Estranhas bactérias que comem ar podem ser a chave para encontrar vida extraterrestre

Cientistas da Universidade de Nova Gales do Sul, UNSW, na Austrália, descobriram um novo tipo de bactéria que pode sobreviver exclusivamente de produtos químicos presentes no ar. A descoberta pode mudar a forma como encaramos a possibilidade de encontrar vida em outros planetas.

Os micróbios, que foram encontrados na Antártida, conseguem subsistir apenas com uma dieta de hidrogénio, monóxido de carbono e dióxido de carbono, mantendo-se vivos nas condições mais extremas, em que outros alimentos e fontes de energia são escassos. A descoberta foi apresentada num artigo publicado na revista científica Nature.

A partir de agora, torna-se necessário considerar a possibilidade de formas de vida de baixo nível, semelhantes a estas bactérias, existirem em outros planetas.

“A grande questão é como os micróbios podem sobreviver quando há pouca água, os solos são muito baixos em carbono orgânico e há pouca capacidade para produzir energia do sol através da fotossíntese durante a escuridão do inverno”, diz a autora principal do artigo, Belinda Ferrari, citada pelo site da UNSW.

A Antártida é um local com condições particularmente desfavoráveis à vida: temperaturas extremas, pouca água, meses de escuridão, radiação ultravioleta forte e intempéries com ciclos de congelamento e descongelamento.

E, no entanto, há vida na Antártida. Como é que sobrevive, sem as fontes de energia habituais – como o carbono que se transforma em açúcar através da fotossíntese?

Para responder a essa pergunta, os investigadores recolheram amostras de solo Robinson Ridge e Adams Flat, duas zonas continentais sem gelo, escolhidas porque qualquer fonte de alimento conhecida que seja necessária para a vida é praticamente inexistente.

Ao reconstruir os genomas de 23 micróbios locais, os cientistas conseguiram identificar dois grupos de bactérias anteriormente desconhecidos, a que chamaram WPS-2 e AD3.

Além disso, as espécies dominantes no solo tinham genes com alta afinidade com o hidrogénio e o monóxido de carbono, o que lhes permite capturar estes gases a partir da atmosfera a uma velocidade suficientemente alta para sustentar a vida.

Essa é a primeira forma de vida que “come ar” alguma vez identificada, mesmo que seja apenas uma bactéria que passa a maior parte do tempo dormente. O próximo passo é descobrir quão generalizados são estes tipos de bactérias de baixa manutenção, seja na Antártida ou em qualquer outro local na Terra.

Eventualmente, bactérias semelhantes podem ser encontrados em outros planetas, ou seja, formas de vida sem necessidade de outros alimentos excepto o ar que respiram.

“Esta nova compreensão sobre como a vida pode existir em ambientes fisicamente tão extremos e desprovidos de nutrientes como a Antártida abre a possibilidade de que simples gases atmosféricos sustentem a vida em outros planetas”, explica Ferrari.

PARTILHAR

RESPONDER

Estúdios de tatuagens podem reabrir na segunda-feira

Os estúdios de tatuagens e de ‘bodypiercing’ vão poder reabrir na segunda-feira juntamente com outros serviços de atendimento ao público e comerciais, mas terão de funcionar mediante marcação prévia e cumprindo as regras sanitárias. Na resolução …

As rãs de cristal revelaram uma nova forma de camuflagem

As rãs de cristal são bem conhecidas pela sua pele transparente, mas, até agora, o motivo desta curiosa característica não tinha recebido atenção experimental. Uma equipa de cientistas da Universidade de Bristol, no Reino Unido, da …

Pescador encontra destroços de navio que terá naufragado há mais de 200 anos

Arqueólogos mexicanos localizaram os destroços de um navio na costa do estado de Quintana Roo, no México, e acreditam que o mesmo terá naufragado há mais de 200 anos. De acordo com a BBC, o naufrágio …

Bloco apoia travão ao desconfinamento na região de Lisboa

O Bloco de Esquerda apoiou o adiamento do levantamento de restrições impostas pela pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, destacando que é importante aumentar a vigilância nas empresas de construção e trabalho …

Descoberto "cemitério" de mamutes nos arredores da Cidade do México

Investigadores descobriram um "cemitério" com cerca de 60 mamutes nos arredores da Cidade do México, avança o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do país. De acordo com o site Live Science, a descoberta aconteceu, …

David Luiz confirma rumores. Regresso "vai acontecer se o presidente permitir e os adeptos quiserem"

David Luiz confirmou este sábado os rumores que davam conta que o Benfica e o jogador estavam a negociar um eventual regresso do brasileiro à Luz. Em entrevista ao desportivo Record, David Luiz confirmou a …

Cães treinados para proteger animais selvagens salvam 45 rinocerontes

Há inúmeras razões que explicam o motivo pelo qual os cães são conhecidos como o melhor amigo do Homem. Além de leais e inteligentes, dão sempre o corpo às balas, mesmo nos piores momentos. Quarenta e …

Fez-se história. Foguetão da SpaceX lançado com sucesso rumo à EEI

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado este sábado na presença do Presidente do Estados Unidos, Donald Trump. O lançamento decorreu …

"A Rússia não permitirá a privatização da Lua", avisa Roscosmos

A Rússia não permitirá a privatização da Lua, independentemente de quem avance a iniciativa, avisou o chefe da agência espacial russa (Roscosmos), Dmitri Rogozin, em entrevista ao jornal Komsomólskaya Pravda. "Não permitiremos que ninguém privatize a …

Plataforma flutuante extrai energia das ondas, do vento e do Sol

A empresa alemã Sinn Power criou uma plataforma marítima flutuante capaz de gerar energia renovável a partir de ondas, vento e energia solar. A plataforma híbrida combina turbinas eólicas, painéis solares e coletores de energia das …