Congo corta acesso à Internet durante as eleições para evitar “revolta popular”

Stefan Kleinowitz / EPA

O envio de mensagens de texto de telemóvel foi também cortado

O acesso à Internet foi cortado pelas autoridades da República Democrática do Congo para evitar “uma revolta popular”, no momento crucial da centralização dos resultados das eleições presidenciais de domingo.

A suspensão do acesso à Internet e às redes sociais já tinha sido noticiada na terça-feira, pela agência francesa AFP. O envio de mensagens escritas de telemóvel também é impossível desde segunda-feira à tarde.

“O conselho nacional de segurança decidiu que era imperativo cortar a Internet, para permitir à comissão eleitoral nacional independente terminar a contagem e codificação dos resultados eleitorais”, disse à AFP Barnabe Kikaya bin Karubi, conselheiro diplomático do ainda Presidente, Joseph Kabila, sem adiantar a duração prevista do corte.

“Há pessoas que intoxicam a população com falsos dados sobre as eleições e isso abre caminho a uma revolta popular”, justificou.

Segundo constatou a AFP no local, algumas pessoas tentavam aceder à rede nos poucos grandes hotéis de Kinshasa, a capital, onde a Internet ainda está disponível, enquanto outras compravam, a preços elevados, pacotes de dados de operadoras da vizinha República do Congo.

Difícil está também, pelo menos na capital, ouvir a Radio France Internationale, que dedicou várias edições especiais às eleições na República Democrática do Congo, o maior país francófono do mundo, com oito a doze milhões de habitantes, onde tem uma significativa audiência.

O corte no acesso à Internet deu origem às primeiras reações diplomáticas após as eleições de domingo, com a comunidade internacional a apelar às autoridades congolesas para reverterem a decisão.

A missão da Igreja Católica – única missão nacional acreditada para a observação eleitoral, que mobilizou 40 mil observadores no terreno — já comunicou ter detetado algumas anomalias no decorrer da contagem de votos e sinalizou problemas como falta de boletins e máquinas de voto, atrasos na abertura das urnas e dificuldades com as listas eleitorais.

As eleições ficaram marcadas por vários incidentes violentos entre militantes opositores, que causaram, pelo menos, quatro mortos.

Mais de 39 milhões de congoleses foram chamados às urnas no domingo para escolher o sucessor do presidente Joseph Kabila, obrigado pela Constituição e pela opinião pública a não se recandidatar, e também os deputados nacionais e provinciais de 75.781 colégios eleitorais.

O delfim de Kabila, Emmanuel Ramazani Shadary, é um dos candidatos, a par com dois opositores, Félix Tshisekedi e Martin Fayulu, cuja campanha acusou as autoridades de quererem, com o corte da Internet, evitar a difusão de uma “vaga” de manifestações que confirmaria “a vitória esmagadora” do candidato.

Se não acontecerem imprevistos, o novo presidente assumirá o cargo a 18 de janeiro. Os resultados provisórios “serão divulgados no domingo, o mais tardar”, confirmou terça-feira a comissão eleitoral nacional independente.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …

Covid-19. México investiga mercado negro de atestados de óbito falsos

As autoridades da Cidade do México anunciaram que estão a investigar um suposto mercado negro de atestados de óbito relacionado com a covid-19, no dia em que o país registou 625 mortes nas últimas 24 …

Astrónomos descobrem "réplica" do Sol e da Terra a três mil anos-luz

O que diferencia esta descoberta de outros exoplanetas parecidos com a Terra é que a sua estrela tem uma semelhança impressionante com o nosso Sol. Entre os dados da missão Kepler, uma equipa de investigadores identificou …

Sem romarias e festas, milhares de famílias estão a entrar em falência

Milhares de famílias cujo rendimento depende das romarias e festas populares estão a atravessar sérias dificuldades económicas. Os prejuízos ultrapassam os 50 milhões de euros. A suspensão das festas populares e romarias religiosas em todo o …

Corpo de Maria Velho da Costa ficou 11 dias na morgue. Filho critica MP e fala em "massacre psicológico"

Os restos mortais da escritora Maria Velho da Costa, que faleceu a 23 de Maio, ficaram no Instituto de Medicina Legal, em Lisboa, durante 11 dias, sem que a família tivesse conhecimento de que já …

"Vocês são uns ingratos". Vieira arrasa equipa após empate com o Tondela

Luís Filipe Vieira foi ao balneário falar com os jogadores após o empate com o Tondela. O presidente benfiquista mostrou-se irritado e acusou os futebolistas de ingratidão. Depois do empate do SL Benfica com o CD …