Estudo de asteroides “gémeos” reforça teoria do Planeta Nove

R. Hurt (IPAC) / Caltech

O Planeta X (ou Planeta 9) será um gigante gasoso semelhante a Úrano e Neptuno

O Planeta X (ou Planeta 9) será um gigante gasoso semelhante a Úrano e Neptuno

As propriedades dinâmicas de dois asteroides, observados pela primeira vez através do Gran Telescopio CANARIAS, sugerem uma possível origem comum e trazem novas pistas sobre a existência de um planeta no Sistema Solar exterior, o chamado “Planeta Nove”.

Há vários anos, foi descoberta uma nova classe de objetos do Sistema Solar distante, que orbitam o Sol a uma distância maior do que a de Neptuno: os objetos transneptunianos extremos (ETNOs).

As suas órbitas estão muito longe do Sol em comparação com a da Terra. Nós orbitamos o Sol a uma distância média de 1 Unidade Astronómica (corresponde a 150 milhões de quilómetros), mas os ETNOs orbitam a mais de 150 UA.

Para termos uma ideia de quão longe estão, a órbita de Plutão, que é um objeto transneptuniano, ronda as 40 UA. Até agora, foram identificados um total de 21 ETNOs.

Recentemente, vários estudos sugeriram que os parâmetros dinâmicos dos ETNOs poderiam ser explicados de uma maneira melhor se existisse um ou mais planetas com massas várias vezes a da Terra, que orbite o Sol a distância de centenas de UA.

Em 2016 os investigadores Brown e Batygin usaram as órbitas de sete ETNOs para prever a existência de uma “superterra” em órbita do Sol a cerca de 700 UA.

Esta ideia é referida como Hipótese do Planeta Nove e é um dos temas atuais de mais interesse na ciência planetária. No entanto, visto que os objetos estão tão distantes, a luz que recebemos desses corpos celestes é muito fraca e até agora o único objeto transneptuniano observado espectroscopicamente foi o Sedna – um planeta anão descoberto em 2003 e que, desde 2012, está cerca de três vezes mais longe do Sol que Neptuno.

Agora, os investigadores do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC), fizeram as primeiras observações espectroscópicas de 2004 VN112 e 2013 RF98, ambos particularmente interessantes porque as suas órbitas são quase idênticas e os polos das órbitas estão separados por um ângulo muito pequeno.

Isto sugere uma origem comum e as suas órbitas atuais podem ser o resultado de uma interação passada com o hipotético Planeta Nove. Este estudo, publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, sugere que este par de ETNOs resultou de um asteroide binário que se separou depois de um encontro com um planeta que orgita para lá de Plutão.

Segundo os especialistas, foi difícil identificar estes asteroides porque a sua grande distância significa que o seu movimento aparente no céu é muito lento. Os cientistas mediram as suas magnitudes aparentes (o seu brilho visto a partir da Terra) e também recalcularam a órbita de 2013 RF98, que tinha sido mal determinada – e descobriram que este objeto está localizado a mais de um minuto da posição prevista.

De acordo com o novo estudo, que analisou também o espectro visível dos objetos, os valores obtidos para 2014 VN112 e 2013 RF98 são quase idênticos àqueles observados noutros dois ETNOs, 2000 CR105 e 2012 VP113.

No entanto, Sedna, o único destes objetos previamente observado espectroscopicamente, mostra valores muitos diferentes dos restantes. Estes cinco objetos fazem parte do grupo de sete usados para testar a Hipótese do Planeta Nove, o que sugere que todos devem ter uma origem comum, à exceção de Sedna.

Wikipedia

Representação das órbitas de seis dos sete objetos transneptunianos extremos (ETNOs) usados para reforçar a hipótese do "Planeta Nove"

Representação das órbitas de seis dos sete objetos transneptunianos extremos (ETNOs) usados para reforçar a hipótese do “Planeta Nove”

“Os gradientes espectrais semelhantes observados para o par 2004 VN112 – 2013 RF98 sugerem uma origem física comum,” explica a astrofísica Julia de León, a autora principal do artigo.

