Diogo Freitas do Amaral: “O meu percurso político foi singular”

José Sena Goulão / Lusa

Diogo Freitas do Amaral disse respeitar a opção das pessoas que “ficam quase sempre onde começaram”, mas realçou que no seu caso “as coisas aconteceram de forma diferente”.

O fundador do CDS Diogo Freitas do Amaral recordou esta quinta-feira o seu “percurso singular” de intervenção política, afirmando que acentuou valores ora de direita ora de esquerda, face às conjunturas, mas sempre “no quadro amplo” da democracia-cristã.

Freitas do Amaral falava no lançamento do seu livro “Mais 35 anos de Democracia – Um percurso singular”, editado pela Bertrand, o terceiro dedicado às suas memórias políticas e que abrange o período entre 1982 e 2017, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, perante o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

De facto, o meu percurso político foi singular“, considerou o fundador e primeiro líder do CDS, que terminou a sua intervenção a citar alguns versos da canção “My Way”, na sua versão em inglês, com letra de Paul Anka, que ficou famosa na voz de Frank Sinatra, para ilustrar o seu “percurso diferente”, feito “no exercício de uma plena liberdade política”.

Freitas do Amaral, que fez parte de governos da Aliança Democrática (AD), entre 1979 e 1983, e mais tarde do PS, entre 2005 e 2006, após ter saído do CDS em 1992, ressalvou que respeita a opção das pessoas que “ficam quase sempre onde começaram”, mas realçou que no seu caso “as coisas aconteceram de forma diferente”.

“Houve uma primeira fase em que, com o país demasiado virado à esquerda, acentuei sobretudo valores de direita. E uma segunda fase em que, julgando eu que o país estava demasiado virado à direita, acentuei sobretudo valores de esquerda. Sempre no quadro amplo, vasto e profundo da democracia-cristã“, afirmou.

Contudo, declarou que não se arrepende de nada e defendeu que nunca deixou a matriz da “democracia-cristã, inspirada na vida e nos ensinamentos de Jesus Cristo”, e o sentido de “dever especial de solidariedade com os mais pobres”.

“Olhando para trás, para estes 45, 50 anos, penso que aquilo que mais me marcou foi a minha filiação democrata-cristã. Em primeiro lugar, a democracia, a qual explica quatro recusas de convites feitas pelo meu mestre e amigo, doutor Marcello Caetano, durante o Estado Novo. E explica mais de uma dezena de ‘sins’ que fiz conscientemente depois do 25 de Abril. Mas democracia-cristã, inspirada na vida e nos ensinamentos de Jesus Cristo”, disse. “E enquanto tiver um sopro de vida tenciono continuar a dar prioridade a esse aspeto.”

Freitas do Amaral referiu que a última fase da conclusão desta obra “não foi uma fase muito fácil”, por razões de saúde, e frisou que estas são “memórias políticas, que não são nem privadas, nem familiares, nem pessoais, nem académicas”, com as quais não pretende “ajustar contas com ninguém”.

“Escrevi, sobretudo, para deixar um testemunho, tão objetivo quanto possível. Sei que esta verdade é apenas a minha parte da verdade. Mas um testemunho feito com a intenção da imparcialidade possível, para que um dia os historiadores independentes possam dispor uma fonte onde vão encontrar algumas explicações que se calhar mais ninguém deu ou dará”, justificou.

No início do seu discurso, Freitas do Amaral agradeceu a presença de Marcelo Rebelo de Sousa e disse que os dois têm “uma velha e longa amizade” e tiveram “alguns momentos de cumplicidade política”, por exemplo, durante a AD.

Professor universitário de direito, nascido em 21 de julho de 1941, na Póvoa de Varzim, no distrito do Porto, Freitas do Amaral foi fundador e primeiro presidente do CDS, pelo qual foi eleito deputado à Assembleia Constituinte, em 1975, e depois à Assembleia da República, em diversas legislaturas, até se desfiliar do partido, em 1992.

