EUA comprometem-se a tomar medidas concretas para resolver diferenças com França

Os Estados Unidos continuam a tentar resolver as diferenças com a França na sequência da crise dos submarinos, com o secretário de Estado a admitir que Washington terá de tomar medidas concretas para reconquistar a confiança do seu parceiro.

“Reconhecemos que vai levar tempo, trabalho árduo e que será demonstrado não apenas em palavras, mas em atos”, disse Antony Blinken, numa conferência de imprensa em Nova Iorque, onde algumas horas antes se tinha encontrado com o seu homólogo francês, Jean-Yves Le Drian.

O chefe da diplomacia norte-americana concordou assim com Le Drian que, após a reunião, tinha salientado numa declaração que a superação da atual crise diplomática exigirá tempo e ações por parte de Washington, apesar dos primeiros passos de desanuviamento alcançados com o apelo realizado na quarta-feira entre os presidentes dos dois países.

Entre outras coisas, as duas partes concordaram com o regresso aos Estados Unidos do embaixador francês, que foi chamado para consultas na semana passada juntamente com o representante diplomático francês na Austrália após este último ter cancelado um contrato lucrativo com a França, no valor total de 56 mil milhões de euros, para a construção de doze submarinos.

Falando aos jornalistas, Blinken foi incansável nos seus elogios a França, destacando a sua liderança no reforço da defesa europeia, na nova estratégia da UE na região Indo-Pacífico e na luta contra o terrorismo no Sahel.

Em todas estas áreas, insistiu, os Estados Unidos estão interessados em aumentar a cooperação e procurarão fazê-lo no âmbito do processo de consultas reforçadas que os presidentes, Joe Biden e Emmanuel Macron, acordaram.

“Estamos a trabalhar (…) numa série de questões, de uma forma muito prática, para aprofundar a cooperação e coordenação entre os nossos países, que desde há muitos anos tem sido incrivelmente forte. Mas podemos fazer mais e podemos fazer melhor”, disse.

A crise entre os dois países deve-se ao facto de os Estados Unidos, Reino Unido e Austrália terem assinado o pacto AUKUS (iniciais em inglês dos três países anglo-saxónicos), que visa reforçar a cooperação trilateral em tecnologias avançadas de defesa, como a Inteligência Artificial, sistemas submarinos e vigilância a longa distância.

A França tinha um contrato para a entrega à Austrália de 12 submarinos com propulsão convencional no valor de 56 mil milhões de euros, que foi cancelado por Camberra, que comprou posteriormente os submergíveis aos Estados Unidos.

  // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Putin admite aceitar pagamentos com criptomoedas num futuro próximo

Vladimir Putin admitiu que as criptomoedas têm valor, adiantando que esta forma de pagamento poderá tornar-se viável no país. Contudo, para já "ainda é muito cedo" para fazer previsões devido à sua natureza "incerta". A notícia …

Subida dos combustíveis. Estado arrecada mais 5 cêntimos de IVA por litro

Com a subida do preço dos combustíveis, o Estado está a arrecadar mais imposto por cada litro vendido por via do IVA. A subida dos combustíveis em Portugal tem sido uma realidade que não é de …

Parlamento aprova aumento do prazo de prescrição nos crimes sexuais contra menores

O parlamento aprovou esta sexta-feira o aumento dos prazos de prescrição dos crimes sexuais contra menores e do crime de mutilação genital feminina quando ocorre em crianças, rejeitando o aumento da moldura penal para estes …

Centeno diz que crise nos combustíveis será temporária

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, referiu hoje, em Lisboa, que o aumento dos preços, nomeadamente dos combustíveis, deverá ser temporário, apesar de “aparentemente descontrolado”, lembrando que o petróleo negociou a preços negativos …

Assembleia da República chumba comissão de inquérito a MAI sobre acidente na A6

A Assembleia da República chumbou esta sexta-feira a proposta do Chega para a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito à atuação do Ministério da Administração Interna no acidente com o carro do ministro e …

"O Governo quer salvar o Natal". Reino Unido alivia regras para atrair camionistas estrangeiros

O Governo britânico anunciou esta sexta-feira a suspensão temporária das regras sobre o número de entregas de mercadorias que os camionistas estrangeiros podem fazer no Reino Unido de forma a atenuar o impacto da escassez …

Parlamento aprova isenção de imposto de selo para moratórias de empresas

Todos votaram a favor do diploma no Parlamento, porém realçam que devem existir apoios idênticos para as famílias e querem acrescentá-los ao diploma durante a discussão na especialidade. Segundo noticia o Público, a proposta de lei …

Um copo com água

Água potável de cidade canadiana pode estar contaminada com hidrocarbonetos petrolíferos

A cidade de Iqaluit, no território canadiano de Nunavut, declarou estado de emergência após ter encontrado vestígios de petróleo no abastecimento de água. O departamento de saúde pública da cidade canadiana aconselhou os habitantes de Iqaluit …

Golden Boy: Nuno Mendes é o único português entre os finalistas

Havia três portugueses na lista anterior mas, nos 20 finalistas, o jovem do PSG é o único representante de Portugal. Nome do vencedor será divulgado em Dezembro. O jornal Tuttosport indicou quais são os 20 futebolistas …

"Profundamente chocante". Deputado britânico morre após ser esfaqueado em encontro com eleitores

Um deputado do Partido Conservador morreu depois de ter sido esfaqueado várias vezes, esta sexta-feira, durante um encontro com eleitores em Leigh-on-Sea, no sudeste de Inglaterra. David Amess, de 69 anos, representante do círculo eleitoral de …