O estatuto social da mulher no Antigo Egito regrediu no período greco-romano

Os direitos das mulheres no Antigo Egito eram melhores antes do século IV a.C do que durante o período greco-romano que o seguiu. Esta é a conclusão de um novo livro publicado recentemente por uma especialista da Universidade de Kent.

Ada Nifosi, professora de História Antiga na Escola de Cultura e Línguas Europeias daquela universidade londrina, descobriu que o estatuto da mulher do Antigo Egito era mais alto e possuía de maior autonomia do que as gerações que lhes seguiram inclusivamente em temas que ainda hoje se discutem.

A especialista conduziu um estudo detalhe sobre o dia-a-dia destas mulheres, concentrando-se, tal como noticia a agência Europa Press, em três fases importantes na vida das mulheres: a puberdade, a menstruação e o parto. A partir desta análise, Nifosi percebeu que o estatuto das mulheres e das crianças começou a sofrer alterações quando o Egito foi submetido ao domínio grego e romano.

“As mulheres desfrutavam de um estatuto social muito melhor no antigo Egito e as mudanças culturais, morais e legais que ocorreram com a o governo greco-romano não foram para melhor”, explica a cientista em comunicado. “Por exemplo, antes dos gregos governarem o Egito, as mulheres egípcias podiam exercer os seus direitos legais de forma livre e independente”, descreve na mesma nota de imprensa.

Contudo, sustenta, depois de os gregos terem introduzido as suas leis no Egito, “a maioria das mulheres que ali moravam passaram a precisar de um tutor masculino para atos legais, como casamentos”. Além disso, as mulheres do Antigo Egito foram também perdendo “gradualmente o controlo sobre os seus corpos e descendentes”.

“O poder de reconhecer as crianças estava inteiramente nas mãos dos pais e as mães tinham pouco ou não a dizer sobre essa escolha. Às vezes, as crianças eram mesmo abandonadas e deixadas para morrer ou para serem criadas como escravas. [Estes acontecimentos] não parecem ter acontecido no Antigo Egito”.

Para esta investigação, Nifosi estudou um grande número de objetos pessoais recolhidos em casas particulares na aldeia greco-romana de Bakchias, no Egito. Ao combinar grupos de artefactos destas casas com informações de papiros e ostraca (fragmentos de cerâmica com inscrições), a cientista conseguir estabelecer com detalhe como viviam mulheres e meninas daquela época.

O seu livro aborda várias questões, como o estatuto das crianças ainda não-nascidas, o papel médico das parteiras e ainda as crenças associadas à menstruação. alguns destes assuntos são ainda importantes nos dias que correm, aponta a nota.

No futuro, Nifosi pretende conduzir mais investigações sobre a menstruação, visando aumentar a consciencialização sobre os estigmas sociais antigos e modernos.

O livro, sob o título “Tornar-se mulher e mãe no Egito greco-romano”, é o primeiro estudo interdisciplinar sobre as mulheres do Egito helenístico e romano desde o século III a.C. até a século III. “[O livro] é uma importante leitura para qualquer pessoa interessada em estudos sobre o género e as mulheres e sobre a história social do antigo Egito”, considerou Roberta Mazza, especialista da Universidade de Manchester.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Portugueses vencem "Óscares" de animação em Los Angeles

O filme “Tio Tomás, A Contabilidade dos Dias” da realizadora portuguesa Regina Pessoa, venceu este domingo o prémio de Melhor Curta Metragem e Sérgio Martins venceu a Melhor Direção de Animação em Longa Metragem, pelo …

Juiz Neto de Moura muda nome com que assina acórdãos

O juiz Neto de Moura, envolvido em algumas decisões polémicas sobre violência doméstica, alterou o nome com que assina os acórdãos, avança o Jornal de Notícias na sua edição impressa deste domingo. De acordo com …

Violenta tempestade faz pelo menos 30 mortos em Minas Gerais

A violenta tempestade que desde quinta-feira assola o estado de Minas Gerais, sudeste do Brasil, já provocou pelo menos 30 mortos e 17 desaparecidos, anunciou este domingo a Proteção Civil. De acordo com o novo balanço, …

Descobertas quatro novas espécies de tubarões que caminham

Foram descobertas quatro novas espécies de tubarões que caminham usando as suas barbatanas. Ao todo são já conhecidas nove espécies deste tipo de tubarões. Investigadores encontraram tubarões que caminham nas águas do norte da Austrália e …

Caso suspeito de infeção por coronavírus em Portugal deu negativo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) informou este domingo que o primeiro caso suspeita de coronavírus em Portugal, com um paciente sob observação no Hospital de Curry Cabral, em Lisboa, deu negativo após  análises. "A Direção-Geral da …

Francisco Rodrigues dos Santos é o novo líder do CDS

A moção de estratégia de Francisco Rodrigues dos Santos, sob o título "Voltar a Acreditar", foi a mais votada na madrugada domingo no 28.º congresso do CDS, em Aveiro, avançaram à agência Lusa fontes partidárias. A …

Cientistas descobrem proteína capaz de imitar os efeitos do exercício físico

A proteína, chamada de Sestrin, é capaz de proporcionar benefícios musculares muito semelhantes aos da prática de exercício físico. Um grupo de cientistas da Universidade de Medicina do Michigan, nos Estados Unidos, descobriu uma proteína …

Inscrição hebraica com 2.800 anos revela antigo nome bíblico

Uma equipa de arqueólogos encontrou um jarro com 2.8000 anos com a inscrição em hebraico "Benayo" no sítio arqueológico de Abel Beth Maacah, no norte de Israel, local várias vezes mencionado na Bíblia Hebraica.  De …

Braga vence FC Porto e conquista Taça da Liga. Sérgio coloca lugar à disposição

O Sporting de Braga venceu hoje o FC Porto por 1-0 e conquistou a Taça da Liga, com Ricardo Horta a marcar o golo decisivo aos 90+5, garantindo um troféu que os bracarenses já tinham …

Rara moeda de ouro com a cara de Eduardo VIII vendida por preço recorde

Uma rara moeda de ouro com o perfil do rei britânico Edward VIII foi vendida a um comprador particular pelo valor recorde de 1,3 milhões de dólares. A informação é avançada pela Royal British Mint, a …