Daqui a 50 anos toda a gente vai ter cancro, mas “não vamos morrer disso”

(dr) Egídio Santos / U.Porto

Sobrinho Simões tem uma carreira de mais de 40 anos dedicada ao ao ensino e à investigação em Patologia

Sobrinho Simões tem uma carreira de mais de 40 anos dedicada ao ao ensino e à investigação em Patologia.

Manuel Sobrinho Simões é considerado o patologista mais influente do mundo, mas mesmo assim, confessa que tem “medo grande” do cancro. Até porque tem a certeza de que “daqui a 50 anos toda a gente” vai sofrer desta doença.

Médico, professor, investigador e fundador do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (IPATIMUP), onde é director, Manuel Sobrinho Simões vaticina, numa entrevista ao jornal Expresso, que, a breve prazo, “alguns cancros vão” ter cura.

Mas essa realidade só será possível em casos “iniciais”, diz, assumindo que tem um “medo grande” de ter cancro por ser “uma doença terrível“, sobre a qual não se pode ter “um controlo absoluto num estado avançado”.

De qualquer modo, segundo Sobrinho Simões, os cancros “na sua maioria, vão ser tratáveis, inicialmente com cirurgia”, porque os diagnósticos precoces vão tornar-se cada vez mais frequentes.

Depois, “muitos cancros vão ser progressivamente transformados em doenças crónicas”, nota Sobrinho Simões, realçando que esta realidade já ocorre, hoje em dia, com os cancros do intestino, da mama e da próstata.

Consequências de “esticar a vida de forma indecente”

Aquele que, em 2015, foi considerado o patologista mais influente do mundo, acredita que “daqui a 50 anos toda a gente vai ter” cancro e “mais do que um” tipo desta doença. “As pessoas que têm um, têm mais riscos de ter um segundo”, justifica.

Uma circunstância que está directamente relacionada com o facto de “estarmos a durar mais”, nota Sobrinho Simões.

“O cancro é uma doença da velhice e é por isso que não está a diminuir”, aponta, realçando que “se fosse uma doença das crianças, ela interferia com a reprodução e estava a diminuir, porque as pessoas com susceptibilidade para ter cancro morriam cedo, antes de terem filhos”.

“Estamos a ter muitos cancros porque estamos a esticar a vida de uma forma indecente”, acrescenta o investigador português, destacando, por outro lado, que “a mortalidade por cancro está a diminuir em todo o mundo”.

Em Portugal, em 2016, registaram-se “25 mil mortos e 50 e tal novos casos” de cancro, uma estatística que reflecte aquela que Sobrinho Simões considera ser a tendência do futuro.

O médico acredita que haverá um aumento crescente dos “cancros de pessoas de muita idade” que “não vão matar” esses idosos.

“Velhinhos de 100 anos, têm todos cancro da próstata”, realça, sublinhando que estamos a falar de “cancros pequeninos” e que “nem vale a pena” tratar porque estes doentes “vão morrer de outra coisa”.

“A pessoa vai morrer não de cancro, nem de doenças neuro-degenerativas, mas de infecções respiratórias – as gripes, as pneumonias -, doenças que antigamente não eram tão importantes assim, porque as pessoas não viviam tanto tempo”, sustenta Sobrinho Simões.

“Nenhum alimento por si só faz muito mal”

O patologista não nega a importância que factores como o estilo de vida, a dieta alimentar, bem como vícios como o tabaco e o álcool, podem ter para o aparecimento de cancro. Mas para ele é certo que tem tudo a ver com a idade e com o facto de os “mecanismos de reparação do ADN” irem falhando à medida que se envelhece.

“O aumento exponencial dos erros não reparados [do ADN] faz com que um velhinho seja uma receita para o desastre“, sustenta Sobrinho Simões.

Ele também considera que causas como a “exposição disparatada ao sol, o tabaco, o álcool em excesso” e “infecções víricas do colo do útero, do pénis ou do fígado” podem contribuir mais para o aparecimento de casos de cancro em idades mais precoces do que propriamente a dieta alimentar ou o estilo de vida.

