Comité Judiciário aprovou os dois artigos para destituição de Trump

Michael Reynolds / EPA

Os dois artigos de impeachment foram votados favoravelmente pela maioria Democrata na Câmara de Representantes, por uma margem de 23 votos contra os 17 votos da oposição dos deputados Republicanos.

O Comité Judiciário da Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou, esta sexta-feira, dois artigos para a destituição do Presidente Donald Trump, acusando-o de abuso de poder e de obstrução ao Congresso.

A votação aconteceu após vários dias de debate intenso sobre a redação dos artigos, com os Democratas a fazerem impor a sua versão acusatória sobre o comportamento de Donald Trump no caso que envolve uma alegada pressão sobre o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy.

Os dois artigos para destituição vão agora ser votados no plenário da Câmara de Representantes, na próxima semana. Se forem aprovados por maioria simples, como tudo indica que acontecerá, pela maioria Democrata na Câmara, os artigos seguem para o Senado, que se constitui como uma espécie de tribunal para julgar as atividades de Donald Trump, logo no início de 2020.

Se 2/3 dos senadores validarem os artigos, o que é improvável por causa da maioria Republicana no Senado, Trump pode ser demitido do cargo de Presidente.

Na versão do artigo que lhe imputa abuso de poder, Trump é acusado de ter ameaçado reter uma ajuda financeira à Ucrânia até que Zelenskiy divulgasse publicamente que iria lançar uma investigação contra a atividade de Hunter Biden, filho de Joe Biden, rival Democrata de Trump na corrida presidencial de 2020, junto de uma empresa da Ucrânia.

Na versão do artigo que imputa obstrução ao Congresso, Trump é acusado de ter procurado dificultar a investigação no caso ucraniano, omitindo documentos e impedindo o depoimento de vários assessores da Casa Branca.

Os Republicanos procuraram, sem sucesso, introduzir emendas nos dois artigos, referindo que a retenção da ajuda financeira, no valor de cerca de 400 milhões de dólares (cerca de 350 milhões de euros) foi justificada por o Presidente exigir ao seu homólogo ucraniano provas reais de combate à corrupção no seu país, como contrapartida pelo contributo norte-americano.

O Presidente colocou em risco a nossa democracia, colocou em risco a nossa segurança nacional”, disse o líder do Comité Judiciário, Jerrold Nadler, quando anunciou os dois artigos de impeachment, no início desta semana, em frente a um retrato do primeiro Presidente dos EUA, George Washington.

“A nossa próxima eleição está em risco (…) por isso devemos agir agora”, disse Nadler, para justificar a decisão das acusações formais contra Donald Trump.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

FIFA tem reserva de 1.400 milhões de euros e está a pensar em ajudar clubes por todo o mundo

"O futebol não é o mais importante" e "ninguém sabe quando voltará a ser o que era", face à pandemia de Covid-19, alertou o presidente da FIFA, Gianni Infantino. "Todos gostaríamos de ter o futebol de volta …

Este ano não há São João nem Santo António. Festas populares canceladas em Lisboa e Porto

As Câmaras Municipais de Lisboa e do Porto resolveram cancelar as festividades de Santo António e de são João, respectivamente, por causa da pandemia de Covid-19. As marchas populares só voltam no próximo ano, com …

Sem ajudas do Governo, "não sei se os grandes vão continuar a ser grandes"

"É complicado encontrar soluções", assume o presidente do Marítimo numa altura em que o futebol está parado por causa da pandemia de Covid-19. A situação é "aflitiva" para muitos clubes, diz Carlos Pereira que acredita …

Governo dá tolerância de ponto nos dias 9 e 13 de abril

O primeiro-ministro assinou um despacho a conceder tolerância de ponto nos próximos dias 9 e 13, no período da Páscoa, a todos os trabalhadores que exercem funções públicas nos serviços da administração direta do Estado. “É …

Depois do papel higiénico, vendas de snacks e bebidas alcoólicas disparam

A Associação Espanhola de Supermercados fez um estudo sobre as alterações de consumo desde que foi decretado o estado de emergência. A procura por papel higiénico disparou meados de março, mas os produtos mais procurados …

Bloco quer proibir banca de distribuir lucros (e pede ajuda ao PSD)

O Bloco de Esquerda quer proibir os bancos de distribuírem dividendos em 2020 e pede ajuda ao PSD para o conseguir. Em videoconferência, Mariana Mortágua lançou um desafio ao líder social-democrata. O Bloco de Esquerda anunciou …

Ordens duvidam dos números de infetados (e admitem fazer o seu próprio levantamento)

Segundo os números anunciados na quarta-feira, havia 1.124 profissionais de saúde e oito deles estavam internados em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI). Mas estes números não convencem as Ordens. De acordo com o Observador, o bastonário …

Europa tem que ser o seu "próprio Plano Marshall". Centeno defende solução sem o "estigma" da austeridade

Mário Centeno continua a incentivar uma solução conjunta assente na ideia da solidariedade europeia perante "uma crise inesperada e sem precedentes" devido à pandemia de Covid-19. Como presidente do Eurogrupo, o ministro das Finanças de …

Há mais de 10 mil infetados em Portugal. DGS vai fazer testes de imunidade à população

O boletim epidemiológico da Direção-geral da Saúde deste sábado regista 10.524 casos de infeção por covid-19 em Portugal. Há mais 20 mortes, num total de 266 óbitos. Nas últimas 24 horas, até à meia-noite, foram registados …

Quase meio milhão de portugueses estão em lay-off. "Sistema é errado", diz Francisco Louçã

Uma semana depois de o Governo ter aberto a porta ao lay-off simplificado, mais de 22 mil empresas já recorreram a este novo regime. Atualmente, há 425.287 trabalhadores nessa situação. Francisco Louçã considera este sistema …