Curado o segundo paciente com VIH. Primeira remissão do vírus aconteceu há 12 anos

Marcelo Camargo / ABr

Um doente anónimo afetado com o vírus da imunodeficiência humana (VIH), que está a ser referido pelo nome de ”paciente de Londres”, foi curado.

É a segunda pessoa em 12 anos a ver-se livre do vírus através de tratamentos médicos, depois de uma investigação que falhou várias vezes. Agora, apesar de os investigadores dizerem que é muito cedo para dizer que ”é uma cura”, muitos especialistas consideram que este é o caminho.

O ”London pacient”, segundo a BBC, tinha VIH desde 2003 e Linfoma de Hodgkin, um cancro que pode ser curado numa fase precoce, desde 2012. O tratamento era destinado a tratar o cancro, mas acabou também por curar o vírus da imunodeficiência humana do doente, avança o The New York Times.

Em 2016, concordou em ser submetido a um transplante de células estaminais para tratar o cancro. Os médicos assistentes conseguiram encontrar um doador com a mutação genética que confere resistência natural ao VIH. Cerca de 1% dos descendentes de pessoas do Norte da Europa herdaram a mutação dos dois pais e são imunes à maioria do VIH.

O transplante mudou o sistema imunitário do “paciente de Londres”, que voluntariamente deixou de tomar a medicação contra o VIH para ver se o vírus reaparecia. Habitualmente, os doentes com VIH têm de tomar medicação diária para controlar o vírus, que ressurge, normalmente em duas ou três semanas, quando essa medicação é suspensa. O “paciente de Londres” está há 18 meses sem tomar medicação e sem vestígios do VIH.

”Sinto responsabilidade em ajudar os médicos a entender como a cura aconteceu para que possam desenvolver a pesquisa”, contou ao jornal. “Nunca pensei que haveria uma cura para a SIDA enquanto eu fosse vivo”, acrescentou.

Há 12 anos, o norte-americano Timothy Ray Brown foi a primeira pessoa a ser tratada e seguiu o mesmo procedimento, mas recebeu um tratamento mais agressivo: fez dois transplantes e uma radioterapia.

”Ao atingir a remissão do vírus num segundo paciente ao usar uma abordagem semelhante, mostramos que não era uma anomalia e que realmente eram as abordagens terapêuticas que eliminavam o HIV nessas duas pessoas”, disse o principal autor do estudo, Ravindra Gupta.

O The New York Times salvaguarda, contudo, que é improvável que o transplante de medula óssea – arriscado e com efeitos severos que podem durar anos – seja uma opção de tratamento realista num futuro próximo, em que vão estar disponíveis medicamentos poderosos para controlar o VIH.

Esta terça-feira vai ser publicado o relatório dos resultados no jornal Nature e vão ser apresentados alguns detalhes e conclusões na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas, em Seattle, nos EUA.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Astrónomos detetam o quasar mais distante e antigo do Universo

Uma equipa de astrónomos conseguiu detetar o mais distante e antigo quasar do Universo. Chama-se J0313-1806 e localiza-se a mais de 13 mil milhões de anos-luz da Terra. Os quasares são objetos energéticos e muito brilhantes. …

Harry Potter. HBO Max trabalha em possível série de televisão

A saga Harry Potter pode estar a caminho da televisão. Segundo o The Hollywood Reporter (THR), o projeto ainda está em fase inicial, mas os diretores executivos da HBO Max já estão em reuniões com …

Intrigante sistema de seis exoplanetas com movimentos rítmicos desafia teorias de formação planetária

Com o auxílio de vários telescópios, incluindo o VLT (Very Large Telescope) do Observatório Europeu do Sul (ESO), os astrónomos descobriram um sistema com seis exoplanetas, cinco dos quais estão presos numa dança rítmica rara …

Boavista 0-2 Sporting | Leões garantem dérbi confortável

O Sporting cumpriu a sua “obrigação” e foi vencer por 2-0 a casa do Boavista, numa 15ª jornada fundamental, uma vez que na próxima segunda-feira a formação de Alvalade recebe o Benfica, no grande dérbi …

Violino põe em risco compromisso da Alemanha de devolver objetos saqueados pelos nazis

Um violino com 300 anos está no centro de uma disputa que ameaça minar o compromisso da Alemanha em devolver objetos saqueados pelos nazis. Ninguém sabe por que Felix Hildesheimer, um negociante de instrumentos musicais judeu, …

Consumo de álcool aumentou durante a pandemia de covid-19

Embora o consumo de álcool tenha aumentado mais entre os jovens, os adultos mais velhos, sobretudo os que sofrem de ansiedade e depressão, também revelaram estar dentro desta tendência. “O aumento do consumo de álcool, especialmente …

Alphabet diz adeus ao Loon, projeto que queria espalhar Internet através de balões

O projeto da Alphabet que tinha como objetivo levar Internet às partes mais remotas do mundo "perdeu o fôlego" e os seus responsáveis decidiram pôr-lhe um ponto final. Num comunicado divulgado na última sexta-feira, Alastair Westgarth, …

Estudo identifica cidades europeias com maior mortalidade devido à poluição do ar

Madrid, Antuérpia e Torino (em Espanha, Bélgica e Itália, respetivamente) lideram o ranking de mortes associadas à poluição por dióxido de azoto (NO2). Já a maior mortalidade atribuível a partículas finas é encontrada em cidades …

Fim do Flash Player colapsou sistema de estação ferroviária chinesa

O sistema ferroviário na cidade de Dalian, no nordeste da China, ficou paralisado por causa da desativação do programa Flash Player da Adobe. A Adobe encerrou o suporte técnico do seu player de multimédia Flash Player …

Eis o que o mundo pode aprender com o confinamento da China

O confinamento na China tem apresentado resultados excecionais no controlo da pandemia, à custa da perda de liberdade das pessoas. Ainda assim, há muito que se pode aprender com o exemplo chinês. Colocar o autoritarismo contra …