Removido em 1976, publicado em 2022: o episódio “assustador” da Rua Sésamo

ScribblingGeek / 30 images / Pixabay

Personagens da Rua Sésamo

A presença de uma bruxa terá sido a origem para o desaparecimento de um episódio, há quase 50 anos. Agora apareceu nas redes sociais.

A Rua Sésamo está presente nas nossas vidas há mais de 50 anos.

Sim, há mais de 50 anos: o primeiro episódio surgiu nas televisões dos Estados Unidos da América em 1969.

20 anos depois chegou a Portugal através da RTP e, ainda hoje, vai estando presente na emissão da RTP2, por exemplo, graças ao Simão ou ao Monstro das Bolachas, duas das personagens no ‘Hotel felpudo’.

São episódios divertidos, dinâmicos, que misturam pessoas com bonecos. E tentam ser, sobretudo, episódios educativos, com carácter pedagógico.

Mas podem assustar as crianças, aparentemente.

É preciso recuar ao dia 10 de Fevereiro de 1976, à sétima temporada da série, para encontrar um episódio alegadamente assustador para os mais pequenos, nos EUA.

A actriz Margaret Hamilton recuperou a personagem mais famosa da sua carreira, a Bruxa Malvada do Leste, no filme O Feiticeiro de Oz (1939).

A bruxa aparece no episódio à procura de uma vassoura roubada e aparece em conversas com David e com o Poupas. Transforma-se numa mulher idosa e, graças a esse disfarce, recupera a vassoura. Quando já vai pelos ares, tenta mostrar que consegue andar sem mãos…e fica novamente sem a vassoura.

O objectivo do guião deste episódio era mostrar às crianças que podem ultrapassar os seus medos, elaborando planos e métodos.

Mas a presença da bruxa terá assustado muitas crianças. “Espero que aquela bruxa nunca mais volte a aparecer na Rua Sésamo, porque…eu tenho sonhado com aquela bruxa”, escreveu a então criança Rebecca, num pedido directo aos responsáveis da série – e terão sido enviadas centenas ou milhares de cartas semelhantes.

O episódio desapareceu da televisão. Nunca mais foi divulgado, mesmo em repetições, mais tarde.

Até que, no mês passado, o episódio completo apareceu pela primeira vez na internet.

Para analisar:

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.