No período de governação da AD, entre 1979 e 1983, foi vice-primeiro-ministro, ministro dos Negócios Estrangeiros, primeiro-ministro interino, após a morte de Francisco Sá Carneiro, e mais tarde ministro da Defesa Nacional. Voltou a exercer as funções de ministro dos Negócios Estrangeiros no primeiro Governo chefiado por José Sócrates, entre 2005 e 2006.

No plano internacional, foi presidente da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), entre 1995 e 1996, e da União Europeia das Democracias Cristãs, de 1981 a 1983.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Em 79 na AD acho que se comportou sem coragem política ao abandonar o barco. Em 86 não dei 5 tostões por ele e sempre apoiei antes o “fixe”. Mas sempre respeitei e admirei a sua posição ideológica, com a flexibilidade e a recusa aos clubismos partidários, que o bom senso impõem. Ao longos dos anos que ele próprio foi amadurecendo nesse sentido.

RESPONDER

Dez rinocerontes brancos assassinados por caçadores furtivos em reserva queniana

Dez rinocerontes brancos foram assassinados por caçadores furtivos na reserva queniana de Lewa, no condado de Neru, segundo um comunicado publicado na segunda-feira pelo parque. Os caçadores furtivos atacaram na noite do passado sábado a reserva …

Inscrições nas pinturas rupestres de Foz Côa custam 125 mil euros a ciclistas

O Ministério Público (MP) deduziu acusação contra dois indivíduos que fizeram várias inscrições numa rocha do Parque Arqueológico do Vale do Côa classificado como Património Mundial pela UNESCO. O caso aconteceu durante um passeio de BTT …

Governo lança em 2020 campanha de sensibilização para o consumo de "informação séria"

O Governo anunciou na segunda-feira o lançamento, no início de 2020, de uma campanha de sensibilização que visa a convivência democrática entre uma "comunicação social livre e uma população formada e capaz de exigir e …

Novo Star Wars pode causar ataques epilépticos

A Walt Disney Studios e Epilepsy Foundation publicaram na sexta-feira passada um aviso a dar conta de que Star Wars: Rise of Skywalker contém "várias sequências de imagens com luzes intermitentes que podem afetar quem …

Arqueólogos ativaram (acidentalmente) as "bombas de mau cheiro" mais antigas do mundo

Arqueólogos do Reino Unido lançaram acidentalmente as "bombas de cheiro mais antigas do mundo" quando descobriram ovos de galinha com cerca de 1.700 anos. Durante o longo trabalho de escavação na cidade de Aylesbury, no condado …

Timor atribui nacionalidade a Max Stahl. Jornalista é reconhecido por luta pela libertação do país

O Parlamento Nacional timorense deliberou esta terça-feira, por unanimidade, atribuir a nacionalidade ao jornalista britânico Max Stahl, que filmou o massacre de Santa Cruz, em reconhecimento pelo seu papel na luta pela libertação de Timor-Leste. "É …

Benfica 3 - 0 Zenit | “Pizzão” aos russos vale Liga Europa

O Benfica garantiu o apuramento para a Liga Europa. A formação “encarnada” precisava de um enquadramento especial de resultados e tal acabou por acontecer. O Lyon empatou em casa com o Leipzig, enquanto a formação portuguesa …

Aldeia francesa proíbe habitantes de "morrer em suas casas aos sábados, domingos e feriados"

A presidente da junta de La Gresle, Isabelle Dugelet, assinou um decreto improvável que impede que os habitantes da aldeia francesa de morrer em casa aos fins de semana e feriados. "É proibido que os habitantes …

Lisboa-Porto por cinco euros. CP oferece 80% de desconto no Natal

A CP - Comboios de Portugal está a oferecer descontos de 80% em mais de 4.500 viagens de comboio até 15 de janeiro. Quem viajar de comboio no período de Natal e Ano Novo terá …

Transformer da vida real. Aquanaut é o robô que se transforma em submarino debaixo de água

https://vimeo.com/378556715 Um transformer da vida real: o novo robô autónomo Aquanaut consegue mudar de fisionomia num abrir e fechar de olhos. Num momento assume uma forma humanóide, semelhante a uma sereia, e no outro uma forma …