Egipto vai a referendo sob pressão pelo “sim”

Erin Kirk-Cuomo / Department of Defense

Abdel Fattah al-Sisi, líder do governo provisório do Egito

General Abdel Fattah al-Sisi, líder do governo provisório no Egito

Os egípcios começaram a votar esta terça-feira num referendo para decidir sobre a nova Constituição do país, como parte de um programa estabelecido pelo Exército após o golpe de Estado que derrubou o presidente islamita Mohamed Morsi, em julho do ano passado.

Mais de 52,7 milhões de eleitores estão hoje e quarta-feira convocados para votarem o novo texto. Para garantir alta participação, egípcios poderão votar em qualquer zona eleitoral, independente de onde estiverem registados – o que também levantou temores sobre fraudes.

Todas as previsões indicam que o novo texto será plebiscitado por uma clara maioria, fornecendo por fim uma “base legal” ao executivo de transição e abrindo o caminho para novas legislativas e presidenciais que deverão decorrer até final de 2014 num país com cerca de 85 milhões de habitantes, o mais populoso do mundo árabe.

Uma grande operação de segurança está em andamento para proteger as mesas de voto e os eleitores contra possíveis ataques de militantes leais a Morsi. Pouco antes das urnas serem abertas, houve uma explosão perto de um tribunal no Cairo. A explosão danificou o edifício, mas não deixou nenhum ferido.

Referendo sobre Sisi

Uma sondagem divulgada na semana passada apontou que 76% dos entrevistados planeavam participar do referendo. Destes, 74% votariam “sim”, 3% optariam pelo “não” e 23% estavam indecisos, segundo o levantamento do instituto Baseera realizado em dezembro e divulgado pelo site estatal Al-Ahram.

O estudo apontou que egípcios deverão aprovar a nova Constituição mesmo desconhecendo o seu conteúdo: entre os entrevistados, 59% disseram não ter lido nenhum excerto, enquanto 36% relataram terem lido apenas partes do texto.

Uma vitória confortável do “sim” dará legitimidade ao regime liderado por Abdel Fattah al-Sisi, anterior ministro da Defesa, e impulso à sua candidatura à Presidência, que já é dada como certa pela imprensa local, fortemente pró-militares, segundo analistas.

O popular general, de 59 anos, é visto pela maioria dos egípcios como o único capaz de tirar o Egipto do caos vivido desde a revolução de 2011 e que se acentuou nos meses após a queda de Morsi, primeiro presidente democraticamente eleito do Egipto. Mais de mil pessoas morreram em confrontos que se tornaram rotina nas ruas do país desde julho.

Sisi, no entanto, mantém mistério sobre uma eventual candidatura. No fim de semana, ele instou a população a comparecer em massa às urnas e disse que poderá concorrer se houver clamor popular.

“O referendo é essencialmente nas medidas que foram tomadas desde 30 de junho”, disse Gamal Soltan, professor de Ciência Política da Universidade Americana do Cairo (AUC), referindo-se ao dia em que milhares de egípcios foram às ruas exigindo a saída de Morsi. “Em geral, [o referendo] será interpretado desta maneira: o voto ‘Sim’ será um voto às políticas e aos líderes construídos por Sisi“.

Onde está o ‘não’?

A maioria dos partidos egípcios posicionou-se em linha com o governo, fazendo campanha pela aprovação do texto – inclusive o grupo dos ultrarreligiosos salafistas, antigos aliados de Morsi.

À exceção de mensagens rabiscadas em alguns poucos muros, a campanha pelo “não” é quase inexistente.

Sete membros de um partido foram detidos nos últimos dias no Cairo com panfletos contrários à nova Constituição. O partido deixou de realizar eventos públicos por temores quanto à segurança, segundo a imprensa local, e acusou autoridades de repressão.

Outros grupos também anunciaram oposição, mas é raro vê-los nas ruas, em parte devido ao medo de novas prisões, diante da nova lei que praticamente proíbe qualquer aglomeração sem prévia autorização oficial.

