Estado pode perder 9 mil milhões de euros com antigos créditos fiscais dos bancos

Mario Cruz / Lusa

O Ministro das Finanças, Mário Centeno

A proposta que permite aos bancos contabilizar como custo fiscal as novas imparidades não inclui os direitos adquiridos pelos bancos antes de 2016.

Segundo o Diário de Notícias, a proposta de lei aprovada pelo Governo que autoriza os bancos a abaterem as perdas no IRC deixa de fora o maior bolo de créditos fiscais da banca que podem lesar o Estado nos próximos anos.

O Governo aprovou em Conselho de Ministros, na passada quinta-feira, a proposta de lei que altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) em matéria de imparidades das instituições de crédito e outras instituições financeiras.

No entanto, o diploma não inclui os direitos adquiridos pelos bancos antes de 2016, o que pode causar uma perda significativa ao Estado de quase 9 mil milhões de euros – o valor de ativos por impostos diferidos registados nas contas das principais entidades bancárias nacionais.

Se passar no Parlamento, este novo regime não abrange os direitos adquiridos pelos bancos antes de 2016, que constituem, segundo o Bloco de Esquerda, “o maior bolo de créditos fiscais, que poderão ser usados pelos bancos”.

Os bloquistas estão preocupados com a situação devido ao impacto que pode ter de perdas de receita fiscal para o Estado e exposição à banca. “Estamos preocupados e a analisar o tema”, disse Mariana Mortágua, deputada do Bloco, citada pelo DN.

Ao matutino, o Ministério das Finanças mostrou-se disposto a negociar e confirmou que os créditos fiscais acumulados antes dessa data não serão abrangidos. “A Assembleia da República poderá, por conseguinte, ouvir as entidades que entender e introduzir as alterações que considerar relevantes. Portanto, esta não é necessariamente a versão final, é a proposta do Governo”, disse fonte do gabinete de Mário Centeno.

“Trata-se de uma proposta de lei que visa colmatar o vazio legal que existe relativamente ao tratamento fiscal das perdas por imparidade no setor bancário em resultado da revogação do Aviso do Banco de Portugal n.º 3/95, o que levou a que nos últimos três anos se preenchesse esse vazio através da aprovação anual de decretos regulamentares”, afirmou ainda.

Esta proposta que teve luz verde na quinta-feira prevê, para as novas imparidades constituídas, que sejam consideradas como custo fiscal a 100%. Isto significa que os bancos vão poder deduzir fiscalmente as imparidades que constituírem para crédito em risco e abater o imposto a pagar todos os anos.

“A recente evolução da regulação bancária e das normas contabilísticas conduziu a um desfasamento entre a forma como as instituições de crédito e outras instituições financeiras reconhecem na sua contabilidade as perdas por imparidade associadas a operações de crédito e a forma como as mesmas são tratadas para efeitos fiscais”, adianta o comunicado do Executivo.

ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. … onde para o tão gostoso QI, poder do saber deste individuo Mário Centeno ?
    Este Portugal vai de mal a pior este Centeno podia ficar só com a UE e nós ficávamos a aturar o tal da Índia de Costa.

  2. Para o Estado ( todos nós… ) “perder” 9 mil milhões de euros, ALGUÉM se abotoou com esse dinheiro.
    O dinheiro não se evapora. Quando sai dos Bancos, entra nos bolsos de alguém !!
    Mas estamos num Estado ladrão e num país de brandos costumes, habituados a “desvios” destes !!
    Estamos num País de Corruptos alimentados por milhões de otários.

  3. O Estado só é ladrão porque existe uma coisa chamada lobbying dos interesses privados sobre o Estado. O Estado torna-se ladrão quando serve o interesse corporativo em vez do da cidadania. A corrupção na política é precisamente o desvio de dinheiros públicos para interesses privados, de formas frequentemente ilegais, ou simplesmente usando os alçapões na lei, porque as leis elas próprias, em vez de serem feitas no Estado (no Parlamento) andam a ser feitas em sociedades privadas de advogados, que são pagas com o nosso dinheiro, a peso de outro, para fazerem leis contra nós, os eleitores e contribuintes.

    Quem acha que isto se resolve diminuindo o Estado e aumentando o poder privado, anda cá a dormir. O Estado tem de ser económicamente forte para não se deixar corromper pelos lobbies privados e a progressão na carreira politico-partidária, não pode estar controlada por esses mesmos interesses, senão já se sabe que, se chegou a ministro, é porque dançou bem ao som da música dos lobbies durante vários anos, e deu provas de ser facilmente corruptível.

    Para que as máquinas partidárias (elas mesmas dominadas por interesses financeiros, corporativos, massónicos e outros) deixem alguém progredir na carreira política, é porque esse alguém já se mostrou um obediente serviçal desses mesmos interesses. Assim o povo vai todo contente às urnas de 4 em 4 anos, julgando que está a votar em gente honesta fiel a determinadas ideologias (de esquerda ou direita)… E no fundo só está a votar no fantoche… Porque a mão por dentro do fantoche, é sempre a mesma, e são os interesses e os poderes que manipulam o poder político como um polvo que domina o país.

    A democracia, os partidos e os políticos que a gente alegremente elege, tira, põe e substitui… Dão “testas de ferro” que dão imenso jeito a esses poderes, porque eles assim nunca dão a cara. Quando alguém se queima, é um desses “testas de ferro” e o povo corre com ele, ou a polícia prende-o… Mas quem manda nele, esses ficam sempre a rir porque ou não se sabe quem são, ou imagina-se mas não se lhes consegue tocar porque nesses não se vota. Mudam as moscas…

  4. Pelos vistos vamos continuar a alimentar mais fraudes bancárias, não basta já o passado, mais o dinheiro não dar juros e pagarmos cotas sobre tudo, o ministro está com cara de poucos amigos, será que está a perder a magia do tudo saber fazer?

  5. Estado SÓ pode perder 9 mil milhões de euros com antigos créditos fiscais dos bancos, se Costa e Centeno quiserem e deixarem.
    E vão querer. Estão a ajudar os Bancos, para mais tarde serem também ajudados.
    São estes os socialistas que temos.
    Este é um caso que dificilmente podem atribuir a governos anteriores.
    Eles são os únicos culpados e responsáveis.

RESPONDER

Colunista britânico agredido em Londres. Atacantes seriam ativistas de extrema-direita

O colunista britânico Owen Jones, considerado um dos mais influentes comentadores de esquerda no Reino Unido, foi agredido este sábado num bar em Londres, onde se encontrava a celebrar o seu aniversário. De acordo com o …

Cabras sapadoras que ajudam no combate aos incêndios em Portugal chegam ao “New York Times”

O jornal norte-americano The New York Times visitou a aldeia de Vermelhos, no interior do Algarve, para mostrar como as cabras foram promovidas a um “bombeiro low-cost” "Portugal tem tido dificuldades em encontrar soluções para …

Estado recebeu 28 milhões de euros de jogos de casino. Movimentados mais de 4 milhões por dia em 2018

Em 2018, entraram nos cofres públicos 28 milhões de euros provenientes dos casinos e bingos portugueses, num ano em que o volume do jogo ultrapassou os 1.6 mil milhões de euros. Contas feitas, os apostadores movimentaram …

Bundesbank alerta que economia alemã pode estar a entrar em recessão

O Bundesbank alertou que a economia alemã, a maior da Europa, pode estar a recuar durante os meses de verão, depois da contração já registada no segundo trimestre, aumentando a possibilidade de entrar em recessão. No …

Turismo sustentável promove o Alqueva, o "grande lago" da Europa

Thiago Kalisvaart vem de uma família holandesa que navegou durante gerações, seguiu a tradição e lançou-se à água. Mas não navega os mares. Iça as suas velas no Alqueva, o maior lago artificial da Europa …

Estados Unidos dão mais 90 dias para negócios com a Huawei

O Governo norte-americano prolongou, esta segunda-feira, por 90 dias as isenções que permitem ao grupo chinês de telecomunicações Huawei continuar a fazer negócios nos Estados Unidos, indicou o secretário do Comércio, Wilbur Ross. Os EUA consideraram …

Venda de elefantes selvagens de África para zoológicos e parques de diversão proibida pela ONU

A Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES) deu, no domingo, um passo importante para a proibição da venda de elefantes selvagens a jardins zoológicos, uma "vitória histórica" saudada pelos ecologistas. Uma larga maioria de …

Benfica tem o mesmo plano de Félix para Florentino

Florentino Luís é uma das maiores promessas da equipa do SL Benfica. As "águias" sabem disso e têm um plano para o jogador semelhante ao de João Félix. O SL Benfica não quer dar os seus …

Donald Trump volta a indicar Pence para vice-presidente em segundo mandato

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, disse no domingo que concorrerá à reeleição no próximo ano com Mike Pence como vice-presidente. "Estou muito feliz com o Mike Pence", afirmou aos jornalistas, antes de embarcar …

Já mais de 5.000 pessoas assinaram a petição contra Museu de Salazar

Pelo menos 5.650 pessoas já assinaram uma petição pública pela intervenção do Governo socialista para impedir a instalação de um museu sobre a antiga ditadura do Estado Novo e seu líder, Salazar, em Santa Comba …