Como ajudar estudantes universitários a dormir o suficiente? Pagar-lhes para irem para a cama

Pequenos incentivos financeiros podem levar os estudantes universitários a ir para a cama mais cedo e a dormir significativamente mais tempo.

Foi o que Jo Adetunji e os colegas descobriram através de uma experiência que envolveu 508 estudantes da Universidade de Pittsburgh e da Universidade de Oxford.

Foram oferecidos 7,50 dólares por noite aos estudantes, de segunda a quinta-feira, para dormirem mais tempo. A probabilidade de o fazerem era 13% maior do que a quem não foi oferecido o incentivo para dormir de sete a nove horas. Tinham também 16% menos probabilidades de dormir menos de seis horas.

Recolheram dados de rastreadores de atividades, inquéritos e diários de utilização do tempo. As pessoas a quem os incentivos foram oferecidos foram escolhidas aleatoriamente do grupo de pessoas que concordaram em fazer parte do estudo.

Os incentivos foram oferecidos durante três semanas, mas os efeitos duraram mesmo depois de terem sido removidos. Aqueles que tinham inicialmente recebido os incentivos tinham ainda 9% mais probabilidades de dormir sete a nove horas por noite durante até seis semanas, após terem deixado de receber o pagamento. Isto sugere que os efeitos dos incentivos podem durar várias semanas.

Os diários de utilização do tempo documentaram uma redução do tempo de rastreio. Ou seja, os estudantes passaram menos tempo a ver televisão e vídeos ou a utilizar dispositivos inteligentes durante a experiência.

Não houve indícios de uma diminuição do tempo de estudo ou de socialização. Isto sugere que os estudantes desistiram do tempo do ecrã em vez do tempo com amigos, para se deitarem mais cedo e dormirem mais tempo.

A privação do sono foi reconhecida pelos Centro de Controlo e Prevenção de Doenças como uma epidemia de saúde pública. Pode ter efeitos adversos na saúde física e mental das pessoas, na tomada de decisões e na produtividade.

As constatações dão luz sobre o que é necessário para levar as pessoas a adotar melhores hábitos de sono e evitar estes resultados negativos.

A privação do sono é um grande problema entre os estudantes universitários. A maioria dorme menos do que o mínimo recomendado de sete horas por noite.

Um bom sono está associado a um melhor desempenho académico. A privação do sono e a má qualidade do sono têm sido associadas a problemas de saúde mental entre os estudantes universitários.

Uma vez que a faculdade marca, normalmente, a primeira vez que os jovens adultos se encontram totalmente encarregados dos seus próprios horários, poderiam beneficiar de ajuda ou incentivos para criar bons hábitos de sono.

Vários inquéritos mostram que muitas pessoas sentem que não estão a dormir o suficiente. Quando experimentam uma noite de sono deficiente, os efeitos são sentidos no dia seguinte.

Os resultados do grupo sugerem que apenas conhecer os benefícios de um bom sono não é suficiente para que as pessoas adotem de facto melhores hábitos de sono. Pelo contrário, podem necessitar de incentivos.

As intervenções que ajudam os indivíduos a criar rotinas, tais como a redução do tempo de espera no ecrã, podem ter efeitos mais duradouros.

Uma questão relevante é se pessoas podem ser motivadas a dormir melhor sem incentivos monetários e com empurrões menos dispendiosos.

No futuro, o grupo planeia explorar se as intervenções para melhorar os hábitos de sono durante a faculdade podem também ajudar os estudantes a aumentar o seu desempenho académico. Também gostariam de examinar se estas intervenções podem funcionar com diferentes populações e em diferentes locais.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.