Dormir menos na meia idade pode aumentar o risco de demência na velhice

Um novo estudo relaciona as curtas durações do período de sono na meia-idade a um maior risco de demência na velhice. No entanto, os cientistas frisam que a ligação deve ser estudada melhor.

O novo estudo, publicado na Nature Communications a 20 de abril, não é conclusivo, mas oferece novos detalhes sobre a potencial relação entre os padrões de sono mais curtos durante a meia-idade e a demência na velhice.

Os investigadores analisaram os dados de um projeto de longo prazo denominado estudo de coorte Whitehall II.

A pesquisa teve início em meados da década de 1980. Para o estudo foram recrutados cerca de 10.000 indivíduos com idades entre os 35 e os 55 anos. Com um período médio de acompanhamento bastante extenso, os especialistas foram capazes de correlacionar incidências de demência na velhice com as durações do sono por volta dos 50 anos.

O estudo descobriu que o risco de demência aumentou 30% em pessoas cuja duração do sono era de menos de seis horas, entre os 50 e 60 anos. De acordo com o New Atlas, é importante ressaltar que essa associação foi independente de quaisquer outros fatores demográficos ou sociais, incluindo questões de saúde mental.

A grande questão que esta pesquisa não consegue responder é se esses distúrbios de sono na meia-idade contribuem diretamente para o desenvolvimento da demência, ou se o sono de má qualidade é um sintoma precoce da neurodegeneração que leva à demência.

“Este estudo adiciona novas informações ao quadro emergente, uma vez que o sono é relatado numa fase da meia-idade que é seguida por vários anos, diz Elizabeth Coulthard, da Universidade de Bristol, que não participou neste novo estudo.

“Isso significa que pelo menos algumas das pessoas que desenvolveram demência provavelmente ainda não a tinham no início do estudo, quando o seu sono foi avaliado pela primeira vez. Portanto, reforça a evidência de que o sono de má qualidade na meia-idade pode causar ou piorar a demência mais tarde”.

No entanto, descobriu-se que o sono desempenha um papel vital na eliminação de proteínas tóxicas do cérebro, como tal, o sono de curta duração persistente pode desempenhar um papel causal no início do declínio cognitivo.

Robert Howard, da University College London, observa que é possível que a falta de sono seja um sintoma muito precoce da doença.

“Sabemos que os primeiros sinais da doença de Alzheimer aparecem no cérebro 20 anos antes do comprometimento cognitivo detetável, então é sempre possível que o sono seja um sintoma muito precoce da doença, em vez de um fator de risco tratável”, observa Howard.

No novo estudo, os cientistas deixam claro que a direção causal dessa relação ainda deverá ser objeto de debate.

Ana Isabel Moura, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Antes da invasão ao Capitólio, Bannon ajudou a planear estratégia para "matar a presidência de Biden no berço"

O estrategista-chefe da campanha de Donald Trump, Steve Bannon, revelou que falou com o ex-Presidente antes da invasão ao Capitólio, a 06 de janeiro, discutindo as condições para "matar a presidência de [Joe] Biden no …

Costa prepara novo alívio de restrições para vigorar a partir de 1 de outubro

António Costa prepara-se para anunciar, na quinta-feira, o levantamento de um conjunto de restrições que vigoraram por causa da covid-19. O primeiro-ministro, António Costa, prepara-se para anunciar na quinta-feira o levantamento de um conjunto de restrições …

IPO Porto. Cirurgias fora do horário suspensas desde julho

As intervenções cirúrgicas feitas fora do horário normal estão suspensas no bloco central do IPO do Porto desde o dia 1 de julho. Os profissionais de saúde do IPO do Porto estão indisponíveis para realizar intervenções …

Rio critica "vigarice" das sondagens. Líder do PSD acredita na vitória de Moedas

Esta tarde, ao lado de Francisco Rodrigues dos Santos e de Carlos Moedas, Rui Rio apelou a que não se acredite nas sondagens que, "ou são mal feitas, ou são encomendadas: uma vigarice". O presidente do …

A prova que precisava: Sim, as máscaras protegem contra a covid-19 (mas há uma predileta)

As máscaras funcionam? Se sim, será melhor utilizar uma N95, uma máscara cirúrgica ou uma máscara de pano? No último ano e meio, os investigadores produziram muitas evidências laboratoriais sobre a eficácia das máscaras. Para muitas …

Trump processa sobrinha e New York Times por investigação sobre os seus impostos

O antigo Presidente norte-americano processou a sobrinha e o jornal The New York Times devido à divulgação de um artigo no qual é alegado que Donald Trump estaria envolvido em "esquemas de evasão fiscal". Donald Trump …

Há 31 surtos ativos em ATL, creches e jardins-de-infância

Dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) revelam que existem, atualmente, 31 surtos ativos em estabelecimentos de ensino como centros de atividades de tempos livres (ATL), creches e jardins-de-infância. Na última segunda-feira, "foram registados 31 surtos ativos …

Principal assessor do Presidente ucraniano vítima de tentativa de assassinato

Serhiy Shefir, principal assessor do Presidente da Ucrânia, foi alvo de uma tentativa de assassinato esta quarta-feira. O carro onde seguia Serhiy Shefir foi "atingido por mais de dez balas", disse a polícia ucraniana, citada …

Koeman apareceu na conferência de imprensa, leu um comunicado e saiu

Treinador do Barcelona, com "cara de poucos amigos", não conversou com os jornalistas. Mas avisou: seria um "êxito" ficar nos lugares cimeiros do campeonato. Não é inédito mas é muito pouco usual: Ronald Koeman apareceu numa conferência …

Oito mortes e 891 casos de covid-19. Internamentos e incidência continuam a descer

Portugal registou, esta terça-feira, 891 novos casos e oito mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …