Em Nova Iorque, um vizinho com uma seringa pode salvar um toxicodependente

Nova Iorque enfrenta uma epidemia inédita de heroína e drogas similares que todos os dias mata três pessoas de overdose. A situação reflete uma crise que se alastra rapidamente pelo país mais rico do mundo: mais de 1 milhão de americanos já são dependentes deste tipo de droga, a principal causa de morte de homens e mulheres com menos de 50 anos no ano passado.

Numa tentativa ousada de reverter o aumento de 46% nas mortes por overdose registado entre 2015 e 2016, o governo local decidiu convocar a população a agir, espalhando milhares de cartazes em inglês e espanhol por carruagens de metro, onde se lê “Salve uma vida“.

Segundo a BBC, a autarquia pede que moradores tenham na mala doses do fármaco que reverte os efeitos de uma overdose. Para isso, o governo local conta histórias como a de Evelyn.

“Naquele dia fui por um caminho diferente para voltar para casa. Era tarde e encontrei um homem no chão. Estava azul e não respirava. Vi que éramos vizinhos”, conta a mulher de 58 anos. “Por sorte, eu tinha o fármaco na bolsa: dei-lhe a injeção e não demorou dois minutos até ele voltar a respirar.”

“Sinto-me satisfeita”, completa Evelyn, com a voz embargada. “Se eu tivesse feito o caminho de sempre, hoje o senhor estaria morto.”

Evelyn nunca usou drogas. Mas, como outras tantas pessoas, não deixou de ter a vida afetada por elas. “Eu era criança, em 1960, quando a minha mãe recebeu um telefonema a dizer que o corpo do nosso primo tinha sido encontrado num prédio abandonado, três dias depois de morrer por overdose”, conta Evelyn. “Desde que o fármaco está disponível, trago-o sempre comigo.”

O fármaco em questão é a naloxona – uma substância de efeito rápido que anula os efeitos da overdose por drogas derivadas do ópio.

Graças a acordos da autarquia, a medicação – em seringas ou aplicação nasal – passou a ser vendida em mais de 700 farmácias sem precisar de receita médica, além de ser distribuída gratuitamente em vários pontos da cidade.

O objetivo é que todos os cidadãos nova-iorquinos estejam preparados para aplicar a medicação, caso encontrem alguém em overdose pelo caminho.

O programa de redução das mortes por heroína em Nova Iorque também inclui uma linha telefónica para aconselhamento em 200 idiomas, disponível 24 horas por dia, e tem um investimento anual de cerca de 33 milhões de euros.

A disponibilização do medicamento e de cursos gratuitos para identificação dos sinais de overdose e procedimentos para aplicar o fámaco, segundo o governo local, pretende reduzir os riscos a que os toxicodependentes estão expostos, além de aproximar os aproximar de pessoas que não usam drogas na luta pela redução de mortes por overdose.

A cada 7 horas morre um nova-iorquino de overdose. Nós sabemos que podem ser prevenidas, e um dos caminhos é recrutar as pessoas”, disse a médica Hillary Kunins, uma das responsáveis pela campanha na Secretaria de Abuso de Álcool e Drogas da cidade.

Questionada sobre uma possível resistência da população, a especialista nega que os nova-iorquinos sejam individualistas e diz que há um “sentido de comunidade forte” entre eles. “Queremos encorajar as pessoas a sentirem empatia e tomarem iniciativa”, afirma Kunins. “Qualquer indivíduo em Nova York pode salvar vidas”.

Com o rosto e a história estampada em carruagens de comboios e pela internet, Evelyn tornou-se uma das seis protagonistas da campanha, que apela a moradores para andarem prevenidas quando encontrarem pessoas em overdose – mesmo se não tiverem relação próxima com os toxicodependentes.

Billy, morador de Manhattan, conta na campanha que salvou uma mulher às 2h da manhã com uma injeção de naloxona. Já o militar Brian, morador do Queens, diz que encontrou o pai caído da cama e sem respirar após o uso de drogas.

