Encher o Ártico com animais selvagens. Este é o plano bizarro para combater as mudanças climáticas

Uma equipa de cientistas elaborou um plano bizarro para combater as alterações climáticas no Ártico: encher a região com manadas de vários animais.

Manadas de cavalos, bisontes e renas podem ter um papel importante em salvar o mundo de uma aceleração do aquecimento global. Esta é a conclusão de um estudo recente que mostra a forma como os herbívoros, ao pastar, podem diminuir o ritmo do degelo do permafrost no Ártico.

De acordo com o CBS News, a ideia passa por encher o Ártico com manadas de animais que, ao pastar naquela região, ajudarão a manter o permafrost congelado. Segundo os investigadores, isto poderia salvar 80% do permafrost do Ártico até 2100.

Quando neva no Ártico, a neve serve como uma camada de isolamento entre o solo e o ar muito mais frio acima dele. À medida que a mudança climática piora, este isolamento ameaça permitir que a temperatura do solo suba ao ponto de o permafrost começar a derreter.

É neste contexto que entram os animais. De acordo com as simulações, cujas conclusões foram publicadas em março na revista científica Scientific Reports, os grandes herbívoros não só dispersam o isolamento da neve enquanto andam, mas também ajudam a selar e compactar o solo.

“Este tipo de manipulação natural em ecossistemas especialmente relevantes para o sistema climático mal foi estudado até ao momento, mas possui um potencial tremendo”, disse Christian Beer, professor da Universidade de Hamburgo e principal autor do estudo.

Questionado sobre quão realista seria povoar com suficientes animais para a fazer a diferença, Beer disse que não tinha a certeza. “Pode ser utópico imaginar a reinstalação de manadas de animais selvagens em todas as regiões de permafrost do Hemisfério Norte, mas os resultados indicam que o uso de menos animais ainda produziria um efeito de arrefecimento”.

“Hoje temos uma média de cinco renas por quilómetro quadrado no Ártico. Com 15 por quilómetro quadrado, já conseguimos salvar 70% de permafrost, de acordo com os nossos cálculos”.

Porém, nem toda a gente está convencida, uma vez que este estudo levanta questões sobre a sua viabilidade. “A menos que o plano seja cobrir milhões de quilómetros quadrados com cavalos, bisontes e renas, como é que isso poderia ter algum impacto significativo?”, questionou Rick Thoman, especialista em clima do Centro Internacional de Pesquisa do Ártico, à CBS.

Agora, Beer planeia colaborar com biólogos para investigar a forma como os animais realmente se espalhariam pela paisagem do Ártico.

ZAP ZAP //

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Até aqui tem-se andado a teimar a convencer deixar de consumir carne sobretudo de vaca porque os animais produzem muito ozono prejudicial ao clima, agora aparece este com esta história em sentido contrário e pergunto eu, como seria viável alimentar 15 renas num curto espaço de um quilómetro quadrado, para mais num clima frio com escassas possibilidades de criar alimento. Desde políticos a cientistas parece-me que isto anda a ficar péssimo em estado mental.

RESPONDER

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …

Emprego, formação e pobreza. Cimeira Social marca "o mais ambicioso compromisso" da UE

A Cimeira Social arrancou, nesta sexta-feira, no Porto, com a presença de 24 dos 27 chefes de Estado e de Governo da UE, num evento que pretende definir a agenda social da Europa para a …

"Uma cena da Idade Média". Refugiado encontrado morto e cercado de ratos em acampamento grego

O jovem, proveniente da Somália, foi encontrado morto dentro de uma tenda no início desta semana. No momento em que as autoridades chegaram ao local, cerca de 12 horas após a morte do rapaz, o …

Coreia do Norte alega que a covid-19 poderia flutuar em balões vindos do Sul

A Coreia do Norte pediu aos seus cidadãos que não leiam panfletos de propaganda enviados através de balões do Sul, alegando que a covid-19 poderia entrar no país através das gotículas. De acordo com a agência …