EUA acusam China de imperialismo para ficar com recursos naturais do Sudeste Asiático

OCDE / Flickr

O secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross

Os Estados Unidos (EUA) acusaram no domingo a China de imperialismo e intimidação para ficar com os recursos naturais do Sudeste Asiático, numa referência à disputa territorial do Mar do Sul da China que Pequim mantém com vários países da região.

“Pequim usou a intimidação para impedir que os países da ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático) explorassem os seus recursos naturais. A região não tem interesse em regressar à era imperial”, disse o assistente do Presidente em temas de segurança nacional, Robert O’Brien, em Banguecoque, onde decorre a cimeira da ASEAN.

A ausência do Presidente norte-americano na capital tailandesa deu o protagonismo desta reunião à China, representada como é habitual pelo seu primeiro-ministro, Li Keqiang, empenhado em aumentar a influência chinesa na região, noticiou a agência Lusa.

Para o substituir, Donald Trump enviou uma delegação liderada pelo Secretário do Comércio, Wilbur Ross, e o assistente do Presidente em temas de segurança nacional, Robert O’Brien.

A China reivindica quase todo o Mar do Sul da China, apesar das reivindicações dos países vizinhos. Nos últimos anos, construiu sete recifes em ilhas artificiais, capazes de receber instalações militares. As novas ilhas ficam próximas de outras ocupadas pelo Vietname, Filipinas e Taiwan. Malásia e Brunei são outros dos territórios que disputam a jurisdição sobre ilhas e recifes, ricos em pesca e potenciais depósitos de combustíveis fósseis.

Na ausência de Donald Trump, Robert O’Brien leu uma declaração do chefe de Estado, na qual destacou que os EUA e os países do bloco regional “compartilham os mesmos valores” e convidou os seus líderes a visitarem os EUA para uma cimeira, a ser realizada no primeiro trimestre do próximo ano.

Com a ausência do Presidente norte-americano e com a presença do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, na cimeira da ASEAN, o gigante asiático, o maior parceiro comercial da região, adquiriu um papel maior face aos EUA, numa altura em que ambas as superpotências estão envolvidas numa disputa comercial.

As negociações do projeto denominado Parceria Económica Regional (RCEP) são um dos temas centrais da cimeira em Banguecoque.

World Economic Forum / Flickr

O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang

Além dos países-membros da ASEAN (Malásia, Indonésia, Brunei, Vietname, Camboja, Laos, Myanmar, Singapura, Tailândia e Filipinas) e da China, o acordo inclui a Índia, Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia, que, juntos, representam aproximadamente 40% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e quase metade da população do planeta.

A RCEP nasceu como a resposta de Pequim ao Acordo Transpacífico de Cooperação Económica (TPP), apoiado ao princípio por Washington, mas rejeitado por Donald Trump, que decidiu retirar o país do acordo, pouco depois de ter assumido o cargo em 2017.

Pequim acusa EUA de “semearem a discórdia”

Pequim acusou esta segunda-feira Washington de “semear a discórdia” entre China e países do Sudeste Asiático, depois de um membro da administração norte-americana denunciar o regime comunista por “intimidação” em disputas territoriais no Mar do Sul.

“Os Estados Unidos não são diretamente afetados na questão do Mar do Sul da China, devem respeitar os esforços dos países da região na busca pela paz e estabilidade”, disse o porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros Geng Shuang, revelou a Lusa.

O porta-voz exigiu que Washington “pare de alimentar problemas na região e fazer declarações irresponsáveis”, respondendo assim às acusações de Robert O’Brien, que acusou “Pequim de usar a intimidação para impedir que os países da ASEAN pudessem explorar os seus recursos naturais”.

“Os líderes da ASEAN concordaram que o seu relacionamento com a China está entre os mais dinâmicos. Acho que é uma resposta firme às tentativas dos EUA de semear a discórdia entre os dois lados”, apontou Geng Shuang.

 

Um dos temas centrais da cimeira em Banguecoque é a negociação da Associação Económica Integral Regional (RCEP), um acordo de livre comércio promovido pela China e que abrange quase um terço da economia mundial.

Os EUA não estão incluídos no RCEP, que além da China inclui Austrália, Coreia do Sul, Japão, Índia, Nova Zelândia e os dez membros da ASEAN, que anunciaram esta segunda-feira estarem dispostos a integrar o acordo em 2020.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

22 mil pessoas vão assistir (no estádio) ao Super Bowl

Um terço das pessoas presentes será composto por profissionais de saúde. Quatro equipas ainda na luta pelo título do campeonato principal de futebol americano. O dia 7 de fevereiro vai contar com uma "visão rara" nos …

Investigadores "voltam atrás no tempo" para calcular idade e local de explosão de supernova

Os astrónomos estão a "voltar atrás no tempo" num remanescente de supernova. Usando o Telescópio Espacial Hubble da NASA, refizeram o percurso dos estilhaços velozes da explosão a fim de calcular uma estimativa mais precisa …

Cientista dos EUA acredita que o monstro do Lago Ness pode ser uma antiga tartaruga marinha

Um importante cientista dos Estados Unidos acredita que desvendou o mistério do Monstro de Lago Ness e pensa que a criatura é uma espécie ancestral de tartaruga marinha. Henry Bauer, professor aposentado de Química e Estudos …

Biden quer banir uma palavra das leis de imigração dos Estados Unidos

Se o projeto de lei proposto por Joe Biden, recém-eleito Presidente dos Estados Unidos, for aprovado, a palavra alien ("estrangeiro") vai desaparecer das leis de imigração norte-americanas, sendo substituída pelo termo noncitizen ("não cidadão"). A …

“As pessoas são mortas na mesquita, na rua e no trabalho". Em Cabul, reina o medo

Os assassínios seletivos de jornalistas, políticos e defensores dos direitos humanos são cada vez mais frequentes no país, com Cabul e várias províncias a registarem um aumento da violência nos últimos meses. O medo está …

"Fiquem em casa". Enfermeiros deixam "grito de alerta desesperado" aos portugueses

A Ordem dos Enfermeiros lançou esta sexta-feira uma campanha de sensibilização a apelar aos portugueses para ficarem em casa, afirmando que é “um grito de alerta desesperado face à situação de catástrofe que se vive …

Senado francês aprovou lei que protege os sons e cheiros do campo

O Senado francês aprovou a lei, esta quinta-feira, que protege o "património sensorial" das áreas rurais do país, depois de várias queixas sobre os ruídos e cheiros típicos do campo. De acordo com o canal televisivo …

Identificado em Portugal o primeiro caso da variante da África do Sul

O primeiro caso de covid-19 associado à variante genética da África do Sul foi identificado esta sexta-feira em Portugal pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), adiantou à agência Lusa a instituição. O caso identificado …

Está a nascer o primeiro comboio português a hidrogénio (e vai substituir o Vouguinha)

Já arrancou o projecto para o desenvolvimento do primeiro comboio português a hidrogénio. A iniciativa visa transformar as automotoras a gasóleo que circulam na Linha do Vouga - o comboio chamado Vouguinha - por células …

Guardiola diz que Bernardo Silva "sempre foi importante" para City

O treinador Pep Guardiola disse esta sexta-feira que o português Bernardo Silva “está de volta” ao melhor nível e que “sempre foi importante" para o Manchester City, depois de ter "sentido" dificuldades na temporada passada. “Ele …