Desvendado o mistério das Cataratas de Sangue da Antártida

Peter Rejcek

-

As misteriosas Cataratas de Sangue (“Blood Falls”) estão localizadas no Lago Bonney, na Antártida e são conhecidas devido à água avermelhada que mancha o enorme Glaciar Taylor, que se estende 100 quilómetros através dos Montes Transantárticos.

Segundo os especialistas, quando o glaciar se estendia pelo continente há milhões de anos, prendeu um lago pequeno salgado sob várias camadas de neve e gelo. Deste modo, a água tornou-se cada vez mais concentrada, até ficar salgada demais para congelar a temperaturas normais.

Inicialmente, os cientistas pensavam que as algas vermelhas eram as responsáveis pela cor da água, mas agora sabemos que a coloração é o resultado, na verdade, de uma água salgada rica em ferro que oxida ao entrar em contacto com o ar, tal como a ferrugem.

E agora, um grupo de cientistas da Universidade do Alasca conseguiu finalmente descobrir de onde vem toda aquela água, através de um método chamado RES (radio-echo sounding).

A equipe movimentou as antenas do radar RES através do glaciar num padrão de grade, revelando uma imagem do que estava debaixo do gelo – e concluiu que o Taylor esconde uma rede de fendas onde o sal é injetado no gelo sob imensa pressão.

Depois, os cientistas investigaram o caminho de 300 metros que o sal faz pelos canais, até chegar ao topo das Cataratas de Sangue.

Esta descoberta também explica como é que água líquida – mesmo sendo super-salgada – consegue fluir através de um glaciar extremamente frio.

“Apesar de parecer estranho, a água liberta calor à medida que congela e esse calor aquece o gelo mais frio”, afirma a cientista Erin Pettit, co-autora do estudo publicado no Journal of Glaciology.

Mas este lago salgado não é tão morto como se pensava. Estudos anteriores já tinham concluído que é o lar de algumas bactérias extremamente resistentes que, como estão iIsoladas do mundo há milhares de anos, não tinham nada com que se alimentar, exceto sulfato de sódio.

Essas bactérias, presas sob o glaciar, sem luz nem oxigénio, começaram a reciclar o sulfato de sódio, reduzindo-o a sulfito – que reage com o alto teor de ferro da água, produzindo mais sulfato para se alimentarem.

Os cientistas pensam que esta adaptação surpreendente pode não ser limitada ao glaciar Taylor e é um exemplo de sobrevivência a longo prazo sob o gelo.

PARTILHAR

RESPONDER

Disney+ alerta para estereótipos racistas. Filmes clássicos com avisos sobre "maus tratos"

Embora já exibisse mensagens padrão desde o ano passado, a nova plataforma de vídeo Disney+ mostra agora um aviso, que não pode ser passado à frente, no início de vários filmes clássicos - como Dumbo …

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …