Dispositivo vestível pode produzir eletricidade a partir do suor humano

Dispositivos eletrónicos vestíveis e biossensores são ótimas ferramentas para monitorização de saúde, mas tem sido difícil encontrar fontes de energia convenientes para estes. 

Um grupo de cientistas do Japão desenvolveu e testou com sucesso uma matriz de células de biocombustível vestível que gera energia elétrica a partir do lactato no suor do utilizador, abrindo portas para a monitorização eletrónica da saúde, alimentada por fluidos corporais.

Os biossensores vestíveis, que são dispositivos minúsculos, devem ser usados ​​diretamente na pele para medir biossinais específicos e, ao enviar medições sem fios para smartphones ou computadores, monitorizar a saúde do utilizador.

Embora os cientistas de materiais tenham desenvolvido muitos tipos de circuitos flexíveis e elétrodos para dispositivos vestíveis, tem sido um desafio encontrar uma fonte de energia apropriada para biossensores vestíveis.

Baterias como as usadas em relógios de pulso e calculadoras de bolso são muito grossas e volumosas, enquanto baterias mais finas representariam problemas de capacidade e até de segurança.

Porém, e se fôssemos nós as fontes de energia dos dispositivos vestíveis?

Uma equipa de cientistas liderada pelo professor Isao Shitanda, da Universidade de Ciência de Tóquio, está a explorar formas eficientes de usar o suor como única fonte de energia para aparelhos eletrónicos vestíveis.

Num estudo publicado em março na revista científica Journal of Power Sources, os investigadores apresentam um design inovador para uma matriz de células de biocombustíveis que usa uma substância química no suor, o lactato, para gerar energia suficiente para acionar um biossensor e dispositivos de comunicação sem fios durante um curto período de tempo.

O lactato é um importante biomarcador que reflete a intensidade do exercício físico em tempo real, o que é relevante no treino de atletas e pacientes em reabilitação.

A nova matriz de biocombustíveis assemelha-se a um penso que pode ser usado, por exemplo, no braço ou antebraço. Consiste num substrato de papel repelente de água sobre o qual várias células de biocombustível são dispostas em série e em paralelo.

O número de células depende da tensão de saída e da potência necessária. Em cada uma delas, as reações eletroquímicas entre o lactato e uma enzima presente nos elétrodos produzem uma corrente elétrica, que flui para um coletor de corrente geral feito de uma pasta de carbono condutora.

Esta não é a primeira célula de biocombustível à base de lactato, mas há algumas diferenças importantes que fazem com que este novo design se destaque.

Primeiro, todo o dispositivo pode ser fabricado através de impressão em tela, uma técnica geralmente adequada para produção em massa com custo reduzido.

Outra vantagem é a forma como o lactato é entregue às células. Camadas de papel são usadas para recolher o suor e transportá-lo para todas as células simultaneamente através do efeito capilar – o mesmo efeito pelo qual a água passa rapidamente ao entrar em contacto com um guardanapo.

Essas vantagens fazem com que os arranjos de células de biocombustível exibam uma capacidade sem precedentes de fornecer energia aos circuitos eletrónicos.

“Nas experiências, as nossas células de biocombustível baseadas em papel poderiam gerar uma tensão de 3,66 V e uma potência de saída de 4,3 mW. Até onde sabemos, este poder é significativamente maior do que o das células de biocombustível de lactato relatadas anteriormente”, disse Shitanda, em comunicado.

Para demonstrar a sua aplicabilidade para biossensores vestíveis e dispositivos eletrónicos, a equipa fabricou um biossensor de lactato autopropulsado que poderia não só alimentar-se usando lactato e medir a concentração de lactato no suor, mas também comunicar os valores medidos em tempo real para um smartphone através de um dispositivo Bluetooth de baixa potência.

“Conseguimos usar um medidor de atividade disponível comercialmente por 1,5 horas com uma gota de suor artificial e as nossas células de biocombustível”, continuou Shitanda. “Esperamos que consigam alimentar todos os tipos de dispositivos, como relógios inteligentes e outros dispositivos portáteis comuns”.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

    • Nem penses nisso, eles ficam na mesma no sofá, simplesmente colocam uma manta por cima para fazer calor e transpirar 😉

RESPONDER

Israel reforça presença militar na fronteira com Gaza. "Última palavra ainda não foi dita"

O Exército israelita tinha anunciado, esta quinta-feira à noite, que os seus soldados tinham entrado na Faixa de Gaza. Depois veio negar essa informação, atribuindo a confusão a um problema de "comunicação interna". Na noite desta …

Carta de 1949 revela que Einstein já suspeitava do "super sentido" dos pássaros

Muitas décadas antes de sabermos que alguns animais têm "super sentidos", como é o caso dos pássaros, já o Nobel da Física discutia esse assunto com outros investigadores. Embora não se conheça o conteúdo da primeira …

Ferro empossa comissão de revisão constitucional por três meses. Iniciativa Liberal retira projeto

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, deu esta quinta-feira posse à comissão de revisão constitucional por três meses (90 dias), desejando “votos de muito bom trabalho”, na sala do Senado do Palácio de …

Serena Williams: "A prioridade é a minha filha, não os Jogos Olímpicos"

Recordista do ténis feminino deixa a entender de que não vai a Tóquio. Naomi Osaka coloca dúvidas à volta do próprio evento. "Sou atleta e, por isso, é claro que o meu pensamento imediato é: quero …

A Cidade do México está a afundar a um ritmo incontrolável

Um novo estudo mostra que a Cidade do México, a metrópole mais populosa da América do Norte, afundou tanto que será impossível salvá-la. Depois de séculos de drenagem dos aquíferos subterrâneos, o leito do lago no …

Micróbios podem já estar a comunicar com espécies alienígenas

Os micróbios podem já estar a comunicar com espécies alienígenas, algo semelhante ao que tentamos fazer através do projeto SETI desde 1959. Estaremos sozinhos no Universo? O famoso programa SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) tem tentado …

Tweet de Elon Musk afunda Bitcoins (e dá força à criptomoeda que nasceu como meme)

A Tesla vai deixar de aceitar Bitcoins como forma de pagamento. A revelação foi feita por Elon Musk numa publicação no Twitter e levou à queda do valor da criptomoeda no mercado. A par disso, …

Investigadores criam nova solução para óculos de realidade virtual e aumentada

Uma equipa de investigadores criou uma nova tecnologia para fornecer óculos de realidade virtual que não parecem "olhos de inseto". Num novo artigo publicado na Science Advances, os especialistas descrevem a impressão de ótica de forma …

Genética da população portuguesa pode explicar deficiência de vitamina D

Investigadores portugueses concluíram que a população portuguesa tem uma prevalência superior à média europeia de algumas alterações genéticas que levam a uma predisposição para o défice de vitamina D. Este estudo, coordenado pelo Centro Cardiovascular da …

Polónia quer comprar casa de campo francesa (para recuperar o legado de Marie Curie)

A Polónia quer comprar e renovar a casa de campo francesa de Marie Curie e transformá-la num museu, naquele que é um esforço para reivindicá-la como génio científico e pioneira polaca. Embora tenha nascido na Polónia, …