EUA vão começar a recolher ADN de imigrantes detidos

Sashenka Gutierrez / EPA

O Governo dos Estados Unidos (EUA) vai começar a coletar, nos próximos dias, o ADN de imigrantes detidos, através de programas-piloto. Inicialmente, o projeto será implementado apenas em Detroit, no Michigan e no Texas, medida que será alastrada para todos os locais de entrada no país nos próximos três anos.

A implementação desta medida foi avançada pelo Departamento de Segurança Interna, citado pelo Verge. Os planos do Governo de Donald Trump para coletar amostras genéticas de pessoas detidas pela Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP) dos EUA pela Imigração e Fiscalização de Alfândegas (ICE) foram revelados pela primeira vez em outubro de 2019.

Atualmente, a CPB e a ICE não possuem sistemas ou procedimentos operacionais para uma coleta em larga escala de material genético, mas começarão por implementar essa política por meio de programas-piloto.

Numa primeira fase, a CBP coletará o ADN apenas em Detroit, no Michigan e no Texas, antes de expandir para todos os portos de entrada, o que deve acontecer no prazo de três anos. Por agora, o programa-piloto da ICE será implementado apenas numa das suas regiões, não tendo sido identificada qual.

De acordo com o Governo norte-americano, esta medida enquadra-se no DNA Fingerprint Act (Lei da impressão digital de ADN, em tradução livre), de 2005, que exige que qualquer pessoa presa por crimes federais forneça uma amostra genética. Na época, os imigrantes detidos na fronteira não estavam incluídos nesse grupo. Agora, a medida indica que sim.

As amostras genéticas coletadas pelos agentes da CBP e da ICE serão enviadas ao Departamento Federal de Investigação, onde serão processadas e armazenadas no Sistema Combinado de Índice de ADN (CODIS).

Além dos imigrantes, a CBP poderá coletar ADN de cidadãos e residentes permanentes dos EUA que estejam sob custódia. O material genético não será coletado a menores de 14 anos, a pessoas com mais de 79 anos ou com deficiência física ou cognitiva.

Esta não é a primeira vez que oficiais de imigração coletam o ADN de detidos: num programa-piloto implementado em 2019, os funcionários usaram uma tecnologia para verificar se as pessoas que viajavam juntas eram membros da mesma família.

Em 2018, logo depois que o Governo de Trump lançou a sua política de “tolerância zero”, que levou à separação de crianças e dos pais na fronteira, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos informou que estava a utilizar testes de ADN para reunir famílias que tinham sido separadas.

A proposta para recolha de material genético de imigrantes foi recebida com preocupações relacionadas à ética do processo de coleta e ao eventual uso dos dados.

“Este tipo de recolha em massa altera o objetivo da coleta de ADN, que passa de investigação criminal para vigilância da população, algo contrário às nossas noções básicas de liberdade e autonomia”, disse ao Verge a advogada do Projeto de Discurso, Privacidade e Tecnologia da União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), Vera Eidelman.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

O nosso cabelo sabe o que comemos, onde moramos e quanto custou o corte

Milímetro a milímetro, o cabelo constrói um registo da nossa dieta. Como os fios de cabelo são construídos a partir de aminoácidos, preservam os traços químicos da proteína da comida que ingerimos. Os fios de cabelo …

Não foram meteoros. Uma forte atividade vulcânica arrefeceu a Terra há 13 mil anos

Porque é que a Terra arrefeceu repentinamente há 13 mil anos? Sedimentos antigos encontrados numa caverna no Texas, nos Estados Unidos, parecem ter resolvido este grande mistério. Alguns cientistas acreditam que o fenómeno que arrefeceu repentinamente …

Novo método prevê erupções solares com algumas horas de antecedência

Um novo método capaz de prever explosões solares poderia ajudar a Humanidade a preparar-se contra possíveis desastres causados por este fenómeno explosivo da nossa estrela. As erupções solares são explosões que ocorrem na superfície do Sol …

Mulan a preço premium estreia na Disney+ em setembro

A adaptação live-action de Mulan tem nova data de estreia. O anúncio foi feito pela Disney nesta terça-feira (4). O filme chega à plataforma de streaming Disney+ no dia 4 de setembro, estando disponível em …

Belgas trocam as voltas à pandemia e passam férias nas árvores

Enquanto uns passam o verão em casa, outros atrevem-se a ter uma experiência diferente. Alguns belgas estão a passar as noites de verão pendurados em árvores, em tendas em forma de lágrima. A pandemia de covid-19 …

Máscara inteligente traduz até oito línguas (mas não protege do coronavírus)

Esta máscara inteligente, criada por uma empresa japonesa, consegue traduzir o discurso do seu utilizador em várias línguas (mas, por si só, não o protege do novo coronavírus). Quando a pandemia de covid-19 transformou as máscaras …

Empresa fica com excedente de 40 mil quilos de frutos secos devido à covid-19

A GNS Foods, a empresa que nos últimos 30 anos forneceu os frutos secos à American Airlines, ficou com um excedente de 40 mil quilos por causa de restrições impostas devido à covid-19. Servir frutos secos …

Astronautas da NASA fizeram partidas por telefone para "matar" tempo durante o regresso à Terra

Os astronautas da NASA Bob Behnken e Doug Hurley fizeram algumas partidas por telefone durante o regresso à Terra a bordo cápsula Dragon, da empresa SpaceX de Elon Musk, num voo que foi duplamente histórico. …

Em plena pandemia, há um venezuelano que assegura os funerais no Peru

Ronald Marín é a última esperança para os habitantes de Comas, em Lima. O venezuelano é o único que realiza funerais católicos num cemitério longe do centro da capital, em plena pandemia. Vestido com uma túnica …

Covid-19 pôs mais de um milhão de portugueses em teletrabalho no 2.º trimestre

Um milhão de pessoas esteve em teletrabalho no segundo trimestre, sobretudo devido à covid-19, o equivalente a 23,1% da população empregada, enquanto mais de 600 mil não trabalharam nem no emprego nem em casa. De acordo …