Congo corta acesso à Internet durante as eleições para evitar “revolta popular”

Stefan Kleinowitz / EPA

O envio de mensagens de texto de telemóvel foi também cortado

O acesso à Internet foi cortado pelas autoridades da República Democrática do Congo para evitar “uma revolta popular”, no momento crucial da centralização dos resultados das eleições presidenciais de domingo.

A suspensão do acesso à Internet e às redes sociais já tinha sido noticiada na terça-feira, pela agência francesa AFP. O envio de mensagens escritas de telemóvel também é impossível desde segunda-feira à tarde.

“O conselho nacional de segurança decidiu que era imperativo cortar a Internet, para permitir à comissão eleitoral nacional independente terminar a contagem e codificação dos resultados eleitorais”, disse à AFP Barnabe Kikaya bin Karubi, conselheiro diplomático do ainda Presidente, Joseph Kabila, sem adiantar a duração prevista do corte.

“Há pessoas que intoxicam a população com falsos dados sobre as eleições e isso abre caminho a uma revolta popular”, justificou.

Segundo constatou a AFP no local, algumas pessoas tentavam aceder à rede nos poucos grandes hotéis de Kinshasa, a capital, onde a Internet ainda está disponível, enquanto outras compravam, a preços elevados, pacotes de dados de operadoras da vizinha República do Congo.

Difícil está também, pelo menos na capital, ouvir a Radio France Internationale, que dedicou várias edições especiais às eleições na República Democrática do Congo, o maior país francófono do mundo, com oito a doze milhões de habitantes, onde tem uma significativa audiência.

O corte no acesso à Internet deu origem às primeiras reações diplomáticas após as eleições de domingo, com a comunidade internacional a apelar às autoridades congolesas para reverterem a decisão.

A missão da Igreja Católica – única missão nacional acreditada para a observação eleitoral, que mobilizou 40 mil observadores no terreno — já comunicou ter detetado algumas anomalias no decorrer da contagem de votos e sinalizou problemas como falta de boletins e máquinas de voto, atrasos na abertura das urnas e dificuldades com as listas eleitorais.

As eleições ficaram marcadas por vários incidentes violentos entre militantes opositores, que causaram, pelo menos, quatro mortos.

Mais de 39 milhões de congoleses foram chamados às urnas no domingo para escolher o sucessor do presidente Joseph Kabila, obrigado pela Constituição e pela opinião pública a não se recandidatar, e também os deputados nacionais e provinciais de 75.781 colégios eleitorais.

O delfim de Kabila, Emmanuel Ramazani Shadary, é um dos candidatos, a par com dois opositores, Félix Tshisekedi e Martin Fayulu, cuja campanha acusou as autoridades de quererem, com o corte da Internet, evitar a difusão de uma “vaga” de manifestações que confirmaria “a vitória esmagadora” do candidato.

Se não acontecerem imprevistos, o novo presidente assumirá o cargo a 18 de janeiro. Os resultados provisórios “serão divulgados no domingo, o mais tardar”, confirmou terça-feira a comissão eleitoral nacional independente.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Par de patinadores no gelo mais medalhado de sempre anuncia fim da carreira

Os canadianos Tessa Virtue e Scott Moir, o par de patinadores no gelo mais medalhado da história do olimpismo, anunciaram esta quarta-feira o fim da carreira. “Olá a todos. Temos novidades para todos os que nos …

Elon Musk é o líder mais inspirador da tecnologia da atualidade

Elon Musk foi nomeado o líder mais inspirador no setor da tecnologia, de acordo com um estudo publicado pela Hired, uma plataforma para contratação de pessoal em 14 cidades em todo o mundo. O estudo, chamado …

De portas abertas para quem precisa. Frigoríficos solidários crescem em Paris

A Cantina do 18.º bairro parisiense foi o primeiro espaço deste projeto solidário, inaugurado há dois anos. Atualmente existem 38 restaurantes em França que acolhem os frigoríficos solidários. Em dois anos, o projeto dos frigoríficos solidários …

Imigrante do Bangladesh em Itália encontra e devolve carteira com 2 mil euros

Mossan Rasal, um bangladeshiano de 23 anos que vive em Roma, encontrou na rua uma carteira com dois mil euros, documentos de identificação, cartões de crédito, carta de condução. Em vez de retirar o dinheiro e …

Austrália conclui que China foi responsável por ciberataque ao parlamento

A agência de inteligência cibernética da Austrália (ASD) concluiu que a China foi a responsável por um ataque informático, no início deste ano, contra o parlamento nacional. Os serviços de inteligência australianos (Australian Signals Directorate) concluíram …

"A bola apenas bateu no peito". VAR admite erro no penálti do Portimonense-FC Porto

O vídeo-arbitro do encontro entre Portimonense e FC Porto, Vasco Santos, admitiu esta quarta-feira que não existiu razão para assinalar grande penalidade a favor do clube portista. "No momento em que o árbitro apita fiquei com …

Na Índia, usar cigarros eletrónicos já pode dar prisão

O Governo indiano anunciou esta quinta-feira a proibição de cigarros eletrónicos no país, de 1,3 mil milhões de pessoas, numa ação que pretende ser a favor da saúde e contra os vícios. "A decisão foi tomada …

Iñaki Urdangarín pode sair da prisão dois dias por semana

Detido na cadeia de Brieva, Ávila, há 15 meses, Iñaki Urdangarín, cunhado do rei de Espanha, soube esta terça-feira que poderá sair da prisão duas vezes por semana para fazer voluntariado numa instituição que ajuda …

Criança com anemia aplástica grave submetida a transplante inédito em Portugal

Um menino de quatro anos com anemia aplástica grave foi submetido a um transplante com células estaminais de sangue do próprio cordão umbilical, um tratamento inédito em Portugal realizado no Instituto Português de Oncologia (IPO) …

Renováveis baixaram fatura da luz em 2,4 mil milhões na última década

A produção de eletricidade a partir de fontes renováveis permitiu ao sistema elétrico português acumular uma poupança de 2,4 mil milhões de euros ao longo dos últimos 10 anos. Esta é a principal conclusão de um …