisão dos Estados Unidos era aguardada desde outubro de 2018, quando Donald Trump ameaçou romper o tratado de controlo de mísseis de médio alcance (conhecido pela sigla inglesa INF – Intermediate-Range Nuclear Forces Treaty), se a Rússia não destruísse o míssil Novator – que, segundo a NATO, viola o acordo de desarmamento nuclear.

Esta sexta-feira, o secretário de Estado confirmou que o país deixa de respeitar o acordo, a partir de domingo, iniciando um processo de abandono que durará seis meses.

Na quarta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, tinha voltado a pedir aos EUA para retomarem as negociações sobre o tratado, dizendo que a exigência dos EUA relativamente à destruição do Novator e “inaceitável”, alegando que o Novator tem um alcance de apenas 480 quilómetros, pelo que não viola o tratado INF (que se aplica a mísseis com alcance entre 500 e 5000 quilómetros).

A Rússia diz que nunca desrespeitou o tratado e que, pelo contrário, foram os Estados Unidos que infringiram as regras do acordo, ao produzirem uma nova ogiva nuclear para equipar mísseis intercontinentais para submarinos atómicos, que, na perspetiva de Moscovo, “aumenta o risco de uma guerra nuclear”

Tecnicamente, a retirada dos Estados Unidos entrará em vigor apenas seis meses após a notificação desta sexta-feira, deixando espaço para novas negociações que podem salvar o tratado.

No entanto, após uma reunião, esta semana em Pequim, as partes não registaram qualquer avanço na sua disputa, deixando poucas razões para pensar que qualquer dos lados mudará a sua posição sobre o pacto.

As cinco maiores potências mundiais (EUA, China, Rússia, Reino Unido e França) reuniram-se esta semana em Pequim para discutir a política nuclear e, durante esse encontro, a vice-secretária de Estado dos EUA encarregada do controlo de armas e de segurança internacional disse existir falta de transparência por parte da China e dos EUA sobre os seus planos nucleares.

Em resposta, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Geng Shuang, disse que o governo chinês está “comprometido com o progresso das negociações” à volta dos tratados de desarmamento nuclear.

O vice-ministro dos Negócios estrangeiros russo, Sergey Riabkov, disse que o seu governo está igualmente empenhado em travar a guerra ao armamento e que “muitas questões permanecem sem solução apenas devido à falta de vontade política”, considerando que os EUA não têm tido uma atitude correta perante os parceiros de acordo.

Mas a perceção da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) é diferente, apontando o dedo a Moscovo, por não se empenhar em encontrar saídas para o impasse negocial à volta do tratado INF.

Não houve nenhum progresso real, porque a Rússia não mostrou vontade de mudar a sua posição”, afirmou esta semana o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenbert, no final de uma reunião de embaixadores, em Bruxelas, para discutir as divergências da organização com o governo russo.

O tratado INF foi assinado em Washington entre os EUA e a União Soviética, em 1987, e entrou em vigor em 1988, estipulando a eliminação de todos os mísseis convencionais e nucleares com alcance entre 500 e 5.000 quilómetros.

Este tratado é considerado uma pedra angular no controlo de uma nova corrida às armas nucleares e o seu abandono constituiu uma ameaça que preocupa várias organizações internacionais.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Dois satélites "reformados" podem estar prestes a colidir na órbita da Terra

Dois satélites desativados passarão muito próximos um do outro em 29 de janeiro e, de acordo com a empresa de rastreamento de satélites LeoLabs Inc, há uma probabilidade de 1 em 100 de colidirem. Embora a …

FC Porto 2-1 Gil Vicente | “Dragão” afasta crise com reviravolta

O FC Porto voltou a sorrir. Após dois desaires – ambos diante do Braga – nos últimos três jogos, os “azuis-e-brancos” regressaram aos triunfos e derrotaram o Gil Vicente por 2-1 esta terça-feira, num embate …

Aeroporto de Southampton tem uma equipa canina para acalmar os passageiros

O Aeroporto de Southampton, no Reino Unido, tem uma equipa canina para acalmar os nervos dos passageiros que não gostam muito de andar de avião. Se alguma vez aterrar em Southampton, no Reino Unido, não se admire …

"Padres-robôs" dão bênçãos, fazem casamentos e até funerais

A Inteligência Artificial está a pavimentar o seu caminho em várias religiões espalhadas pelo mundo. "Padres-robôs" são capazes de dar bênçãos, fazer casamentos e até funerais. Há um novo padre em Kodaiji, um templo budista com …

Livro sugeria que o 11 de setembro tinha sido "orquestrado pela CIA". Editora obrigada a corrigir

A editora francesa Ellipses Publications teve que corrigir um livro de História no qual era sugerido que os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos (EUA), foram "orquestrados pela CIA". Segundo noticiou …

Paulo Coelho vai destruir rascunho de livro infantil escrito com Kobe Bryant

O escritor brasileiro Paulo Coelho anunciou hoje que pretende apagar o rascunho de um livro infantil que se encontrava a escrever em conjunto com o antigo basquetebolista norte-americano Kobe Bryant, que morreu no domingo num …

Encontrado famoso navio que desapareceu misteriosamente no Triângulo das Bermudas há 95 anos

Os destroços de um navio que desapareceu misteriosamente no Triângulo das Bermudas há 95 anos foram descobertos na costa da Florida, nos Estados Unidos. O SS Cotopaxi - um navio mercante norte-americano - deixou Charleston, na …

Ana Gomes diz que diretiva europeia sobre branqueamento de capitais é aplicável a Rui Pinto

A ex-eurodeputada socialista Ana Gomes disse hoje em Lisboa que pode aplicar-se ao ‘hacker’ Rui Pinto a diretiva europeia sobre branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, sem esperar pela transposição de legislação sobre o …

"Há grandes chances de Jesus sair em maio para o FC Porto", diz Carlos Alberto

Carlos Alberto, atual comentador desportivo e antigo jogador do FC Porto, acredita que os 'dragões' vão avançar para a contratação de Jorge Jesus, em maio. Recentemente, a ideia de Jorge Jesus no FC Porto tem ganho …

Raras lesmas cor-de-rosa fluorescente sobreviveram aos incêndios na Austrália

Uma rara espécie de lesma cor-de-rosa fluorescente (Triboniophorus aff. graeffei) conseguiu sobreviver aos incêndios que assolaram a Austrália no início de janeiro e que deixaram milhões de animais mortos e outros tantos sem abrigo. Tratam-se …