Editora cancela publicação de memórias de Woody Allen após protestos dos funcionários

cswan / Flickr

O escritor e cineasta Woody Allen

O grupo editorial Hachette, pressionado por protestos dos funcionários, anunciou na sexta-feira que afinal não irá publicar a autobiografia do realizador norte-americano Woody Allen, acusado de abuso sexual, prevista para sair no início de abril, nos Estados Unidos (EUA).

A juntar aos protestos dos funcionários da editora, que fizeram greve em Nova Iorque e Boston, como forma de se insurgirem contra os planos de publicação do livro “Apropos of Nothing” (“A Propósito de nada”, em tradução livre), conta-se também a reação do filho do cineasta, o jornalista Ronan Farrow, que se opôs à publicação das memórias do pai pelo mesmo grupo editorial que publicou em 2019 o seu livro “Catch and Kill”, sobre uma investigação a casos de abusos sexuais, em que se inclui o caso de Harvey Weinstein, e à forma como os poderosos escapam à justiça, noticiou a agência Lusa.

Antes ainda da publicação deste livro, que se tornou um ‘best-seller’ e um dos livros símbolo do movimento #MeToo, Ronan Farrow, único filho biológico de Woody Allen e Mia Farrow, sempre se manteve do lado da mãe e da irmã Dylan Farrow nas acusações a Woody Allen de abuso sexual.

Em 2014, Dylan Farrow, filha adotiva do casal, acusou Woody Allen de ter abusado sexualmente dela em 1992, quando tinha apenas sete anos, uma acusação que reiterou em 2018, mas que o cineasta sempre desmentiu e que nunca foi comprovada pelas investigações que se fizeram ao caso.

No entanto, o posicionamento de Dylan Farrow, que sempre teve o apoio do irmão Ronan, obteve também o respaldo de parte da indústria cinematográfica, e Ronan Farrow ameaçou mesmo cortar os laços com a editora.

Numa declaração conjunta, citada pelo Guardian, os funcionários da Hachette afirmaram: “Somos solidários com Ronan Farrow, Dylan Farrow e os sobreviventes de casos de agressão sexual”.

Em reconhecimento, Dylan Farrow escreveu no Twitter estar “inacreditavelmente impressionada e incrivelmente grata pela solidariedade demonstrada pelos funcionários” do grupo editorial, acrescentando que a decisão de Hachette de publicar o livro de Allen tinha sido “profundamente perturbadora” para si e “uma completa traição” ao irmão.

DR Frances Silver / NY Times

Dylan Farrow, filha adoptiva de Woody Allen e Mia Farrow

 

A fúria pela planeada publicação do livro de Woody Allen aumentou depois de o diretor-executivo da Hachette, Michael Pietsch, ter afirmando, numa entrevista ao New York Times, que “cada livro tem a sua própria missão”. “O nosso trabalho como editores é ajudar o autor a alcançar o que se propôs a fazer na criação do seu livro”.

Num e-mail enviado a Pietsch por Ronan Farrow, este afirma que a política de independência editorial da Hachette “não o isenta das suas obrigações morais e profissionais como editor de “Catch and Kill” e como líder de uma empresa chamada a ajudar nos esforços de homens abusivos que querem branquear os seus crimes”.

“Enquanto trabalhávamos em “Catch and Kill”, que abordava “os danos que Woody Allen causou à minha família (…) você planeava secretamente publicar um livro da pessoa que cometeu esses mesmos atos de abuso sexual”, referiu.

Contudo, a decisão do grupo editorial de voltar atrás na decisão de publicar a autobiografia do realizador de “Annie Hall” acabou por se revelar também controversa, com algumas vozes a levantarem-se contra esta cedência a pressões e a falarem de censura.

Num artigo do Guardian, a ex-diretora do PEN club inglês e ex-editora do Index on Censorship, uma organização sem fins lucrativos cujo objetivo é promover a liberdade de expressão, Jo Glanville, deixou claro que “este é o comportamento de censores, não de editores”, e acusa a Hachette de ter sucumbido à ofensa moral, ao rejeitar publicar o livro.

“Isto é preocupante para escritores e leitores. Os funcionários da Hachette, que protestaram na semana passada, claramente pensavam que estavam a fazer o que era moralmente correto – protestar contra a publicação de um livro escrito por um homem que foi acusado de abusar da sua própria filha. Mas, como já foi repetido várias vezes, Woody Allen foi investigado por duas vezes e nunca foi acusado. Apesar de Dylan e Ronan acusarem Woody Allen, ele não foi considerado culpado. Nada foi provado. De facto, não há uma razão aceitável para não publicar o livro de Woody Allen”, escreveu.

Jo Glanville sublinhou ainda que desde criança que vê os filmes de Woody Allen e gostaria de ler o livro: “Gostaria de ler o seu livro, mesmo que fosse considerado culpado, porque estou interessada no homem, no seu trabalho e na sua vida. Não faço verificações da pureza moral e do registo criminal de um escritor antes de o ler. Teria de retirar das minhas estantes de livros muitos dos escritores que mais amo, se fosse começar a aplicar os princípios da equipa da Hachette: T.S. Eliot e Roald Dahl, para começar, como antissemitas. De facto, a maior parte do cânone inglês teria de ser rejeitado, nessa base”.

Também o escritor Stephen King já veio criticar a Hachette e manifestar “desconforto” com a decisão da editora norte-americana de cancelar a publicação do livro. “A decisão da Hachette de abandonar o livro de Woody Allen deixa-me muito desconfortável”, escreveu Stephen King, no Twitter, acrescentando: “Não é ele. Estou-me nas tintas para o Sr. Allen. É quem será amordaçado da próxima vez que me preocupa”.

Lusa //

PARTILHAR

RESPONDER

Os primeiros resultados dos Censos: Portugal perdeu população pela primeira vez desde 1970

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou, esta quarta-feira, os primeiros resultados dos Censos 2021, cujas respostas por via digital ultrapassaram os 99%. Portugal tem hoje 10.347.892 residentes, menos 214.286 do que em 2011, segundos os …

Portugueses esperam quase até aos 40 para comprar casa

Um barómetro que avalia a preferência dos consumidores na hora de comprar um imóvel indica que a maioria dos portugueses só liquida o crédito à habitação após a reforma. O indicador destaca ainda que os portugueses …

Moedas fecha lista para a Câmara de Lisboa

O candidato à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, já fechou a equipa que o vai acompanhar nas próximas autárquicas. O anúncio de que a lista de Carlos Moedas para a Câmara de Lisboa está fechada será …

Abaixo-assinado apelida Bolsonaro de genocida após 550.000 mortes no Brasil

Dezenas de personalidades e organizações da sociedade civil portuguesa subscreveram um abaixo-assinado de solidariedade internacional para com o Brasil, no qual apelidam o Presidente, Jair Bolsonaro, de "genocida" após mais de 550.000 mortes devido à …

Jovens com 18 ou mais anos já podem agendar a vacina contra a covid-19

O autoagendamento da vacina contra a covid-19 para pessoas com 18 ou mais anos ficou disponível, esta quarta-feira, no portal da Direção-Geral da Saúde (DGS). "O auto-agendamento para os utentes com idade igual ou superior a …

Juiz Carlos Alexandre aceita proposta de pagamento de caução de Joe Berardo

O juiz Carlos Alexandre aceitou, esta quarta-feira, a proposta e a forma de pagamento da caução de cinco milhões de euros apresentada pelo empresário madeirense no processo da Caixa Geral de Depósitos. A decisão favorável do …

Mais 13 mortes e 3452 casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, esta quarta-feira, mais 13 mortes e 3452 casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 3452 novos …

MPT junta-se a PDR e pedem que Nós, Cidadãos! seja banido das autárquicas pelo TC

O MPT juntou-se ao PDR e ambos pedem que o Nós, Cidadãos! seja impedido de "apresentar candidaturas" às eleições autárquicas de setembro. Em junho, o PDR deu entrada com um pedido no Tribunal Constitucional (TC) para …

Relatório revela envolvimento da Igreja Católica em 100 casos de pedofilia na Polónia

Uma comissão estatal que analisou as denúncias de crimes de pedofilia registadas na Polónia entre 2017 e 2020 denunciou na terça-feira que quase um terço dos casos estudados, num total superior a 300 processos, envolvem …

Polícias voltam aos protestos por causa do subsídio de risco em dia de nova reunião com o Governo

Elementos da PSP e da GNR voltam esta quarta-feira aos protestos por causa do subsídio de risco, uma concentração que vai decorrer enquanto os sindicatos e associações socioprofissionais estão reunidos no Ministério da Administração Interna …