Novo estudo mostra porque comemos compulsivamente (e como parar de o fazer)

Os cientistas descobriram um circuito cerebral que controla a ingestão de alimentos. Ao inibir esta via, o consumo excessivo de alimentos após o jejum e a obesidade poderia ser significativamente reduzido.

Um grupo de cientistas desenvolveu uma abordagem inteiramente nova no tratamento dos distúrbios alimentares.

O estudo, publicado na Nature no mês passado, mostra que um grupo de células nervosas — chamadas AgRP, neurónios peptídeos relacionados com o agouti — no hipotálamo controla a libertação de lisofosfolípidos endógenos, que, por sua vez, controlam a excitabilidade das células nervosas no córtex cerebral, o que estimula a ingestão de alimentos.

Segundo a Scitech Daily, neste processo, a etapa crucial da via de sinalização é controlada pela autotaxina — uma enzima responsável pela produção de ácido lisofosfatídico (LPA) no cérebro, como modulador de atividade da rede.

A administração de inibidores da autotaxina pode assim reduzir significativamente tanto a ingestão excessiva de alimentos após o jejum como a obesidade em modelos animais.

As doenças alimentares, particularmente a obesidade, estão entre as principais causas de uma vasta gama de doenças nas sociedades industrializadas de todo o mundo, especialmente as doenças cardiovasculares com deficiências para toda a vida ou resultados fatais como ataques cardíacos, diabetes, ou acidentes vasculares cerebrais.

De acordo com um relatório do Instituto Robert Koch de 2021, 67% dos homens e 53% da mulheres na Alemanha têm excesso de peso. A percentagem de adultos que estão gravemente acima do peso é de 23%.

Tentativas de influenciar o comportamento alimentar com medicamentos tem-se revelado, até agora, sem sucesso. Uma nova terapia que modula a excitabilidade das redes que controlam o comportamento alimentar pode ser uma mudança de jogo na luta mundial contra a obesidade.

A equipa de investigadores descobriu um aumento da taxa de obesidade e a consequente diabetes tipo II em pessoas com sinalização sináptica de LPA deficiente.

Um grupo liderado por Johannes Vogt (Universidade de Colónia), Robert Nitsch (Universidade de Münster) e  Thomas Horvath (Escola de Medicina de Yale) mostrou agora que o controlo da excitabilidade dos neurónios no córtex cerebral pela LPA desempenha um papel essencial no controlo do comportamento alimentar: Os neurónios AgRP regulam a quantidade de lisofosfatidilcolina (LPC) no sangue.

Através de transporte ativo, a LPC chega ao cérebro, onde é convertida pela enzima autotaxina (ATX) em LPA, que é ativa na sinapse. Os sinais sinápticos de LPA estimulam redes específicas no cérebro, levando assim a uma maior ingestão de alimentos.

No modelo do rato, após um período de jejum, um aumento da LPC no sangue levou a um aumento da estimulação da LPA no cérebro. Estes ratos mostraram um comportamento típico de procura de alimentos. Ambos podiam ser normalizados através da administração de inibidores de autotaxina. Os ratos obesos, por outro lado, perderam peso quando estes inibidores eram administrados continuamente.

Johannes Vogt explicou: “Assistimos a uma redução significativa no consumo excessivo de alimentos e obesidade através da mutação genética e inibição farmacológica do ATX. As nossas descobertas fundamentais sobre a excitabilidade do cérebro controlada por LPA, em que temos trabalhado durante anos, desempenham, portanto, também um papel central no comportamento alimentar”.

Robert Nitsch vê as descobertas como um passo importante para o desenvolvimento de novos fármacos: “Os dados mostram que as pessoas com uma via de sinalização sináptica de LPA perturbada têm mais probabilidades de ter excesso de peso e de sofrer de diabetes tipo II.

Isto é uma forte indicação de um possível sucesso terapêutico dos inibidores ATX, que estamos atualmente a desenvolver em conjunto com o Instituto Hans Knöll em Jena para utilização em seres humanos”.

Estas descobertas sobre o controlo da excitação das redes neuronais no comportamento alimentar através dos lisofosfolípidos e as novas possibilidades terapêuticas que sugerem poderiam no futuro contribuir não só para o tratamento de distúrbios alimentares, mas também de doenças neurológicas e psiquiátricas.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.