Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

(dr) microbeworld.org

Casos de paralisia devidos à Mielite Flácida Aguda associados ao enterovírus EV-D68.

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a paralisia dos membros.

A associação entre o Enterovírus D68 (EV-D68) e a Mielite Flácida Aguda (AFM na sigla em Inglês) não é nova, mas, pela primeira vez, cientistas descobriram sinais da impressão digital do vírus no fluido espinal de pacientes afectados pela doença.

Um estudo publicado em Agosto passado já tinha detectado “sinais escassos” do ácido ribonucleico ou ARN do vírus em amostras do soro e fluído espinal em torno do Sistema Nervoso Central de pacientes diagnosticados com AFM.

Esta pesquisa identificou anti-corpos do vírus em quase 80% dos casos de AFM em comparação com a presença em apenas 30% dos pacientes saudáveis, mas lidou com uma amostra considerada muito pequena, com apenas 14 pacientes afectados pela doença e 5 pessoas saudáveis como medida de controlo.

Uma investigação mais recente, realizada por investigadores da Universidade da Califórnia, em São Francisco, nos EUA, e publicada em Outubro passado na revista científica Nature Medicine, retirou conclusões semelhantes, com a análise de 42 crianças diagnosticadas com AFM.

Estes investigadores compararam amostras dos anticorpos de enterovírus detectados nestas crianças doentes com as de 58 crianças sem o problema.

E se encontraram poucos sinais do vírus propriamente dito, “em mais de dois terços das amostras de pacientes com AFM, foram encontrados anticorpos correspondentes a proteínas pertencentes à família e género do vírus EV-D68″, constata o ScienceAlert que reporta a pesquisa.

“Em comparação, apenas 7% dos controlos apresentaram anticorpos semelhantes nos seus fluídos espinais”, acrescenta a publicação científica.

Testes adicionais confirmaram os resultados e a conclusão aponta que os “anticorpos do vírus eram muito mais propensos a estarem presentes nos sistemas nervosos dos pacientes com a condição paralisante”.

Nenhum destes estudos conseguiu detectar “o vírus em flagrante”, mas ainda assim, são “a prova mais forte” que existe até à data de que “um patogeno relativamente comum está por trás de uma epidemia que há anos confunde as autoridades de saúde”, acrescenta o ScienceAlert.

A AFM foi detectada, pela primeira vez, em 2012, nos EUA, e desde então, o número de casos aumentou.

O EV-D68 estava, habitualmente, associado a problemas respiratórios leves, mas o cenário mudou em 2014, quando se começaram a registar diversos casos de infecções respiratórias graves provocadas pelo vírus.

Um estudo em 2017, já tinha concluído que o EV-D68 pode causar paralisia em ratos, mas só agora se torna concreta a associação entre o vírus e a AFM.

Esta pista é fundamental para perceber melhor a patologia e, especialmente, como é que o vírus outrora raro e inofensivo se tornou tão perigoso.

As estatísticas indicam que menos de uma em 100 crianças infectadas pelo EV-D68 desenvolve os efeitos paralisantes da AFM. Porque é que isso sucede é outro mistério a resolver.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …