Enfartes afetam o desempenho cognitivo de 85% dos doentes

Um grupo de investigadores portugueses concluiu que 85% dos doentes que sofreram um enfarte registam perda cognitiva, com cerca de metade destes a acusar défices de fluência verbal considerados graves.

A percentagem de disfunção cognitiva após uma síndrome coronária aguda – que inclui os enfartes do miocárdio e a angina – é “consideravelmente elevada“, indica a pesquisa, coordenada pelo investigador Bruno Peixoto, do Cintesis – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde.

Os resultados obtidos nesta investigação, publicada no Journal of Cardiovascular and Thoracic Research, em junho de 2018, apontam para uma prevalência da perda cognitiva bastante superior à registada noutros estudos do género (entre 11 e 67%).

Na população analisada, “85% dos doentes têm algum compromisso da fluência verbal, sendo que este compromisso é grave em cerca de 50% dos casos“, explica Bruno Peixoto, também professor da Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU).

A fluência verbal está associada, neste estudo, à escolaridade, “um fator conhecido de reserva cognitiva”. Confirma-se, assim, que uma maior escolaridade protege os doentes que sofreram um enfarte, ou outro problema cardíaco, da perda neurocognitiva.

Embora atinjam uma percentagem inferior de doentes (26%), os problemas de linguagem subsequentes a problemas cardíacos surgem relacionados com fatores como a pressão arterial diastólica e a profissão, sendo que as profissões ditas intelectuais são as menos afetadas.

Quanto à perda memória, que afeta 60% desses pacientes, aparece claramente relacionado com o tabagismo. “Existe mesmo uma relação entre o número de cigarros fumados diariamente antes do problema cardíaco e a gravidade com que a memória é afetada”, explica Bruno Peixoto.

Segundo o Cintesis, a idade é um dos fatores mais relacionados com o surgimento de défices neurocognitivos, e, quanto mais idade tiver o doente, maior a probabilidade de sofrer algum tipo de défice.

Relativamente a fatores emocionais, os doentes com mais ansiedade são também aqueles com menos comportamentos saudáveis e, logo, com mais fatores de risco cardiovascular.

Face à elevada prevalência de problemas cognitivos nestes doentes, Bruno Peixoto considera que “deveria ser realizada por sistema uma avaliação neurocognitiva para detetar possíveis défices e iniciar o mais rapidamente possível um programa de reabilitação, diminuindo, assim, o impacto destas doenças altamente prevalentes na população”.

Esta investigação teve como objetivo calcular a prevalência de défice neurocognitivo num grupo de doentes a fazer reabilitação cardíaca num hospital, nos três meses após o diagnóstico de síndrome coronária aguda.

Taísa Pagno , ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …