Estudo comprova que mais TPC não significa maior sucesso escolar

Mais trabalhos de casa não significa, necessariamente, maior sucesso escolar, de acordo com um estudo do projeto aQeduto, apoiado pelo Conselho Nacional de Educação.

O estudo “E os alunos, que responsabilidade”, o oitavo de uma série do projeto aQeduto, tendo por base dados do relatório PISA da OCDE, aponta Portugal como um dos países, entre os analisados, onde os alunos dedicam em média menos tempo aos trabalhos de casa.

Os estudantes portugueses dedicam em média quatro horas semanais, situando-se acima das três horas semanais na Finlândia (com a média mais baixa) e abaixo das sete horas semanais da Polónia e da Irlanda (com a média mais alta).

O estudo aponta que, em todos os países analisados, são os alunos com melhores resultados na prova de Matemática dos testes PISA em 2012 — usada como base para a análise –, aqueles que mais tempo passam a fazer trabalhos de casa, sobretudo se forem alunos que conjugam bons resultados com estatuto socioeconómico elevado.

“Contudo, a nível agregado, não se observa uma relação entre maior número médio de horas dedicadas à realização de trabalhos de casa e ‘score’ [resultado] médio dos países. Por exemplo, os alunos finlandeses dedicam pouco tempo a trabalhos de casa (3 horas) e o ‘score’ PISA é elevado (519), ao passo que, em Espanha, o número de horas (6) é muito mais elevado e o ‘score’ é relativamente baixo (484)”, exemplifica o estudo.

Notando que o estatuto socioeconómico e cultural dos alunos continua a ser determinante para os seus resultados em países como Portugal, Espanha, França ou Luxemburgo, e que em Portugal se encontra uma grande percentagem de alunos de baixo estatuto social, o estudo do projeto aQeduto aponta que há características como a perseverança e a autoconfiança que podem ter maiores impactos nos resultados, e que estão diretamente relacionados com esse estatuto social.

São a autoconfiança dos alunos e a sua eficácia na resolução de problemas que parecem ser mais determinantes para o sucesso, sendo essas as características que diferenciam os jovens com melhores resultados.

“É interessante verificar que os bons alunos de classes mais favorecidas se distinguem mais pela autoconfiança, enquanto os seus colegas de classes menos favorecidas, apesar de menos autoconfiantes, se diferenciam por serem, na prática, realmente eficazes na resolução de problemas“, lê-se no estudo.

Os autores ressalvam, no entanto, que os bons alunos com estatuto social mais baixo “declaram menos vontade em enfrentar e resolver situações complexas”.

“Isto é, verifica-se que a eficácia e a autoconfiança dos alunos tem um alto poder determinante na probabilidade de sucesso. A pergunta que fica é: como estimular estas características em quem não as demonstra?”, questionam.

Os autores apontam ainda que, no caminho para o sucesso, a maioria dos alunos nos países em análise assume a sua responsabilidade em atingir essa meta, apontando o esforço como fundamental para esse objetivo.

“Na maioria dos países, apenas cerca de 10% dos alunos consideram que ser bem-sucedido depende do professor”, refere o estudo.

No caso português, 50% assume ser sua inteira responsabilidade chegar ao sucesso, mas entre 10% a 15% dos alunos, consoante o estatuto socioeconómico e os resultados, dizem que o sucesso depende dos professores.

Sobre a perseverança em Portugal, os autores escrevem que “esta característica é transversal aos alunos com ‘scores’ elevados independentemente do seu estatuto socioeconómico e cultural”, e que “os bons alunos portugueses são os que revelam maior perseverança contrariamente aos alunos franceses, cujo nível de perseverança é muito baixo, mesmo em alunos com resultados elevados”.

No entanto, se o estatuto socioeconómico não pesa na atitude de nunca desistir, os resultados sim: entre os jovens portugueses mais carenciados com resultados mais fracos, só 45% dizem nunca desistir, enquanto entre aqueles que têm resultados elevados há 74% que afirmam que nunca desistem.

O projeto aQeduto trabalha sobre os temas de avaliação, qualidade e equidade em educação, e resulta de uma parceria entre o CNE e a Fundação Francisco Manuel dos Santos.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Este ano não há São João nem Santo António. Festas populares canceladas em Lisboa e Porto

As Câmaras Municipais de Lisboa e do Porto resolveram cancelar as festividades de Santo António e de são João, respectivamente, por causa da pandemia de Covid-19. As marchas populares só voltam no próximo ano, com …

Sem ajudas do Governo, "não sei se os grandes vão continuar a ser grandes"

"É complicado encontrar soluções", assume o presidente do Marítimo numa altura em que o futebol está parado por causa da pandemia de Covid-19. A situação é "aflitiva" para muitos clubes, diz Carlos Pereira que acredita …

Governo dá tolerância de ponto nos dias 9 e 13 de abril

O primeiro-ministro assinou um despacho a conceder tolerância de ponto nos próximos dias 9 e 13, no período da Páscoa, a todos os trabalhadores que exercem funções públicas nos serviços da administração direta do Estado. “É …

Depois do papel higiénico, vendas de snacks e bebidas alcoólicas disparam

A Associação Espanhola de Supermercados fez um estudo sobre as alterações de consumo desde que foi decretado o estado de emergência. A procura por papel higiénico disparou meados de março, mas os produtos mais procurados …

Bloco quer proibir banca de distribuir lucros (e pede ajuda ao PSD)

O Bloco de Esquerda quer proibir os bancos de distribuírem dividendos em 2020 e pede ajuda ao PSD para o conseguir. Em videoconferência, Mariana Mortágua lançou um desafio ao líder social-democrata. O Bloco de Esquerda anunciou …

Ordens duvidam dos números de infetados (e admitem fazer o seu próprio levantamento)

Segundo os números anunciados na quarta-feira, havia 1.124 profissionais de saúde e oito deles estavam internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI). Mas estes números não convencem as Ordens. De acordo com o Observador, o bastonário …

Europa tem que ser o seu "próprio Plano Marshall". Centeno defende solução sem o "estigma" da austeridade

Mário Centeno continua a incentivar uma solução conjunta assente na ideia da solidariedade europeia perante "uma crise inesperada e sem precedentes" devido à pandemia de Covid-19. Como presidente do Eurogrupo, o ministro das Finanças de …

Há mais de 10 mil infetados em Portugal. DGS vai fazer testes de imunidade à população

O boletim epidemiológico da Direção-geral da Saúde deste sábado regista 10.524 casos de infeção por covid-19 em Portugal. Há mais 20 mortes, num total de 266 óbitos. Nas últimas 24 horas, até à meia-noite, foram registados …

Quase meio milhão de portugueses estão em lay-off. "Sistema é errado", diz Francisco Louçã

Uma semana depois de o Governo ter aberto a porta ao lay-off simplificado, mais de 22 mil empresas já recorreram a este novo regime. Atualmente, há 425.287 trabalhadores nessa situação. Francisco Louçã considera este sistema …

Costa "chocado" com caso da morte no aeroporto. Enfermeira, médico e polícias também investigados

Além dos três inspectores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que são suspeitos de terem agredido um cidadão ucraniano, que acabou por morrer, também há outros elementos do SEF, um médicos e uma enfermeira, …