“Depois de alguns minutos, voltou a respirar e decidiu deixar a droga. Foi um momento decisivo para os dois.”

Os protagonistas – homens, mulheres, brancos, negros e latinos – refletem a incidência da epidemia. Segundo o governo, as mortes já se espalham por todos os bairros de Nova Iorque e envolvem diferentes grupos étnicos – em 2016, a taxa absoluta de overdose foi ligeiramente maior entre nova-iorquinos brancos, do sexo masculino.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Se nos USA vendem armas ao desbarato a qualquer pessoa para que se possam matar uns aos outros pois estas não servem para mais nada e se são milhares que morrem vítimas da brutalidade alheia e pelos vistos a maioria da população entende que assim é que está bem por que razão há-de um indivíduo andar com uma seringa no bolso para tentar salvar naquele momento alguém que já está perdido para a vida e que possivelmente será um perigo e uma despesa para a sociedade?

RESPONDER

Novos escalões de IRS só serão criados "a meio da legislatura"

Esta segunda-feira, o Governo disse aos parceiros sociais que só deverão acontecer "mexidas no IRS", nomeadamente a criação de novos escalões, a meio desta legislatura. O Governo de António Costa confirmou aos parceiros sociais que a …

Navios em Portugal poluem tanto quanto as oito cidades com mais carros

O transporte marítimo deve integrar o regime de comércio de licenças de emissão da União Europeia (UE), defendeu, esta segunda-feira, a associação ambientalista ZERO, exigindo limites de emissão de dióxido de carbono (CO2) para navios …

Já são conhecidos os nomeados aos Globos de Ouro. Netflix lidera com "O Irlandês" e "Marriage Story"

A cerimónia de entrega de prémios realiza-se a 5 de janeiro de 2020 no hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, e será apresentada por Ricky Gervais. Já são conhecidos os nomeados à 77ª edição dos Globos …

Falhas na formação de médicos levam ministra a criar grupo de trabalho

A ministra da Saúde determinou a constituição de um grupo de trabalho para criar um manual de regras e procedimentos para a avaliação das capacidades de formação de médicos no SNS, depois de falhas apontadas …

Surto de sarampo leva Samoa a fechar escolas e serviços. Ativista anti-vacinação detido

Com o objetivo de conter o surto de sarampo que já matou 60 pessoas, o governo de Samoa está a pedir à população que coloque uma bandeira vermelha em frente às casas nais as pessoas …

Poluição do ar leva Sarajevo a cancelar todos os eventos públicos

As autoridades bósnias consideram que a poluição na capital do país, Sarajevo, atingiu níveis perigosos nos últimos dias. Perante a densa nuvem de nevoeiro que paira na cidade, o governo regional decidiu cancelar todos os …

A banana colada à parede que custou 108 mil euros foi comida

A banana mais cara do mundo, presa a uma parede com fita adesiva, foi descascada e comida por um artista que visitava o stand da galeria Perrotin, na feira de arte contemporânea Art Basel, nos …

Empresas norte-americanas reforçam domínio na venda global de armas

O Instituto Internacional de Estudos de Paz de Estocolmo (SIPRI) revelou esta segunda-feira que as empresas norte-americanas aumentaram o domínio no comércio global de armas em 2018, para 59% do volume total entre as 100 …

Faltam medicamentos para doenças crónicas nas Farmácias (e ninguém sabe porquê)

Há medicamentos para doenças crónicas que estão, constantemente, em falta nas Farmácias Portuguesas. Uma situação preocupante, sobretudo para os pacientes que deles precisam, e que não tem uma explicação. A Associação Nacional de Farmácias está …

Mais de dois mil coalas mortos devido aos incêndios na Austrália

O presidente da Aliança das Florestas do Nordeste da Austrália disse que os incêndios florestais que deflagram no leste do país, desde o início de novembro, provocaram a morte a mais de dois mil coalas. O …