EUA acusam OMS de não partilhar informação sobre origem do vírus na China

Um alto quadro do Governo dos Estados Unidos acusou, esta quarta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) de não ter compartilhado informações suficientes sobre a missão da organização internacional à China para investigar a origem do novo coronavírus.

Garrett Grisby, do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, afirmou que os critérios para a missão da OMS à China não foram compartilhados com outras nações. O representante falou durante uma reunião de uma semana com países membros da agência de saúde.

“Os [termos de referência] não foram negociados de forma transparente com todos os estados-membros da OMS”, disse, em videoconferência, referindo-se aos critérios da missão. “Compreender as origens da covid-19 por meio de uma investigação transparente e inclusiva é o que deve ser feito”, apontou.

Nos últimos meses, o trabalho de uma equipa há muito montada pela OMS para investigar a origem animal do novo coronavírus na China paralisou. Alguns cientistas temem que o país asiático ainda não tenha fornecido detalhes importantes sobre as pesquisas.

A ex-primeira-ministra da Nova Zelândia Helen Clark, que copreside a reunião, disse que o grupo está especialmente interessado em estabelecer uma cronologia precisa dos primeiros alertas sobre o novo coronavírus e quais as respostas que foram tomadas.

“O Painel Independente fará o possível para esclarecer o que aconteceu e o que ainda está a acontecer”, disse Clark. “Estamos a perguntar se a OMS tem o mandato certo, os poderes certos, as capacidades certas e o financiamento certo para reagir com prontidão e resposta à pandemia”, apontou.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, criticou a OMS por alegado “conluio” com a China, acusando-a de querer ocultar a extensão do surto inicial do novo coronavírus.

No início deste ano, a agência noticiosa Associated Press relatou que altos funcionários chineses não alertaram o público sobre a ameaça da pandemia do novo coronavírus nos primeiros seis dias após saberem da gravidade da doença e que atrasaram a partilha da sequência genética do vírus e outros dados importantes com especialistas da OMS.

Clark disse que o painel também analisaria “quão bem a Organização Mundial da Saúde e o sistema internacional em geral têm sido capazes de atender às necessidades e expectativas dos países”.

Na segunda-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, implorou por mais fundos, dizendo que o orçamento da agência era o equivalente ao que o mundo gasta com tabaco todos os dias. Clark evitou criticar a OMS ou estados-membros como a China.

No mês passado, Alemanha e França lideraram um apelo da União Europeia, argumentando que a OMS deveria ter mais poderes para investigar surtos de forma independente e que o orçamento da organização deveria ser aumentado.

No início deste ano, a administração Trump suspendeu o financiamento dos EUA à OMS e prometeu retirar os Estados Unidos – o maior doador individual – da agência de saúde no próximo verão. O Presidente eleito Joe Biden disse que planeia manter os Estados Unidos na organização.

Lusa ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Que a China tem toda a responsabilidade tem e que deve ser responsabilizada também estou de acordo. Agora o EUA não tem razão p/ reclamar junto a OMS quando lhes tirou todo o apoio.

RESPONDER

Sporting 2-1 Santa Clara | Super-Coates volta a ser herói

Arrancado a ferros… à campeão? O Sporting esteve a poucos segundos de registar o terceiro empate em casa, perante um Santa Clara que não foi em nada inferior aos “leões” e até conseguiu ser superior em …

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …