O estatuto social da mulher no Antigo Egito regrediu no período greco-romano

Os direitos das mulheres no Antigo Egito eram melhores antes do século IV a.C do que durante o período greco-romano que o seguiu. Esta é a conclusão de um novo livro publicado recentemente por uma especialista da Universidade de Kent.

Ada Nifosi, professora de História Antiga na Escola de Cultura e Línguas Europeias daquela universidade londrina, descobriu que o estatuto da mulher do Antigo Egito era mais alto e possuía de maior autonomia do que as gerações que lhes seguiram inclusivamente em temas que ainda hoje se discutem.

A especialista conduziu um estudo detalhe sobre o dia-a-dia destas mulheres, concentrando-se, tal como noticia a agência Europa Press, em três fases importantes na vida das mulheres: a puberdade, a menstruação e o parto. A partir desta análise, Nifosi percebeu que o estatuto das mulheres e das crianças começou a sofrer alterações quando o Egito foi submetido ao domínio grego e romano.

“As mulheres desfrutavam de um estatuto social muito melhor no antigo Egito e as mudanças culturais, morais e legais que ocorreram com a o governo greco-romano não foram para melhor”, explica a cientista em comunicado. “Por exemplo, antes dos gregos governarem o Egito, as mulheres egípcias podiam exercer os seus direitos legais de forma livre e independente”, descreve na mesma nota de imprensa.

Contudo, sustenta, depois de os gregos terem introduzido as suas leis no Egito, “a maioria das mulheres que ali moravam passaram a precisar de um tutor masculino para atos legais, como casamentos”. Além disso, as mulheres do Antigo Egito foram também perdendo “gradualmente o controlo sobre os seus corpos e descendentes”.

“O poder de reconhecer as crianças estava inteiramente nas mãos dos pais e as mães tinham pouco ou não a dizer sobre essa escolha. Às vezes, as crianças eram mesmo abandonadas e deixadas para morrer ou para serem criadas como escravas. [Estes acontecimentos] não parecem ter acontecido no Antigo Egito”.

Para esta investigação, Nifosi estudou um grande número de objetos pessoais recolhidos em casas particulares na aldeia greco-romana de Bakchias, no Egito. Ao combinar grupos de artefactos destas casas com informações de papiros e ostraca (fragmentos de cerâmica com inscrições), a cientista conseguir estabelecer com detalhe como viviam mulheres e meninas daquela época.

O seu livro aborda várias questões, como o estatuto das crianças ainda não-nascidas, o papel médico das parteiras e ainda as crenças associadas à menstruação. alguns destes assuntos são ainda importantes nos dias que correm, aponta a nota.

No futuro, Nifosi pretende conduzir mais investigações sobre a menstruação, visando aumentar a consciencialização sobre os estigmas sociais antigos e modernos.

O livro, sob o título “Tornar-se mulher e mãe no Egito greco-romano”, é o primeiro estudo interdisciplinar sobre as mulheres do Egito helenístico e romano desde o século III a.C. até a século III. “[O livro] é uma importante leitura para qualquer pessoa interessada em estudos sobre o género e as mulheres e sobre a história social do antigo Egito”, considerou Roberta Mazza, especialista da Universidade de Manchester.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

A maior parte dos produtos de maquilhagem está contaminada com superbactérias perigosas

Nove em cada 10 produtos cosméticos atualmente em uso estão contaminados com superbactérias potencialmente prejudiciais, incluindo E. coli e Staphylococci. Beauty blender, rímel e brilho labial são os produtos que contêm os mais altos níveis …

NASA gravou acidentalmente a explosão de um cometa a aproximar-se do Sol

Astrónomos usaram dados do telescópio espacial TESS para estudar a explosão de um cometa durante a sua aproximação ao Sol. A investigação resultou num artigo publicado em novembro na revista científica Astrophysical Journal Letters. Foi a …

Objeto de Hoag é uma galáxia dentro de uma galáxia (que está dentro de outra galáxia)

Se observar atentamente a Constelação da Serpente poderá ver uma galáxia dentro de uma galáxia que, por sua vez, está dentro de outra galáxia. Este grande mistério do Universo é conhecido como Objeto de Hoag. Descoberto …

Parker Solar Probe lança nova luz sobre o Sol

Em agosto de 2018, a Parker Solar Probe da NASA foi lançada para o espaço, tornando-se pouco tempo depois a sonda mais próxima do Sol. Com instrumentos científicos de ponta para medir o ambiente em …

Encontrado no mar das Malvinas navio alemão da I Guerra Mundial 105 anos depois de naufragar

O naufrágio de um cruzador alemão da I Guerra Mundial foi identificado nas Ilhas Malvinas, onde foi afundado pela Marinha britânica há 105 anos. O SMS Scharnhorst foi o principal ativo da esquadra alemã na Ásia …

Boavista 1-4 Benfica | Águia goleia no xadrez do Bessa

O Benfica deu o pontapé de saída da 13ª jornada com uma vitória competente na visita ao Boavista, por 4-1. Num jogo potencialmente perigoso para as aspirações “encarnadas”, frente a um adversário com somente uma derrota …

Cientistas desenvolvem técnica para determinar o humor através da caligrafia

Uma equipa de cientistas estudou a biomecânica dos movimentos das mãos a escrever e a desenhar, e desenvolveu um método para avaliar as propriedades individuais da velocidade de escrita e da pressão do lápis no …

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …