Ecologistas e abstenção “histórica” ganham eleições municipais em França. Macron sofre pesada derrota

Cugnot Mathieu / EPA

O presidente francês, Emmanuel Macron.

A segunda volta das eleições municipais em França, realizada no domingo, ficou marcada por uma presença expressiva da esquerda ecologista e por uma elevada abstenção do eleitorado, na ordem dos 60%. O partido de Emmanuel Macron sofreu uma pesada derrota numa altura em que o presidente francês é severamente contestado.

A abstenção registou um “nível histórico”, como escreveu a Agência France Press (AFP), com mais de 60% dos eleitores a faltarem na chamada às urnas em tempos de pandemia de covid-19, o que levou o presidente francês Emmanuel Macron a manifestar-se “preocupado com a baixa taxa de participação”.

Dos resultados apurados, Os Verdes impuseram-se na votação como a principal força política de esquerda em França, “sinal de um reposicionamento político que está a acontecer em vários países da Europa, onde os partidos ecologistas, à boleia das questões climáticas, têm tido mais votos”, refere a AFP.

Um dos exemplos aconteceu no município de Paris, onde a presidente da Câmara, a socialista Anne Hidalgo, foi reeleita com mais de 50% dos votos na segunda volta, depois de se ter aliado aos Verdes. Já a ex-ministra da Saúde Agnès Buzyn, a candidata do República em Marcha de Macron, ficou-se pelo terceiro lugar com apenas 13,56% dos votos.

O partido que elegeu Macron em 2017, deverá manter o poder em Toulouse, enquanto a extrema-direita elegeu Louis Aliot, ex-companheiro de Marine le Pen em Perpignan.

Já os ecologistas ganharam em Lyon e em Marselha.

O primeiro-ministro francês, Édouard Philippe, ganhou a segunda volta em Havre, com quase 60% da preferência dos votos, num teste de popularidade que pode não chegar para se manter no Governo. Philippe deu a entender que quer manter-se no Governo e que dará o lugar de presidente de Câmara ao número 2 da sua lista, mas especula-se que Macron poderá promover uma remodelação governamental, dadas as fortes críticas à forma como está a ser gerida a pandemia de covid-19.

A crise de Saúde Pública veio agravar o desagrado dos franceses e aumentar a impopularidade de Macron que já era visível aquando dos protestos dos Coletes Amarelos. Os resultados eleitorais deste domingo são a prova desse descontentamento.

Nenhum dos candidatos do Républica em Marcha conseguiu vencer nas grandes cidades e o jornal francês Le Monde fala de “uma falha amarga” para o partido de Macron que foi formado há apenas quatro anos.

A primeira volta das eleições municipais aconteceu a 15 de Março e a segunda volta teve de ser adiada devido à pandemia de Covid-19, fruto dos meses de confinamento imposto no país.

Na segunda volta estavam aptos a votar cerca de 16,5 milhões de eleitores, ou seja, cerca de 39% dos inscritos nos cadernos eleitorais no país, para decidirem sobre os novos executivos municipais em Paris, Marselha, Lyon e Bordéus, entre outras grandes cidades francesas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Em 33 anos, Amazónia perdeu 72,4 milhões de hectares de floresta. O equivalente ao território do Chile

A floresta amazónica, presente em nove países da América do Sul, perdeu 72,4 milhões de hectares de cobertura vegetal entre 1985 e 2018, uma área equivalente ao território do Chile, segundo dados divulgados na quinta-feira …

Decisão do Reino Unido é "absurda", "errada" e "desapontante"

O chefe da diplomacia portuguesa considerou hoje a decisão do Reino Unido de excluir Portugal dos “corredores de viagem internacionais” como um “absurdo”, “errada” e que causa “muito desapontamento”, trazendo ainda graves consequências económicas e …

"Peixe racista". Estátua da Pequena Sereia novamente vandalizada

A icónica estátua da "Pequena Sereia" em Copenhaga, um dos monumentos mais famosos da Dinamarca, foi novamente vandalizada, ao ter sido pintada com uma frase antirracismo, divulgou hoje a polícia dinamarquesa. “A Pequena Sereia foi vandalizada …

Itália admite segunda vaga e defende restrições a viagens

Itália abriu esta terça-feira fronteiras aos viajantes de países que não integram o espaço europeu de livre circulação Schengen, mas com restrições. O ministro da Saúde de Itália afirmou, esta quinta-feira, não poder afastar uma segunda …

Menos férias e mais dias de aulas para quem não tem exames no próximo ano letivo

O próximo ano letivo vai ter menos dias de férias e mais dias de aulas para os alunos que não tenham exames. Os alunos terão aulas presenciais e aulas à distância. O ministro da Educação, Tiago …

FC Porto revela camisola para a próxima época (e as opiniões dividem-se)

O FC Porto revelou a camisola oficial do clube para a próxima temporada. Pelas redes sociais, as opiniões dividem-se, havendo quem não esteja satisfeito com a mudança. Os adeptos portistas acordaram esta sexta-feira com a imagem …

Veto da Índia ao TikTok pode custar mais de 5 mil milhões de euros à ByteDance

O executivo indiano anunciou o bloqueio de 59 aplicações móveis chinesas, assegurando que as aplicações roubam dados dos utilizadores e partilham informações com o governo chinês. O grupo chinês de tecnologia ByteDance, que desenvolveu o TikTok, …

Covid-19. “Exemplo de Portugal mostra muito claramente como a situação é frágil”

A comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, considerou que a situação pandémica é ainda "frágil", dando o exemplo da evolução da covid-19 em Portugal para sustentar que é necessário continuarmos vigilantes. “Penso que o exemplo de …

Catarina Martins diz que há neste momento um acordo entre PS e PSD

A líder do BE, Catarina Martins, considerou hoje que "o Orçamento Suplementar não é uma primeira parte do Orçamento do Estado", mas avisou que o que está a acontecer neste momento no país "é um …

Quase 40% dos restaurantes tenciona avançar para insolvência

Quase 40% das empresas de restauração e bebidas e 18% do alojamento turístico tencionam avançar para insolvência. Os números são resultado de um inquérito mensal da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) esta …