O coração pode ser programado para sobreviver sem oxigénio

Pela primeira vez, cientistas da Universidade de Manchester e da Universidade do Norte do Texas, nos Estados Unidos, mostraram que um coração vivo embrionário pode ser programado para sobreviver aos efeitos de um ambiente de baixo oxigénio na vida adulta.

O estudo, que foi conduzido em tartarugas jovens, explica os mecanismos biológicos do coração que ajudam estes animais a sobreviver até seis meses sem oxigénio. Os cientistas têm esperança que esta nova investigação possa ser traduzida em novos tratamentos que aliviem os danos causados pela hipóxia.

Os investigadores pensam que é a exposição a baixos níveis de oxigénio durante o desenvolvimento embrionário que programa os corações das tartarugas para serem mais resistentes ao que é conhecido como hipóxia o resto de suas vidas.

A hipóxia é uma condição em que o suprimento de oxigénio é insuficiente para as funções normais do dia-a-dia. A exposição à hipóxia durante o desenvolvimento causa mudanças epigenéticas no genoma que podem ativar ou desativar genes, que são vitais para a capacidade surpreendente das células cardíacas da tartaruga de tolerar oxigénio zero.

“As tartarugas são criaturas incríveis que conseguem sobreviver por longos períodos sob o gelo ou a profundidades onde há pouco oxigénio. Estamos empolgados com o facto de sermos os primeiros a mostrar que é possível alterar o grau de tolerância que as tartarugas têm para ambientes com baixo teor de oxigénio devido à exposição precoce à hipóxia durante o seu desenvolvimento”, explica lan Ruhr, da Universidade de Manchester.

O objetivo dos cientistas era isolar as assinaturas epigenéticas que ajudam as tartarugas a sobreviver durante tanto tempo sem oxigénio, na esperança de desenvolver medicamentos epigenéticos capazes de ativar a tolerância a ambientes com baixo oxigénio nos corações dos seres humanos.

O grupo de cientistas isolou células do músculo cardíaco das tartarugas que viviam, enquanto embriões, em níveis médios de oxigénio de 21% ou até metade (10%). Além disso, submeteram os animais a níveis mais baixos de oxigénio enquanto mediam o cálcio intracelular, pH e oxigénio reativo – uma molécula que todos nós podemos tornar tóxica quando o tecido é reoxigenado muito rapidamente.

Anatomicamente, as células cardíacas das tartarugas e dos humanos são muito semelhantes. “Se conseguirmos entender quais os fatores que permitem que estes animais sobrevivam num ambiente sem oxigénio, esperamos poder aplicar o mesmo a um cenário médico”, adiantou Gina Galli, da Universidade de Manchester, citada pelo Tech Explorist.

“O estudo mostrou que a exposição precoce à hipóxia nestes animais reduz o número de espécies reativas de oxigénio que poderiam proteger os seus miofilamentos de danos e permite que as tartarugas se contraiam na completa ausência de oxigénio”, explicou a cientista. O artigo cientifico foi publicado na Proceedings of the Royal Society B.

“Um medicamento capaz de ativar os mecanismos para proteger o coração humano da privação de oxigénio seria de enorme benefício”, uma vez que poderia, por exemplo, proteger os indivíduos em risco de ataque cardíaco ou proteger órgãos para transplante.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Descobertas oito novas fontes de Explosões Rápidas de Rádio vindas do Espaço

As Explosões Rápidas de Rádio (Fast Radio Bursts, FRBs) são dos enigmas mais intrigantes da astronomia moderna. Estes sinais de rádio, por norma, duram milésimos até desaparecer, mas alguns repetem-se de forma irregular. Desde a descoberta …

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …