Descoberto o espermatozoide mais antigo de sempre. Tem um terço do tamanho do animal

Cientistas chineses descobriram o espermatozoide animal mais antigo alguma vez encontrado, num ostracoda, um crustáceo, do tamanho de uma semente de papoila, que viveu há mais de 100 milhões de anos, informou hoje a imprensa local.

Apesar de se tratar de um organismo diminuto, o espermatozoide fossilizado encontrado pelos investigadores é quatro vezes maior do que o humano, segundo o portal de notícias chinês Sixth Tone.

Os ostracodas (crutáceo em que foi feita a descoberta) são uns minúsculos artrópodes que permaneceram inalteráveis durante milénios desde há pelo menos 500 milhões de anos, quase 400 milhões antes da extinção dos dinossauros, e sobreviveram a múltiplas extinções de outras espécies.

O espermatozoide dos atuais pode ser 100 vezes maior do que o dos humanos, tendo até um terço do tamanho do animal, o que levou os cientistas a denominá-lo “esperma gigante”.

As novas provas encontradas em fósseis sugerem que os antigos ostracodas desenvolveram esse tipo de “esperma gigante” no período cretáceo.

A descoberta foi publicada na terça-feira no jornal científico britânico Proceedings of the Royal Society, dedicado às descobertas biológicas.

“Não sabemos porquê, mas o esperma deve ser muito funcional, de outra forma a seleção natural teria eliminado os traços”, explicou à Sixth Tone um dos responsáveis pela investigação chinesa, Wang He, do Instituto de Geologia e Paleontologia de Nankín.

Wang e a restante equipa receberam uma peça de âmbar de Myanmar há uns anos.

No início, segundo o cientista, tentaram comprovar se os pontos negros que se viam no interior eram ostracodas, já que estes, ao serem aquáticos, não se costumam encontrar em resinas vegetais.

Mas posteriormente descobriram detalhes muito mais interessantes, ao verem que em cada capa de âmbar apareciam novas camadas, como se se tratasse de uma boneca russa.

Os exames por tomografia computorizada (TAC) revelaram que não só os animais na resina eram ostracodas, mas que os tecidos estavam bem preservados.

Wang descobriu um vulto num órgão reprodutivo de um ostracoda fêmea e uma reconstrução em 3D mostrou que se tratava de uma mancha de esperma serpenteante e fibrosa.

“Esta nova descoberta é uma prova irrefutável de que o esperma gigante tem pelo menos uma antiguidade de cem milhões de anos, provavelmente muito maior”, disse ao portal chinês Robin Smith, perito em ostracodas do Museu Lake Biwa, do Japão.

Smith explicou que antes desta descoberta, os cientistas só tinham uma prova indireta do esperma gigante em antígos ostracodas pelo tamanho dos seus órgãos reprodutivos nos fósseis.

Devido ao sítio onde se encontrou o esperma no órgão reprodutivo do exemplar fêmea, Wang crê que a cópula deve ter ocorrido mesmo antes de o animal ficar preso na resina viscosa do âmbar.

Um ostracoda macho apareceu também no âmbar próximo da fêmea, mas os cientistas não puderam confirmar se foi o autor da cópula.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …

Os aeroportos mudam o nome das pistas (e a culpa é dos pólos magnéticos da Terra)

O pólo norte magnético pode mover-se até 64 quilómetros por ano. Isto pode ser um problema para os pilotos de aviões. A pista 17L/35R, no Aeroporto Internacional de Austin-Bergstrom, no estado norte-americano do Texas, não terá …