Descoberta a chave para salvar “O Grito” de Munch da degradação

WebMuseum at ibiblio / Wikimedia

“O Grito” (1893), de Edvard Munch

Uma equipa internacional de especialistas concluiu que é a humidade do ar que descolora “O Grito” (1893) do norueguês Edvard Munch, apontando a chave para salvar esta icónica pintura do século XIX da degradação.

Especialistas de Itália, Alemanha, Estados Unidos, França e do Museu Munch liderados pelo Comité Nacional de Pesquisa (CNR) de Itália chegaram a esta conclusão depois de analisarem micro-amostras de tinta com a ajuda de um acelerador de partículas.

Estudaram a natureza das partículas e a forma como se degradam ao longo do tempo

A nova investigação, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica Science Advances, concluiu que o sulfeto de cadmio utilizado na cor amarela oxida e desbota com altos níveis de humidade, causando a degradação da tinta.

Os especialistas acreditam que a luz – que durante muito tempo foi apontada como a principal causa da de gradação desta obra, levando mesmo à conservação do quadro no escuro – tem uma influência mínima na preservação das cores.

Por isso, os especialistas apontam a chave para salvar o icónico “O Grito”: uma humidade do ar inferior a 45% é essencial para que a pintura possa ser exibida sem correr riscos de degradação, podendo a luz continuar nos valores normais.

“As microanálises permitiram-nos descobrir a principal razão do declínio do quadro, que é a humidade. Também descobrimos que o impacto da luz no quadro é reduzido. Estou muito satisfeita com os resultados do nosso estudo e a forma como pode contribuir para preservar esta famosa obra de arte”, afirma uma das coordenadoras do estudo, Letizia Monico, no texto publicado pela revista Science Advances.

“Estes resultados trazem novos conhecimentos e vão permitir fazer ajustamentos na estratégia de conservação do museu“, acrescentou Irina Sandu, cientista conservadora do Museu Munch, num resultado que sublinha a cooperação frutuosa entre ciência e arte.

“Este estudo mostra que a arte e a ciência estão indissociavelmente ligadas e que a ciência é capaz de ajudar a preservar obras de arte para que o mundo possa continuar a admirá-las por muitos anos”, disse ainda Costanza Miliani, cientista e co-autor do estudo.

Ciência aliada à preservação

O estudo, observa a agência Lusa, poderá ajudar a preservar esta importante obra do século XX, que se admite ter sido concluída em 1910, na posse do Museu Munch, e que é raramente exposta ao público, devido à sua progressiva degradação.

“O Grito” é uma das mais famosas pinturas da era moderna, tendo sido apropriada pela cultura pop em todo o mundo, o que tem contribuído para a sua reprodução em todo o tipo de objetos e vestuário, dede canecas a ‘t-shirts’.

A imagem tem sido interpretada como uma representação simbólica da ansiedade e angústia humanas, e é vista como uma interpretação pessoal do artista norueguês que abriu caminho à corrente expressionista.

Existem várias versões da obra de Munch (1863-1944), nomeadamente duas pinturas, duas obras em pastel, várias litografias e alguns desenhos e esboços. A primeira pintura, datada de 1893, encontra-se na Galeria Nacional da Noruega, também em Oslo.

O Museu Munch detém a segunda versão, de 1910, e um pastel que se acredita ter sido um estudo da original. Um segundo pastel, datado de 1895, na posse de um colecionador privado, foi vendido em leilão pela Sotheby’s, em 2012, por cerca de 120 milhões de dólares (perto de 111 milhões de euros, ao câmbio atual).

Os especialistas acreditam que, nas duas mais conhecidas versões da obra – as pinturas de 1893 e 1910 -, o artista procurou e encontrou as cores exatas para representar a sua própria experiência, misturando tempera, óleo e pastel, com pigmentos sintéticos brilhantes para dar origem às “cores gritantes” pelas quais ficou conhecido “O Grito”.