Não é verdade que consumir carne provoca cancro, só quando há grandes excessos”, aponta o médico nesta entrevista ao Expresso, relevando que “nunca se provou” que as carnes vermelhas sejam mais tóxicas”. O problema “é a quantidade”, diz.

Sobrinho Simões também defende que há uma “tendência para valorizar os alimentos porque está na moda”. E assim, diz que há ideias erradas como a de que “o alho faz muito bem”.

“Não há nenhum alimento que, por si só, faça muito bem ou muito mal”, defende o médico, notando que o essencial é o “equilíbrio”, fazer “exercício físico e evitar a obesidade” e ter, no fundo, “bom senso comportamental”.

SV, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O melhor mesmo é morrer aos 70 anos, no máximo aos 80, se se tiver saúde. Viver mais tempo do que isso é muito penoso e um grandecíssimo sarilho.

RESPONDER

SpaceX envia recorde de 143 satélites e cinzas humanas num único foguete

A SpaceX enviou no domingo um recorde de 143 satélites num único foguete, como parte do novo programa de carga partilhada entre empresas a um custo mais baixo, entre elas a funerária Celestis, que mandou …

Viagens de residentes caíram 84,8% para fora e 18,5% em Portugal no 3.º trimestre de 2020

As viagens turísticas de residentes em Portugal diminuíram 84,8% com destino ao estrangeiro e 18,5% em território nacional, no terceiro trimestre de 2020, em termos homólogos, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE). Segundo as …

Santander encerrou 60 balcões em 2020 e prevê fechar mais 30 até março

O Santander encerrou 60 balcões em 2020 e estima fechar mais cerca de 30 este trimestre, numa adaptação ao modelo de negócio que diz obrigatória para sobreviver. A Comissão Executiva do Santander, que assina a carta enviada …

Instituto Pasteur interrompe desenvolvimento de vacina

O Instituto Pasteur anunciou esta segunda-feira ter parado o desenvolvimento do seu principal projeto de vacina contra a covid-19, porque os primeiros ensaios demonstraram ser menos eficaz do que se esperava. Um outro agente francês, o …

Maduro anuncia "gotas milagrosas" 100% eficazes contra a covid-19

Este domingo, o Presidente venezuelano Nicolás Maduro apresentou um suposto medicamento desenvolvido no país que descreveu como "gotas milagrosas", 100% eficazes contra a covid-19. O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, apresentou este domingo umas gotas que …

Associação de Juízes pede urgência na aprovação de lei sobre suspensão de prazos processuais

A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) pediu esta segunda-feira ao Governo e ao parlamento a "maior urgência" na aprovação da proposta de lei que determina a suspensão dos prazos nos processos judiciais não urgentes. Segundo …

Marisa Matias e João Ferreira ficam sem subvenção pública

As candidaturas de João Ferreira e Marisa Matias não vão receber a subvenção pública para financiar as suas campanhas eleitorais, uma vez que ficaram abaixo dos 5%, a fasquia imposta pela lei para ter acesso …

Misericórdias de Viseu apelam ao bom senso na vacinação

O presidente do secretariado regional de Viseu da União das Misericórdias disse esta segunda-feira à agência Lusa que na vacinação contra a covid-19 “tem de haver bom senso” e explicou que, quando sobram vacinas, “têm …

Quatro futebolistas e presidente do Palmas morrem em queda de avioneta no Brasil

Quatro futebolistas e o presidente do Palmas morreram ontem num acidente de aviação a caminho de Goiânia, onde a equipa da quarta divisão brasileira ia defrontar o Vila Nova na Taça Verde. "Lamentamos informar que não …

Marcelo bate recorde de Mário Soares. É o primeiro a ganhar em todos os concelhos

Marcelo Rebelo de Sousa foi o primeiro candidato a ganhar todos os concelhos numas eleições presidenciais em democracia. O candidato a Presidente da República e reeleito para o cargo, Marcelo Rebelo de Sousa, ganhou a votação …