Degelo da Antártida pode provocar subida do nível do mar em 37cm

O degelo da Antártida poderá ser responsável por 37 centímetros do total da subida do nível do mar até ao final do século XXI, calculada em 1,2 metros, indica um estudo publicado esta quinta-feira.

O estudo, realizado pelo Instituto Potsdam para a Pesquisa dos Impactos das Mudanças Climáticas, que foi publicado esta quinta-feira na revista científica Dinâmica de Sistemas da Terra, da União Europeia de Geociências, avança que a contribuição do degelo antártico para a subida global do nível do mar poderá ser mais do dobro do que era estimado até agora (entre um e 16 centímetros) e poderá afetar 70% da população mundial.

O estudo, que foi orientado pelo cientista Anders Levermann, analisa 19 modelos de clima, análises oceanográficas e registos de satélites das últimas duas décadas, concluiu que a contribuição do degelo da Antártida pode chegar a 37 centímetros em 2100.

pik-potsdam.de

Anders Levermann, investigador da Universidade de Potsdam

Anders Levermann, investigador da Universidade de Potsdam

A aplicação destes modelos “melhorou as últimas previsões” e permitirá entender com maior precisão como isso afetará o fluxo de água cada vez mais quente do oceano que está a derreter a periferia do chamado continente de gelo, explicou Anders Levermann, citado pela agência espanhola EFE.

Os resultados do estudo do Instituto Potsdam são baseados em modelos de simulação de computador e as previsões estão limitadas ao século XXI.

Segundo o investigador, se as emissões de gases de efeito estufa continuarem a crescer ao ritmo atual, o degelo da Antártida, que presentemente contribui em 10 por cento para a subida do nível do mar, pode em breve tornar-se a principal causa para a subida das águas costeiras.

“Estamos a falar de um aumento muito significativo, o que representa um risco para cidades como Pequim ou Nova Iorque, e devem ser tidos em conta pelas autoridades porque têm enormes implicações”, acrescentou Anders Levermann.

Segundo o estudo, mesmo no melhor cenário em que os Estados coloquem em prática medidas rigorosas para combater as alterações climáticas e tenham sucesso no sentido de a temperatura global não subir além dos dois graus até ao final do século, o aquecimento já acumulado na atmosfera continuará a derreter a Antártida.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …

Associação alerta para riscos da mudança da hora em tempos de confinamento

O presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono advertiu hoje que os efeitos potencialmente adversos causados pela mudança da hora podem acentuar-se devido ao confinamento obrigatório das pessoas na sequência da pandemia …

Governo português legaliza estrangeiros ilegais. "A prioridade é a defesa da saúde"

O Governo português decidiu regularizar os estrangeiros com pedidos pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, medida em vigor desde a declaração do estado de emergência, no dia 19, e que lhes garante os mesmos …