No entanto, os materiais usados para criar esta luminosidade especial que lhe deu fama têm sido um desafio para os técnicos de restauro preservarem as obras a longo prazo.

A versão de “O Grito” que pertence ao Museu Munch, em Oslo, é a obra que se encontra com mais problemas. Exibe sinais claros de degradação em diferentes áreas, nas nuvens da paisagem e no pescoço da figura central, não apenas pelos materiais usados, mas também devido ao roubo de que foi alvo em 2004, quando ficou desaparecido e provavelmente desprotegido durante dois anos.

Desde a recuperação do quadro, raramente foi exposto ao público, e encontra-se protegido no museu, com condições controladas de luz, temperatura (cerca de 18 graus) e humidade relativa (50%). O novo estudo traz uma nova esperança para salvar esta obra.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Maria de Belém, Paulo Macedo, Adalberto Campos Fernandes. Marcelo chama seis ex-ministros a Belém

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai chamar a Belém seis ex-ministros do setor para falar sobre a resposta da Saúde durante a pandemia. De acordo com o semanário Expresso, Marcelo Rebelo de Sousavai …

Pai de Rosa Grilo constituído arguido por suspeita de favorecimento pessoal

O pai de Rosa Grilo, Américo Pina, foi esta quarta-feira constituído arguido num segundo processo relacionado com a morte do triatleta Luís Grilo. Segundo o jornal Público, a notícia foi confirmada por fonte próxima do processo, …

NOS e Vodafone vão partilhar equipamentos de redes móveis

A NOS e a Vodafone fecharam acordos com vista à partilha de infraestruturas e equipamentos de rede móvel, abrangendo as tecnologias 2G, 3G e 4G. A NOS e a Vodafone anunciaram um acordo de partilha de …

Eutanásia começa a ser discutida. Deputados consideram pergunta "confusa" e "não" é quase certo

A discussão sobre a eutanásia começa hoje no Parlamento e estende-se até sexta-feira. A proposta, que conta com o apoio da Igreja Católica, deve ser chumbada, tendo em conta os sentidos de voto já conhecidos, mas …

Cabrita mantém auditoria sobre falhas na GNR e PSP em segredo

A auditoria "Cartografia de Risco", feita pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) que detetou falhas na formação e organização na GNR e na PSP, continua em segredo no gabinete do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. Em …

Assassino publicou áudio a dizer que "vingou o profeta". Pai de aluna e dois menores podem ter sido cúmplices

O assassino do professor francês que mostrou caricaturas de Maomé numa aula divulgou uma mensagem de áudio nas redes sociais em que dizia ter vingado o profeta, após publicar uma fotografia da sua vítima, avança …

Avanços e ajustamentos em pezinhos de lã. Sem certezas, Governo tenta aproximar-se à esquerda

A tensão entre o PS e a esquerda já dura há duas semanas. O Governo já fez algumas cedências em troca do "sim" dos parceiros, mas falta a análise que tarda em chegar. Fonte do Governo …

"Bazuca" dá mais mil milhões para "revolução" nos transportes de Lisboa e Porto

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, diz que estamos perante uma "revolução" que vai mudar muito a circulação das pessoas em Lisboa e no Porto. O dinheiro vindo da União …

"Médicos pela Verdade". Ordem abre processo contra movimento que desvaloriza gravidade da covid-19

A Ordem dos Médicos abriu processos disciplinares a 7 médicos do movimento Médicos pela Verdade, grupo que desvaloriza a gravidade da covid-19 e se mostra contra o uso generalizado de máscaras e de testes de …

"Esta é a crise das nossas vidas". Vieira da Silva diz que chumbo do OE seria "dificilmente compreensível"

O ex-ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José António Vieira da Silva, elogiou, em entrevista ao jornal ECO, a proposta para Orçamento de Estado para 2021 (OE2021) e disse que seria "estranho" que não …