“Estamos a propor a possibilidade de terem sido anteriormente um asteroide binário que se afastou durante um encontro com um objeto mais massivo“, adiantou.

Para validar esta hipótese, a equipa realizou milhares de simulações numéricas para ver como os polos das órbitas se separariam ao longo do tempo. Os resultados destas simulações sugerem que um possível Planeta Nove, que teria cerca de dez vezes a massa da Terra e esteja a orbitar o Sol a uma distância entre 300 e 600 UA, pode ter separado o par há mais de 5 milhões de anos.

Com estas novas pistas que reforçam a teoria do Planeta Nove, agora só temos de esperar que algum astrónomo consiga realmente localizá-lo.

ZAP // CCVAlg

PARTILHAR

RESPONDER

Descoberto primeiro asteróide que se move apenas dentro da órbita de Vénus

Uma rede de telescópios robóticos operados à distância observou um asteróide que, além de ser o asteróide mais próximo do Sol, é também o primeiro asteróide descoberto que se move completamente dentro da órbita de …

Mark Zuckerberg tem medo do TikTok (e já se sabe porquê)

Mark Zuckerberg já deixou claro, mais do que uma vez, que não gosta do TikTok. No entanto, agora sabemos o que está por trás desta hostilidade pelo rival: a aplicação está a crescer muito, mesmo …

A empresa mãe da Google já vale um bilião de dólares

Esta quinta-feira, a Alphabet, empresa mãe da Google, conseguiu uma cotação na bolsa de 1 bilião de dólares, cerca de 900 mil milhões de euros. A Alphabet tornou-se, esta quinta-feira, a quarta empresa norte-americana a conseguir …

Cientistas criam "cimento vivo" capaz de se "curar"

Uma equipa de cientistas dos Estados Unidos criou um "cimento vivo" juntando areia e bactérias num material de construção capaz de se auto-reproduzir, de absorver dióxido de carbono e manter a resistência. "Já usamos materiais biológicos …

Sporting 0-2 Benfica | Águia vence dérbi e foge na frente

O Benfica foi o grande vencedor do dérbi lisboeta. Na visita ao Sporting, os “encarnados” marcaram dois golos sem resposta, ambos na segunda parte, por Rafa Silva, entrado no decorrer da segunda parte, após ter …

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos

Um em cada seis homens é vítima de abuso sexual antes dos 18 anos e podem levam décadas até pedir ajuda, por nem sempre aceitarem e entenderem que sofreram violência sexual. Na maior parte dos …

"Messiah", da Netflix, reacende controvérsia sobre os limites da liberdade de expressão

A série Messiah, disponível na plataforma de streaming Netflix, acende a controvérsia em torno dos limites da liberdade de expressão e da criatividade no mundo das artes e do entretenimento. Messiah, uma série produzida por Michael …

Quadro encontrado por jardineiro era mesmo a obra desaparecida de Klimt

Em 1997, Retrato de uma Senhora desapareceu da Galeria de Arte Moderna Ricci Oddi, em Piacenza. Em dezembro, o quadro foi descoberto. Estava escondido numa parede da instituição. O quadro encontrado em dezembro, escondido na reentrância …

Terramotos modificaram a geografia de Porto Rico (e a NASA mostra como)

Os terramotos que Porto Rico tem sentido desde dezembro passado, que causaram pelo menos um morto e milhões de dólares em prejuízos, estão também a mudar a geografia desta ilha das Caraíbas. A agência espacial …

Maldivas desesperam por fundos enquanto continuam a afundar

As Maldivas correm o risco de desaparecer completamente a menos que o Governo consiga aceder a financiamentos para combater a subida das águas. Atualmente, 80% do país está um metro abaixo do nível do mar. "Não …