Trump perdeu a Câmara dos Representantes. E foi a noite das mulheres

Jim Lo Scalzo / EPA

Donald Trump

As eleições intercalares dos EUA ficam marcadas por um empate entre Republicanos e Democratas, com os primeiros a manter o controlo do Senado e a perder a maioria na Casa dos Representantes.

Tal como apontavam as previsões, o Partido Democrata voltou a ter a maioria na Casa dos Representantes, o que não acontecia desde 2010.

A derrota na Câmara dos Representantes, que deixa Donald Trump em estado de alerta, perante as eventuais consequências, foi celebrado com muita expectativa pela líder dos Democratas, Nancy Pelosi, que deverá assumir a liderança da Casa dos Representantes.

“Amanhã, será um novo dia na América“, frisou Pelosi no discurso de celebração do resultado eleitoral. E se não haverá grandes implicações para Donald Trump no imediato, é certo que o Presidente dos EUA pode ter motivos para estar preocupado.

Assumindo o controlo da Casa dos Representantes, os Democratas podem vir a lançar investigações à administração de Trump, nomeadamente para analisar eventuais conflitos de interesses ou abordar a questão dos impostos do Chefe de Estado. Além disso, podem bloquear alguns dos planos do Presidente norte-americano, para implementar legislação ou executar acções como o projecto do muro na fronteira com o México.

Todavia, os Republicanos garantiram a continuidade no comando do Senado, o que ajuda a equilibrar as forças na vida política norte-americana.

A votação para o Senado fica marcada pela geografia, com “o mapa fortemente inclinado para Estados amigos dos Republicanos” e onde Trump continua a ser muito popular, como destaca a CNN.

Os Republicanos ganharam também a corrida nos dois mais importantes Estados do país, Florida e Ohio.

Já os Democratas conseguiram afirmar-se nos subúrbios, tirando partido da “enorme diferença de género entre as mulheres” para recuperarem a maioria que tinham perdido em 2010, na Casa dos Representantes.

O Partido Democrata apostou claramente em candidatas femininas e a estratégia surtiu efeito, com vários resultados históricos envolvendo mulheres. No todo dos candidatos eleitos, as mulheres representam 52%, segundo a CNN, o que constitui um resultado revelador.

Estas eleições intercalares colocam mais de 100 mulheres na Casa dos Representantes, um número histórico e que deixa antever uma possível tendência para as próximas eleições presidenciais nos EUA, marcadas para 2020. O investimento numa candidata mulher pode valer aos Democratas uma boa vantagem na corrida contra Trump.

Mulheres que fazem história

Na votação de terça-feira, onde foram escolhidos congressistas, senadores e governadores em 36 estados, para ocupar lugares na Câmara dos Representantes e no Senado no Congresso norte-americano, houve várias primeiras vezes, sobretudo envolvendo mulheres e democratas.

Ilhan Omar e Rashida Tlaib, ambas do Partido Democrata, são as duas primeiras mulheres muçulmanas eleitas para o Congresso dos EUA, tendo vencido as respectivas eleições no Minnesota e no Michigan, e conquistando lugares na Câmara dos Representantes. Omar é uma refugiada somali, e Tlaib, que nasceu em Detroit, é filha de imigrantes palestinianos.

As também democratas Deb Haaland, do Novo México, e Sharice Davids, do Kansas, fizeram igualmente história como as primeiras mulheres indígenas eleitas para o Congresso, na Câmara dos Representantes. Davids, que é advogada e ex-lutadora de artes marciais, é também a primeira lésbica a ser eleita para o Congresso.

Haaland, ex-líder do Partido Democrata do Novo México que impulsionou o voto dos indígenas em Barack Obama em 2012, substitui a também democrata Michelle Lujan Grisham, que conquistou a eleição para o cargo de Governador do Novo México.

Davids e Haaland juntam-se aos outros dois indígenas da Casa dos Representantes, os republicanos Markwayne Mullin e Tom Cole, ambos de Oklahoma, que foram reconduzidos.

No Tennessee, a republicana Marsha Blackburn é a primeira mulher Senadora, após derrotar o democrata Phil Bredesen.

Já no Massachusetts, foi eleita a primeira congressista negra, Ayana Pressley,  e Lori Trahan tornou-se na primeira mulher luso-descendente a conquistar um lugar no Congresso norte-americano. Os avós desta profissional de marketing e consultoria, de 44 anos, são um imigrante português e uma imigrante brasileira.

No Texas, foram eleitas as duas primeiras congressistas latinas, designadamente Veronica Escobar e Sylvia Garcia. Escobar vai substituir o lugar do democrata Beto O’Rourke, derrotado por curta margem pelo republicano Ted Cruz que conseguiu a reeleição para o Senado.

Há ainda uma outra mulher a fazer história, como a mais nova de sempre eleita para o Congresso, respectivamente a democrata Alexandria Ocasio-Cortez, que tem 29 anos.

No Colorado, Jared Polis é o primeiro governador assumidamente homossexual a ser eleito nos EUA. No seu discurso, não deixou de fazer referência a este facto, frisando que o Colorado é “um estado inclusivo”.

SV, ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Alguém me explica o relevo de serem eleitas 2 muculmadas, ou 2 às pintas cor de rosa a nao ser para fomentar divisão entre raças, discurso racista?

