O coração pode ser programado para sobreviver sem oxigénio

Pela primeira vez, cientistas da Universidade de Manchester e da Universidade do Norte do Texas, nos Estados Unidos, mostraram que um coração vivo embrionário pode ser programado para sobreviver aos efeitos de um ambiente de baixo oxigénio na vida adulta.

O estudo, que foi conduzido em tartarugas jovens, explica os mecanismos biológicos do coração que ajudam estes animais a sobreviver até seis meses sem oxigénio. Os cientistas têm esperança que esta nova investigação possa ser traduzida em novos tratamentos que aliviem os danos causados pela hipóxia.

Os investigadores pensam que é a exposição a baixos níveis de oxigénio durante o desenvolvimento embrionário que programa os corações das tartarugas para serem mais resistentes ao que é conhecido como hipóxia o resto de suas vidas.

A hipóxia é uma condição em que o suprimento de oxigénio é insuficiente para as funções normais do dia-a-dia. A exposição à hipóxia durante o desenvolvimento causa mudanças epigenéticas no genoma que podem ativar ou desativar genes, que são vitais para a capacidade surpreendente das células cardíacas da tartaruga de tolerar oxigénio zero.

“As tartarugas são criaturas incríveis que conseguem sobreviver por longos períodos sob o gelo ou a profundidades onde há pouco oxigénio. Estamos empolgados com o facto de sermos os primeiros a mostrar que é possível alterar o grau de tolerância que as tartarugas têm para ambientes com baixo teor de oxigénio devido à exposição precoce à hipóxia durante o seu desenvolvimento”, explica lan Ruhr, da Universidade de Manchester.

O objetivo dos cientistas era isolar as assinaturas epigenéticas que ajudam as tartarugas a sobreviver durante tanto tempo sem oxigénio, na esperança de desenvolver medicamentos epigenéticos capazes de ativar a tolerância a ambientes com baixo oxigénio nos corações dos seres humanos.

O grupo de cientistas isolou células do músculo cardíaco das tartarugas que viviam, enquanto embriões, em níveis médios de oxigénio de 21% ou até metade (10%). Além disso, submeteram os animais a níveis mais baixos de oxigénio enquanto mediam o cálcio intracelular, pH e oxigénio reativo – uma molécula que todos nós podemos tornar tóxica quando o tecido é reoxigenado muito rapidamente.

Anatomicamente, as células cardíacas das tartarugas e dos humanos são muito semelhantes. “Se conseguirmos entender quais os fatores que permitem que estes animais sobrevivam num ambiente sem oxigénio, esperamos poder aplicar o mesmo a um cenário médico”, adiantou Gina Galli, da Universidade de Manchester, citada pelo Tech Explorist.

“O estudo mostrou que a exposição precoce à hipóxia nestes animais reduz o número de espécies reativas de oxigénio que poderiam proteger os seus miofilamentos de danos e permite que as tartarugas se contraiam na completa ausência de oxigénio”, explicou a cientista. O artigo cientifico foi publicado na Proceedings of the Royal Society B.

“Um medicamento capaz de ativar os mecanismos para proteger o coração humano da privação de oxigénio seria de enorme benefício”, uma vez que poderia, por exemplo, proteger os indivíduos em risco de ataque cardíaco ou proteger órgãos para transplante.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bomba junto a escola em Cabul, no Afeganistão, causa 25 mortos e 50 feridos

A explosão de uma bomba junto a uma escola na zona ocidental de Cabul provocou hoje pelo menos 25 mortes, muitos deles jovens estudantes, e 50 feridos, adiantou uma fonte do Governo do Afeganistão. Segundo avança …

Tamám Shud. Exumação de corpo pode resolver um estranho mistério com 70 anos

As autoridades da Austrália aprovaram uma exumação do corpo de Tamám Shud - ou "Homem de Somerton" - e, em breve, o mistério de 70 anos pode estar resolvido. Em 30 de novembro de 1948, vários …

Costa, Von der Leyen na Cimeira Social no Porto

Vacinação no bom caminho com 25% da população da UE vacina

A Comissão Europeia anunciou este sábado que 200 milhões de doses de vacinas anticovid-19 chegaram já à União Europeia (UE) e 160 milhões de europeus já receberem a primeira dose, levando a que a vacinação …

Libertados nos EUA os primeiros mosquitos geneticamente modificados

Foi a primeira vez que mosquitos geneticamente modificados foram libertados nos Estados Unidos. O objetivo é suprimir populações de mosquitos transmissores de doenças. De acordo com o site Live Science, a empresa de biotecnologia Oxitec lançou …

Descobertos os restos de nove Neandertais numa gruta em Itália

Os restos de nove Neandertais foram descobertos na Gruta de Guattari, em San Felice Circeo, na costa entre Roma e Nápoles, onde já tinham sido encontrados vestígios da presença Neandertal, anunciou este sábado o ministro …

Leis draconianas na Malásia. Fahmi Reza foi detido por insultar a rainha com playlist no Spotify

A sátira desempenha um importante papel na sociedade. Na Malásia, as leis draconianas estão a reacender o debate em torno da liberdade de expressão. Fahmi Reza, um artista gráfico e ativista social malaio, foi detido no …

António Barreto

Portugal vai ter "um problema de cor de pele" (por muitos anos e com conflitos)

O sociólogo António Barreto considera que Portugal vai "ter um problema" de "cor de pele" e "por muitos anos". Uma ideia defendida numa entrevista onde se reporta para "o que se passa em toda a …

Um laboratório vivo. Há residentes "superimunes" à covid-19 numa pequena cidade italiana

A pequena cidade de Vo, no norte de Itália, tornou-se um dos primeiros locais com um surto de covid-19 da Europa em fevereiro de 2020. Agora, os cientistas descobriram que a cidade abriga um número …

Portugal com duas mortes e 406 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal registou hoje duas mortes atribuídas à covid-19, 406 novos casos de infeção pelo coronavírus e nova descida no número de internamentos em enfermaria e em cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo …

Portugal "tem nível de rendimentos baixíssimo". Muitos municípios que perdem população desde o final II Guerra

Portugal tem municípios que perdem população desde o final da II Guerra Mundial e dificilmente fenómenos como o teletrabalho irão alterar esta paisagem, na opinião do geógrafo Álvaro Domingues, da Universidade do Porto. Em entrevista à …