EUA estiveram mais perto de uma guerra civil do que se acreditava, escreve analista e conselheira da CIA

Jim Lo Scalzo / EPA

Autora de um novo livro sobre os recentes acontecimentos da política sugeriu que, à luz dos critérios usados pelos especialistas norte-americanos para avaliar as movimentações sociais e políticas em países estrangeiros, também os EUA estiveram à beira do precipício no que respeita à sua democracia.

Todas as mentiras e falsas alegações de que a eleição presidencial norte-americana de 2020 tinha sido manipulada para dar a vitória a Joe Biden deixaram os Estados Unidos mais perto da guerra civil do que poderia pensar. A ideia está presente num livro que será lançado no início do próximo ano, da autoria de Barbara F. Walter, professora de Ciência Política na Universidade da Califórnia, membro da task force para a Instabilidade Política no país e conselheira da CIA.

O plano de Donald Trump culminou com a invasão mortal ao Capitólio – que tinha como objetivo impedir a certificação dos resultados das eleições – já nas últimas semanas da sua presidência.

Apesar de a transição para o presidente democrata ter acontecido – ainda que não nos trâmites tradicionais –, ao longo dos últimos meses os republicanos têm se esforçado por, a nível estadual, restringir o direito ao voto, política assente na certeza de que a demografia norte-americana está a mudar e que os republicanos terão cada vez mais dificuldade em ganhar eleições, sobretudo na questão do voto popular – algo que para as eleições presidenciais só aconteceu uma vez desde 1988.

Contam também com o apoio de uma maioria conservadora no Supremo Tribunal do país, em grande parte graças às dupla nomeação feita por Donald Trump durante o seu único mandato.

Na versão em inglês, o livro terá o título de “How Civil Wars Start” (Como Começam as Guerras Civis, em tradução livre para português).

Através de um acesso antecipado à obra, o The Washington Post cita ideias como: “Ninguém quer acreditar que a sua adorada democracia está em declínio ou a caminhar em direção a uma situação de guerra”. No entanto “se fossem um analista num país estrangeiro a analisar o que se passou na América, da mesma forma que se olha para os acontecimentos na Ucrânia ou na Venezuela, seria fácil preencher uma lista de exigências que apontam como provável uma guerra civil”. “E o que se iria descobrir é que os Estados Unidos, uma democracia fundada há mais de dois séculos, entrou um território muito perigoso.”

A autora conclui, segundo o TWP, que os Estados Unidos passaram pelas fases de “pré-insurreição”, de conflito incipiente” e podem estar agora, depois da invasão ao capitólio, num “conflito aberto”. Barbara F. Walter também recorre a uma análise feita pelo Centro para a Paz Sistémica, para usar o termo “anocracia” para descrever o atual regime político norte-americano – “algo entre a democracia e um estado autoritário”, cita o The Guardian.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE