Estrelas estão a explodir em galáxias empoeiradas (simplesmente nem sempre as vemos)

(dr) NASA / JPL-Caltech

A galáxia Arp 148, capturada pelos telescópios espaciais Spitzer e Hubble da NASA

Seria de pensar que as supernovas – a morte agonizante de estrelas massivas, das explosões mais brilhantes e poderosas do Universo – são difíceis de perder. No entanto, o número observado destas explosões, nas partes distantes do Universo, está muito aquém das previsões dos astrofísicos.

Um novo estudo usando dados do recém-aposentado Telescópio Espacial Spitzer da NASA relata a deteção de cinco supernovas que, não detetadas no visível, nunca tinham sido vistas antes. O Spitzer viu o Universo no infravermelho, que atravessa nuvens de poeira que bloqueiam a luz visível – o tipo de luz que os nossos olhos veem e que as supernovas não obscurecidas irradiam com mais intensidade.

Para procurar supernovas escondidas, os investigadores analisaram observações de 40 galáxias empoeiradas pelo Spitzer (no espaço, a poeira refere-se a partículas semelhantes a grãos com consistência semelhante a fumo). Com base no número encontrado nestas galáxias, o estudo confirma que as supernovas realmente ocorrem com a frequência esperada pelos cientistas. Esta expectativa é baseada na compreensão atual dos cientistas de como as estrelas evoluem. Estudos como este são necessários para melhorar esta compreensão, seja reforçando ou desafiando certos aspetos.

“Estes resultados, com o Spitzer, mostram que os levantamentos óticos nos quais confiamos há muito tempo para detetar supernovas perdem até metade das explosões estelares que ocorrem no Universo,” disse Ori Fox, cientista do STScI (Space Telescope Science Institute) em Baltimore, no estado norte-americano de Maryland, autor principal do novo estudo publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. “É uma notícia muito boa que o número de supernovas que estamos a ver com o Spitzer seja estatisticamente consistente com as previsões teóricas.”

A “discrepância de supernovas” – isto é, a consistência entre o número de supernovas previstas e o número observado por telescópios óticos – não é um problema no Universo próximo. Aqui, as galáxias diminuíram o seu ritmo de formação estelar e geralmente têm menos poeira. Nas regiões mais distantes do Universo, porém, as galáxias parecem mais jovens, produzem estrelas em taxas mais altas e tendem a ter maiores quantidades de poeira. Esta poeira absorve e espalha a luz ótica e ultravioleta, impedindo-as de alcançar os telescópios. De modo que os investigadores há muito raciocinam que as supernovas perdidas devem existir mas são simplesmente invisíveis.

“Tendo em conta que o Universo local acalmou um pouco desde os seus primeiros anos de formação estelar, vemos os números esperados de supernovas com levantamentos óticos típicos”, disse Fox. “A percentagem de supernovas detetadas, no entanto, diminui conforme nos afastamos e regressamos às épocas cósmicas, onde as galáxias mais empoeiradas dominavam.”

A deteção de supernovas a estas grandes distâncias pode ser um desafio. Para realizar uma busca por supernovas escondidas em reinos galácticos mais sombrios, mas a distâncias menos extremas, a equipa de Fox selecionou um conjunto local de 40 galáxias sufocadas por poeira, conhecidas como LIRGs e ULIRGs (“luminous and ultra-luminous infrared galaxies”, em português galáxias infravermelhas luminosas e ultraluminosas). A poeira nas LIRGs e ULIRGs absorve luz ótica de objetos como supernovas, mas permite que a luz infravermelha destes mesmos objetos passe sem obstrução para ser detetada por telescópios como o Spitzer.

O palpite dos investigadores mostrou-se correto quando as cinco supernovas nunca antes vistas chegaram via luz infravermelha. “É uma prova do potencial de descoberta do Spitzer, o telescópio ter sido capaz de captar o sinal de supernovas escondidas nestas galáxias empoeiradas,” disse Fox.

Foi especialmente divertido para vários dos nossos estudantes contribuir de forma significativa para esta investigação empolgante,” acrescentou o coautor Alex Filippenko, professor de astronomia na Universidade da Califórnia, em Berkeley. “Eles ajudaram a responder à pergunta: ‘Para onde foram todas as supernovas?'”

As supernovas detetadas pelo Spitzer são conhecidas como “supernovas de colapso do núcleo”, envolvendo estrelas gigantes com pelo menos oito vezes a massa do Sol. À medida que envelhecem e os seus núcleos se enchem de ferro, as grandes estrelas não conseguem mais produzir energia suficiente para suportar a sua própria gravidade e os seus núcleos colapsam, repentina e catastroficamente.

As pressões e temperaturas intensas produzidas durante o rápido desmoronamento formam novos elementos químicos por meio da fusão nuclear. As estrelas em colapso acabam por ressaltar dos seus núcleos ultradensos, explodindo e espalhando estes elementos pelo espaço. As supernovas produzem elementos “pesados”, como a maioria dos metais. Estes elementos são necessários para a construção de planetas rochosos, como a Terra, bem como para seres biológicos. No geral, as taxas de supernovas servem como uma verificação importante dos modelos de formação estelar e da criação de elementos pesados no Universo.

“Se soubermos quantas estrelas se estão a formar, podemos prever quantas estrelas vão explodir,” explicou Fox. “Ou, vice-versa, se soubermos quantas estrelas estão a explodir, podemos prever quantas estrelas se estão a formar. A compreensão desta relação é fundamental para muitas áreas de estudo na astrofísica.”

Os telescópios de próxima geração, incluindo o RST (Nancy Grace Roman Space Telescope) e o JWST (James Webb Space Telescope) da NASA, vão detetar luz infravermelha como o Spitzer.

“O nosso estudo mostrou que os modelos de formação estelar são mais consistentes com as taxas de supernovas do que se pensava,” disse Fox. “E ao revelar estas supernovas ocultas, o Spitzer preparou o terreno para novos tipos de descobertas com os telescópios espaciais Webb e Roman.”

  // CCVAlg

PARTILHAR

RESPONDER

Titã pode estar condenada a chocar contra Saturno

A maior lua de Saturno, Titã, tem um enorme efeito na inclinação do planeta, e o seu afastamento do planeta pode derrubá-lo e condenar a própria Titã. A cada ano que passa, Titã afasta-se 11 centímetros …

É um cenário de filme de ficção científica - mas será possível a Lua colidir contra a Terra?

Está sempre aparentemente calma no céu, mas será que a Lua pode algum dia vir a chocar com a Terra? Há simulações que ajudam a ter uma ideia do que aconteceria neste cenário. Um novo filme …

O segredo da Coreia do Sul para combater a covid-19? Tecnologia de ponta e toque humano

O sucesso da Coreia do Sul a combater a pandemia de covid-19 não assentou apenas no recurso à tecnologia de ponta — também envolveu o tradicional toque humano. De acordo com um recente relatório da Câmara …

Governo: voto contra do Bloco é "definitivo". Marcelo diz que chumbo provoca dissolução

O Governo afirmou este domingo que entendeu o anúncio de voto contra por parte do BE como “uma posição definitiva”, remetendo eventuais novas negociações com este partido para a fase da especialidade do Orçamento do …

Soldados do exército chinês alinhados.

Chinesas querem "empregos de homem" — mas o sistema educacional corta-lhes as asas

Várias escolas, academia e universidades chinesas impõe cotas que limitam o acesso de estudantes do sexo feminino. Mulheres têm de tirar notas mais altas do que os homens para entrar. Um pouco por todo o mundo …

"A Escola de Atenas", quadro de Rafael Sanzio.

Ideias da filosofia grega podem ter-nos conduzido às alterações climáticas

Algumas das ideias defendidas por antigos filósofos gregos podem ter conduzido a civilização rumo às alterações climáticas. Incêndios florestais causados por ventos crescentes e um calor sem precedentes cercaram Atenas, Grécia, no verão passado, cobrindo os …

Vizela 0-1 Benfica | Milagre de São Rafa no último suspiro

A ressaca pós-goleada frente ao Bayern, na Liga dos Campeões, foi difícil para o Benfica. Os comandados de Jorge Jesus sentiram muitas dificuldades frente a um Vizela que sabia que o seu adversário iria patentear …

Otoniel, o camponês paramilitar (e criminoso mais procurado da Colômbia) foi capturado

O governo da Colômbia anunciou este sábado a captura do narcotraficante mais procurado do país, Dairo Antonio Úsuga (com a alcunha de 'Otoniel'), por quem os Estados Unidos ofereciam uma recompensa de cinco milhões de …

"Tratam as doentes como histéricas". O longo caminho da Medicina até levar a sério a dor feminina está a custar vidas

Muitos dos avanços na medicina tiveram apenas metade da população em conta. Para além da falta de representação das mulheres nos estudos médicos, a dor e os relatos das pacientes são muitas vezes desvalorizados nas …

Bloco faz ultimato: vota contra o OE se até 4ª feira o Governo "insistir em impor recusas"

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, avisou este domingo que o BE votará contra o orçamento se até quarta-feira “o Governo insistir em impor recusas onde a esquerda podia ter avanços”, mantendo, no …