Encontrados no Equador bebés enterrados com capacetes feitos de crânios humanos

Sara Juengst / UNC Charlotte

Durante as escavações realizadas entre 2014 e 2016 em Salango, um sítio ritual na costa central do Equador, os arqueólogos encontraram dois bebés enterrados com capacetes feitos com crânios de outras crianças.

Os investigadores descobriram dois túmulos que datam de aproximadamente 100 a.C. e que foram criados por uma cultura chamada Guangala. De lá, recuperaram 11 indivíduos enterrados com pequenos artefactos, conchas e figuras de ancestrais de pedra. No entanto, a descoberta mais intrigante foi a de dois bebés com crânios de outras crianças em torno das suas cabeças.

Uma das crianças tinha cerca de 18 meses quando morreu. O crânio, proveniente de outra criança com entre 4 e 12 anos no momento de sua morte, foi “colocado na forma de um capacete em redor da cabeça do primeiro”. O segundo bebé tinha entre 6 e 9 meses quando morreu e tinha um capacete feito com o crânio de uma criança entre 2 e 12 anos.

Em ambos os casos, de acordo com o estudo publicado este mês na revista especializada Latin American Antiquity, havia muito pouco espaço entre os esqueletos primários e os seus capacetes cranianos. A equipa também recuperou uma concha e um osso da mão entre o crânio e o capacete. Os cientistas acreditam que os dois crânios foram juntados enquanto ainda estavam cobertos de carne, presumivelmente não muito tempo após a sua morte, para manter os ossos juntos.

A equipa, formada por Sara Juengst e Abigail Bythell, da Universidade da Carolina do Norte em Charlotte, e Richard Lunniss e Juan José Ortiz Aguilu, da Universidade Técnica de Manabí, ainda não sabe a quem é que os capacetes-crânio pertenciam nem entendem completamente “o programa fúnebre prolongado” em Salango, incluindo o facto de que outros bebés foram enterrados sem um capacete-crânio.

Os cientistas sugerem que o capacete poderia representar a tentativa de garantir a proteção daquelas almas “pré-sociais e selvagens”. As figuras ancestrais de pedra em redor da cabeça dos bebés apoiam essa hipótese, que aponta para um esforço para “proteger e melhorar ainda mais as cabeças”.

“Até onde sabemos, este é o único exemplo desta prática em qualquer lugar do mundo”, disse Sara Juengst, autora do estudo e professora assistente de bioarqueologia da UNC Charlotte, em declarações à IFLScience. “Incluir cabeças extras em enterros não é incomum na América do Sul pré-hispânica, seja como cabeças de troféu feitas de inimigos ou como garantir vínculos com ancestrais”, acrescentou.

Embora a causa da morte também permaneça um mistério, especula-se que as crianças tenham morrido de desnutrição ou doença. A área poderá ter sido atingida por uma erupção vulcânica significativa na época, o que poderia ter enchido o céu de cinzas vulcânicas. Aliás, os seus capacetes podem ter sido um acessório para protegê-los de outros infortúnios.

Os cientistas esperam que análises de ADN adicionais e isótopos ajudem a entender quem eram as crianças e se estavam relacionadas com as pessoas cujos crânios foram usadas no ritual mortuário.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Nicolas Bourbaki foi o maior matemático de sempre (mas nunca existiu)

Considerado como um dos maiores matemáticos de sempre, Nicolas Bourbaki não passava de um pseudónimo adotado por um grupo de grandes matemáticos, que revolucionou a matemática como a conhecemos. Nicolas Bourbaki está entre os maiores matemáticos …

No aquário do Tennessee, é uma enguia que acende as luzes da árvore de Natal

A enguia Miguel Wattson é a responsável pelo espírito natalício que se vive no Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos. O Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos, encontrou uma forma inusitada de celebrar esta época festiva: …

Há 34 anos, Diana dançou com Travolta. Agora, o seu vestido foi vendido por 261 mil euros

O vestido que a Princesa Diana usou para jantar na Casa Branca, em 1985, foi vendido por mais de 261 mil euros. O vestido azul que a Princesa Diana usou num jantar na Casa Branca, em …

Doentes crónicos com baixo nível de literacia em saúde recorrem mais às urgências

Os doentes crónicos e com um nível de literacia em saúde mais baixo utilizam mais vezes os serviços de urgência hospitalares e dos centros de saúde, bem como as consultas de medicina geral e familiar, …

Ártico viveu em 2019 o segundo ano mais quente em 119 anos

O Ártico viveu em 2019 o seu segundo ano mais quente desde 1900, de acordo com um relatório publicado na terça-feira, aumentando receios de degelo e aumento do nível da água. O Polo Norte está a …

Jardineiro encontra por acaso a obra mais procurada de Gustav Klimt. Estava no galeria onde foi roubada

Um funcionário da galeria de arte Ricci Oddi, na cidade italiana de Piacenza, encontrou por acaso a obra mais procurado do pintor austríaco Gustav Klimt. Estava na própria galeria, onde a obra terá sido roubada …

YouTube reforça políticas contra assédio online

O YouTube anunciou, esta quarta-feira, um conjunto de alterações às políticas que visam combater o assédio que existe na plataforma. O YouTube anunciou esta quarta-feira o reforço das suas políticas contra o assédio online, que preveem …

Deus bebé indiano vence caso em tribunal e reinvindica território sagrado

O Supremo Tribunal Indiano declarou Ram Lalla Virajman, um deus bebé, como o legítimo proprietário de Ayodhya, uma terra no norte da Índia considerada sagrada por muçulmanos e hindus. O tribunal decidiu que o Governo …

China usa comités partidários para manipular empresas estrangeiras

Em outubro, quando a Liga Norte-Americana de Basquetebol (NBA) tentou voltar atrás no apoio aos protestos em Hong Kong, foi criticada por se submeter ao regime autoritário da China. Mas são cada vez mais as …

Ângelo Rodrigues, Flamengo e Tinder. Os temas mais procurados pelos portugueses no Google

Ângelo Rodrigues, Flamengo, como saber onde votar, como funciona o Tinder e "Game of Thrones" estão entre os tópicos que os utilizadores portugueses do Google mais pesquisaram ao longo de 2019. Os dados são divulgados …