    • Falou e disse Joaquim!!! Haja alguém que pensa! Obrigado!
      Só querem é fomentar a divisão das pessoas, andarem todos em guerra por causa de insignificâncias, para não pensarmos em coisas bem mais importantes para as nossas vidas!
      “Dividir para conquistar”.

    • Efetivamente é apenas uma jogada dos Dems politicizando o movimento #metoo, e alavancando com a narrativo do “white male privedge” – uma pura divisão, racista que depois apontam aos Reps como sendo estes os racistas e privilegiados.

      Daqui a pouco estamos como no Canadá, em que Troudeau colocou 50/50 homens e mulheres apesar do que foi eleito não espelhar essa realidade; além do complexo de “Peter Pan” e das medidas nefastas para os Canadianos.

      A mim é-me indiferente raça ou sexo, sou pelo mérito e igualdade de oportunidades; nunca, jamais pela igualdade de resultados – o que é bem defender nos EUA.

      Veremos a ‘trapalhada’ que os Dems vão tentar fazer a partir de agora, a juntar à incitação à violência – como Maxine Waters, entre outros -, e às políticas desastrosas, esquecendo o “inocente até prova em contrário.”

      A seguir com atenção.

    • essas sras e as outras ou outros, especialmente o politicamente correcto, a moda dos géneros, lgbt e restante abecedário, etc.

      alguém conhece, especialmente quem nelas e neles votou sabe o que realmente pretendem para o país? ou não passou de ser moda e votar nesse tipo de gente?

      mas não é só nos EUA que isto se passa, é em todo o mundo.

        • Não sei se é assim tão óbvio…
          Árabes é uma coisa; muçulmanos é outra e, a maioria dos mulçumanos nem sequer são árabes – basta pensar que o maior país muçulmano é a Indonésia!!
          O artigo “apenas” aludiu à diversidade – o que faz todo o sentido num país como os EUA.

          • Os racistas aludem sempre à diversidade como algo importante e à divisão pela cor da pele. Os não racistas não falam nisso porque nem pensam nisso

  2. E mais uma Joaquim, os demoncratas já são conhecidos pelas fraudes nos votos. votantes emigrantes ilegais e até pessoas já mortas. Depois a culpa é dos Russos…
    É só pesquisarem o assunto.

RESPONDER

João Félix coloca Benfica nas meias-finais da Taça

Um golo de João Félix, aos 14 minutos, bastou para o Benfica garantir hoje o apuramento para as meias-finais da Taça de Portugal em futebol, no encontro dos quartos de final com o Vitória de …

Hernâni marca no final do prolongamento e apura FC Porto para as 'meias' da Taça

O FC Porto, da I Liga, apurou-se hoje para as meias-finais da Taça de Portugal em futebol, após derrotar no prolongamento o Leixões, da II Liga, por 2-1, com Hernâni a fazer o golo do …

Eleito o destino turístico mais barato para 2019 (e Portugal fica à espreita)

O complexo Sunny Beach, na Bulgária, foi eleito o destino mais barato para turistas em 2019, de acordo com um estudo levado a cabo pela British Post Office, que analisou preços dos 42 pontos turísticos mais …

Netflix está a ser processada por causa de "Bandersnatch"

O episódio interativo de Black Mirror, que estreou no final do ano passado, não agradou à Chooseco, a editora responsável pela série de livros Escolhe a tua Aventura. A 28 de dezembro estreou o mais recente …

Piloto belga "admitiu" ter assassinado o secretário-geral da ONU em 1961

Dag Hammarskjöld, secretário-geral da ONU, morreu na queda de um avião quando tentava negociar a paz no Congo, e o desastre continua a ser investigado até hoje É um mistério com mais de cinco décadas cujo …

Acordo para o Brexit chumbado. Plano de May esmagado no Parlamento

O Parlamento britânico chumbou, por uma esmagadora maioria, o acordo de saída da União Europeia negociado pela primeira-ministra Theresa May. O líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, aproveitou a derrota histórica de May para …

Senador italiano chamou “orangotango” a antiga ministra e foi condenado a pena suspensa

A justiça italiana condenou esta segunda-feira o senador da extrema direita Roberto Calderoli a 18 meses de prisão, com pena suspensa, por comparar, em 2013, a ministra da Integração, Cécile Kyenge, com um "orangotango". O tribunal …

Num restaurante do Dubai, deixar comida no prato dá multa (e é mais cara que a refeição)

Com o Dubai a tornar-se mais consciente do desperdício de alimentos, um restaurante lembrou-se de uma maneira de fazer com que os clientes não deixem comida no prato. O restaurante Gulou Hotpot, em Al Barsha, uma …

Roma e a Igreja em guerra milionária por causa das moedas da Fontana di Trevi

As moedas que os turistas lançam à Fontana di Trevi, um dos rituais mais populares entre quem visita Roma, está a causar problemas na relação entre a Igreja e a capital italiana. A câmara de Roma …

Frente Comum marca greve nacional da função pública

Os sindicatos da Frente Comum da Administração Pública decidiram marcar uma greve nacional para o dia 15 de fevereiro, anunciou Ana Avoila no final de um plenário realizado esta terça-feira em Lisboa. “Foi decidido marcar um …