Na imprensa, a defesa pela aprovação do novo texto é quase unânime.

A repressão aos opositores soma-se à ofensiva lançada pelo governo contra membros da Irmandade Muçulmana, e à detenção de jornalistas e de renomados ativistas críticos ao governo. A Irmandade anunciou que boicotará à votação. O grupo foi considerado organização terrorista pelo governo egípcio no mês passado, numa decisão de “motivação política”, segundo o grupo de defesa de direitos humanos Human Rights Watch (HRW).

“Temos grandes preocupações sobre o ambiente político polarizado nos últimos meses, que viu milhares de pessoas sendo presas por exercerem o direito básico de associação livre, expressão e assembleia… num ambiente no qual o estado policial está, cada vez mais, mirando a oposição”, disse à BBC Brasil um representante da HRW no Cairo, que pediu anonimato devido às condições de segurança.

ZAP / Lusa / AE / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Ventura quer ser Sá Carneiro do século XXI e ter juventude partidária

O presidente do Chega vai apresentar-se este fim de semana em Évora para a II Convenção Nacional do partido populista de direita como “o principal continuador em Portugal” de Sá Carneiro, o falecido líder fundador …

Alemanha tem provas materiais de que Maddie está morta

As autoridades alemãs têm provas materiais de que Madeleine McCann está morta, garante o porta-voz da Procuradoria de Braunschweig, Hans Christian Wolters, à RTP. Apenas está por provar o envolvimento de Christian Brueckner no homicídio …

BE quer que direito das grávidas a acompanhante seja respeitado

O Bloco de Esquerda (BE) quer que as normas da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre gravidez e parto no âmbito da covid-19 sejam revistas para que o direito das mulheres grávidas a estarem acompanhadas seja …

Proposta do PCP para passar Novo Banco para esfera pública foi chumbada

A recomendação ao Governo proposta pelo PCP para reverter da venda do Novo Banco, transferindo-o para a esfera pública, foi hoje chumbada no parlamento com os votos contra de PS, PSD, CDS-PP, PAN, Iniciativa Liberal …

Trump ataca voto por correspondência. Resultados podem não ser "determinados de forma precisa"

O Presidente dos EUA, Donald Trump, reforçou na quinta-feira no Twitter os ataques ao voto por correspondência nas eleições de novembro, ao que a rede social reagiu ligando duas das suas mensagens a informação verificada …

Quatro candidatos disputarão sucessão de Santana no Aliança

O novo líder do Aliança, que sucederá ao fundador do partido, Pedro Santana Lopes, vai ser escolhido entre quatro candidatos no próximo congresso nacional, agendado para 26 e 27 de setembro em Torres Vedras. Segundo noticiou esta …

Recomendação do PS para tarifa social de Internet sem oposição (mas partidos querem mais)

A recomendação do PS ao Governo para que crie uma tarifa social de acesso à Internet não mereceu esta quinta-feira oposição de nenhuma bancada, mas foram vários os partidos que defenderam a necessidade de “ir …

Ex-deputado PS acusado de uso abusivo de viaturas da Câmara de Barcelos

O Ministério Público acusou de peculato e abuso de poderes o ex-deputado socialista Domingos Pereira, pela alegada utilização de viaturas do município de Barcelos para deslocações de e para a Assembleia da República. Segundo nota publicada …

Quim Torra acusa Governo espanhol de tentar "excluir um presidente no meio de uma pandemia"

Um recurso do presidente separatista catalão Quim Torra contra uma condenação por desobediência que pode afastá-lo do exercício de cargos públicos durante ano e meio foi analisado na quinta-feira pelo Supremo Tribunal de Espanha. Antes …

Cinco anos depois, Volkswagen nega reembolso a 125 mil portugueses lesados

A marca alemã Volkswagen respondeu à Deco Proteste, cinco anos após o caso "dieselgate", informando que não irá indemnizar mais consumidores, tendo em vista os processos judiciais em curso. Segundo noticiou esta sexta-feira a Madremedia, em …