Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Richard Ling / Flickr

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos.

A compreensão das tendências oceânicas é importante para avaliar as ameaças atuais aos sistemas marinhos, e as doenças são uma importante sentinela da mudança.

A equipa de Drew Harvell, professor na Cornell University, examinou vários relatórios de doenças infecciosas marinhas de 1970 a 2013, que transcendem as flutuações de curto prazo e as variações regionais. Os resultados da investigação foram publicados no dia 9 de outubro na Proceedings of Royal Society B.

Para corais e ouriços, os relatos de doenças infecciosas aumentaram no período de 44 anos. Nas Caraíbas, os crescentes relatos de doenças de corais correlacionaram-se com eventos de aquecimento. Já se sabia que o branqueamento de corais aumenta com o aquecimento, mas Harvell explicou que a equipa estabeleceu uma conexão de longo prazo entre o aquecimento e as doenças dos corais.

“Associamos finalmente um assassino de corais como uma doença infecciosa a ataques repetidos de aquecimento ao longo de quatro décadas de mudança”, disse. “O nosso estudo mostra que os relatórios de doenças infecciosas estão associados a anomalias de temperatura quente em corais, numa escala multi-decadal”, acrescentou, citado pelo Phys.org.

Ao longo dos 44 anos, os relatórios de doenças diminuíram em peixes e elasmobrânquios (tubarões e raias). Contudo, uma diminuição das doenças nos peixes não é necessariamente uma boa notícia, uma vez que esse valor pode ser explicado pela sobrepesca e pode ser um sinal de perturbação ecológica.

“As doenças são importantes para manter os ecossistemas marinhos saudáveis, uma vez que os parasitas desempenham um papel importante na regulação das populações”, explicou. “É possível que muitas populações de peixes estejam agora muito esgotadas para suportar níveis normais de doença, respondendo pela diminuição a longo prazo nos relatórios.”

Estes resultados ajudam os cientistas a perceber de que forma os ambientes em mudança alteram as interações das espécies e fornecem uma base sólida para a saúde da vida marinha. Os anos estudados “precedem as grandes ondas de calor de 2015, 2016 e 2019 que devem desencadear mais surtos”.

“Ao detetar estas mudanças nas doenças, os nossos resultados oferecem uma visão rara das tendências de longo prazo e vinculam a mudança do ambiente marinho ao risco de doença”, afirmou Allison Tracy, outra autora do estudo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O Ártico pode ficar sem gelo no verão de 2044

As mudanças climáticas provocadas pelo Homem estão muito perto de tornar o Ártico livre de gelo, já a partir do verão de 2044. Um artigo científico, publicado recentemente na Nature Climate Change por investigadores da Universidade …

Estamos sozinhos no Universo? Cientistas detalham que exoplanetas poderiam albergar vida

Através da modelagem climática, uma equipa de cientistas da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos, apontou que tipo de planetas têm maior probabilidade de serem habitáveis. A descoberta pode ajudar os astrónomos a selecionar áreas …

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …