Eriksson encontrou futebol português mais corrupto no regresso ao Benfica

Anders Henrikson / Wikimedia

O antigo reinador do Benfica, Sven-Göran Eriksson

O antigo reinador do Benfica, Sven-Göran Eriksson

O sueco Sven-Göran Eriksson diz ter encontrado no regresso ao Benfica, em 1989/90, um futebol português “mais sujo, mais corrupto”, na biografia do treinador, que vai ser publicada na próxima semana.

“Durante a minha ausência de cinco anos de Portugal, o futebol tornou‑se mais sujo, mais corrupto. Havia muitos escândalos e muitas conversas sobre árbitros. O FC Porto crescera e tornara‑se poderoso”, lê-se no capítulo do livro “Sven-Göran Eriksson – A minha história”, dedicado à sua segunda experiência pelo comando técnico dos “encarnados”.

Na biografia, que escreveu com Stefan Lövgren, o atual treinador dos chineses do Guangzhou Evergrande registou ainda que, entre os cinco anos que mediaram as suas passagens pelo Benfica, “os três ‘grandes’ de Portugal transformaram-se nos dois ‘grandes’. Agora, era tudo entre Benfica e FC Porto. O Sporting ficara para trás”.

“O Benfica tinha uma boa equipa, definitivamente capaz de ganhar o campeonato, mas, ao fim de cinco jornadas, já o FC Porto era o grande favorito. Só que, nesse ano, o título nacional não era a nossa grande ambição. Tínhamos os olhos postos na Taça dos Campeões, a mais prestigiante das competições europeias”, recordou.

Esteve perto de concretizar esse objetivo, com a polémica qualificação para a final, “selada” com um golo com a mão de Vata, no Estádio da Luz, em Lisboa, frente ao Marselha, depois de ter perdido por 2-1 no recinto dos franceses.

“Do banco, não consegui ver nada – só que a bola caminhou na direção do nosso jogador Vata e entrou na baliza em seguida. Alguns dos jogadores do Marselha reclamaram desabridamente, mas o golo foi validado (…). Os jogadores do Marselha acusavam Vata de ter marcado com a mão. Na cabina, fui ter com ele e perguntei‑lhe como tinha sido. Não respondeu. Só olhou para o chão. Disse‑lhe que não estava zangado. Pelo contrário. Havíamos ganho e estávamos na final. Vata levantou‑se e mostrou‑me como tinha tocado na bola com o braço. ‘Okay’, disse eu. E até lhe dei uma palmada no ombro”, explicou.

No encontro decisivo, frente aos italianos do AC Milan, em Viena, a derrota por 1-0, com um golo do holandês Frank Rijkaard, deixou o sueco irritado, não pelo desaire frente a uma equipa “enormemente favorita”, mas sim pelo facto de ter “estado tão perto”.

Guerra é guerra

Na pré-época seguinte, o Benfica visitou Angola e Moçambique, onde, em Maputo, Eriksson comprovou a verdadeira importância de Eusébio, que, para contrariar a vontade de Fernando Martins, escolheu para treinador de guarda-redes.

“Quando o autocarro parou, as portas se abriram e Eusébio saiu, fez‑se silêncio. Do alto das escadas, Eusébio ergueu a mão em saudação. Um rapazinho chegou‑se à frente, talvez tivesse 12 anos. Aproximou‑se devagar de Eusébio e tocou‑lhe na mão. E, de repente, a populaça entrou em erupção. Era como se ninguém acreditasse que o verdadeiro Eusébio estava ali e o rapazinho, ao tocar‑lhe, o fizesse real. Nunca vi nada assim. Nunca pensei como Eusébio era tão grande em África”, descreveu.

Dessa temporada, Eriksson lembrou uma visita conturbada ao Porto, onde os “dragões” só abriram os balneários uma hora antes do “clássico”, o que levou a uma troca de palavras entre o sueco e o presidente dos “azuis e brancos”.

“Pinto da Costa, o presidente do FC Porto e o homem mais poderoso do futebol português, apareceu, avisando que, segundo os regulamentos, só eram obrigados a abrir os balneários uma hora antes do jogo. “Respeito‑o muito sr. Eriksson”, disse‑me, “mas guerra é guerra”.

O técnico sueco acrescentou: “Quando abriram a cabina, descobrimos que tinha sido pulverizada com qualquer espécie de químico que não nos deixava respirar. Os nossos jogadores tiveram de se equipar nos corredores”.

Apesar disso, o Benfica venceu no Estádio das Antas, por 2-0, com dois golos de César Brito – para Eriksson “um jogador periférico”, do qual nunca mais ouviu –, e praticamente assegurou a conquista do título de campeão. A época seguinte, segundo o sueco, “transformou‑se num pesadelo” e ditou a sua saída no final da mesma.

Ao longo das mais de 300 páginas da sua biografia, Eriksson recorda vários episódios da sua carreira, como a chegada ao Benfica, em 1982, como aposta do então presidente Fernando Martins: “A opção do presidente por um sueco de 34 anos para treinador não fora muito bem vista pela direção. Durante uma longa reunião, aquilo a que os portugueses chamam assembleia, muitos dos dirigentes mostraram‑se contra a minha contratação. Finalmente, Fernando Martins fingiu um problema cardíaco e foi retirado de ambulância. Aparentemente, houve 18 dirigentes que se demitiram em desacordo”.

Futebol 365

PARTILHAR

RESPONDER

Gestor de ativos norte-americano diz que o ouro é o "verdadeiro bitcoin" (e explica porquê)

Um gestor de ativos norte-americano disse, em entrevista à CNBC, que acredita que o outro é o "verdadeiro bitcoin" - e explicou porquê. O preço do ouro, "investimento-refúgio" racional para investidores em tempos de crise …

Fortuna de Jeff Bezos não pára de engordar. Acabou de atingir um novo recorde

A fortuna do fundador e CEO da Amazon, Jeff Bezzos, acaba de quebrar um novo recorde ao atingir os 182,6 mi milhões de dólares. Os números foram avançados esta semana pela revista Forbes, que detalha que …

Portugal não pode chegar ao inverno com a situação atual, alerta epidemiologista

Portugal corre o risco de não conseguir responder a um ressurgimento de casos de covid-19 no inverno, afirmou este sábado o médico de Saúde Pública Ricardo Mexia, considerando que o país não pode chegar a …

Pela primeira vez, nasceu um raro par de elefantes gémeos no Sri Lanka

Um raro par de elefantes gémeos foi encontrado num parque nacional no Sri Lanka. É a primeira vez que o país regista crias gémeas, que são extremamente raros em elefantes. Os dois animais, que terão entre …

Teste aos forcados e lotação reduzida. Publicadas as novas regras para as touradas

A temporada taurina retoma com praças com lotação de 50%, uma reivindicação do sector que viu este sábado ser publicada pela Inspeção-Geral das Atividades Culturais (IGAC) uma acualização às normas discutidas com a DGS. “O que …

Trump propôs "vender" Porto Rico após a passagem do furacão Maria, revela ex-funcionária

Elaine Duke, ex-secretária adjunta de Segurança Interna do presidente dos EUA disse que Donald Trump propôs "alienar" ou "vender" a Comunidade de Porto Rico depois de a ilha ser atingida pelo furação Maria, em 2017. "As …

Catarina Martins atira-se a Rio. Líder do PSD está a fazer "um favor" a Costa no fim dos debates

A coordenadora do Bloco de Esquerda fez este sábado um duro ataque ao líder do PSD, que acusou de fazer um favor ao primeiro-ministro. Catarina Martins considerou “extraordinário” que o líder do maior partido da oposição …

Fraudes em subsídios europeus atingem 2,3 mil milhões. Dava para salvar a TAP (duas vezes)

Uma investigação levada a cabo pela Polícia Judiciária (PJ) concluiu que os casos de fraude na obtenção e desvio de fundos públicos, nos últimos dez anos, ascendem a cerca de 2,3 mil milhões de euros. Os …

Sem ganho económico e muitas mortes. O que dizem os dados da controversa estratégia sueca

A estratégia relaxada da Suécia contra a covid-19 gerou várias críticas. Os números mostram que tanto a nível sanitário como económico, o país saiu a perder. O Governo sueco não impôs um confinamento à população e, …

Irão diz que avião ucraniano foi abatido devido a erro humano

Um erro humano relacionado com um mau ajuste do radar militar foi a causa do acidente com o boeing ucraniano abatido em 8 de janeiro perto de Teerão, Irão, provocando 176 mortos, concluiu o relatório …