Comer amendoins nos primeiros meses de vida reduz riscos de alergia

O consumo controlado de amendoins nos primeiros 11 meses de vida de uma criança pode reduzir em 80 por cento o risco de desenvolvimento de alergia a este fruto, segundo um estudo divulgado hoje no Reino Unido.

Na investigação, desenvolvida por especialistas do King’s College de Londres, propõe-se a revisão das actuais directrizes de saúde pública, que desaconselham o consumo de amendoins de forma a prevenir o surgimento de alergias.

Esta nova abordagem defende que o consumo controlado de amendoins entre os quatro e os 11 meses de vida pode reduzir em mais de 80% o risco de desenvolvimento de alergia aos cinco anos de idade, em crianças com perfil de alto risco que já apresentam eczema infantil (normalmente associado ao leite e aos ovos).

Os cientistas, liderados por Gideon Lack, director do Departamento de alergias pediátricas do King’s College, sugerem que esta premissa – travar o desenvolvimento de alergias com a exposição controlada ao produto -, poderá aplicar-se a outros alimentos além dos amendoins, mas advertem para a necessidade de novos estudos.

Para a realização do estudo, os peritos acompanharam 640 crianças com idades entre os quatro e os 11 meses seguidas num hospital pediátrico londrino. As crianças em questão estavam em risco de desenvolver uma alergia ao amendoim, uma vez que sofriam de eczema infantil.

Metade das crianças consumiram alimentos que continham amendoim três vezes por semana, enquanto a outra metade devia evitar o consumo de amendoim até aos cinco anos.

Nunca foi dado um amendoim inteiro às crianças, uma vez que existe o risco de sufocamento.

Menos de 1% das crianças que consumiram amendoim desenvolveram a alergia aos cinco anos, contra os 17,3% que estavam no grupo que evitou o contacto com o fruto, o que significou que a exposição ao alimento reduziu o risco de alergia em mais de 80%, segundo o estudo.

Apenas 13 crianças do primeiro grupo não conseguiram comer os produtos com amendoins, uma vez que manifestaram uma reacção alérgica forte.

No estudo, os peritos assinalaram que as alergias aos alimentos aumentaram de forma destacada na última década, tanto no Reino Unido e nos Estados Unidos como em países africanos e asiáticos.

Actualmente, a alergia ao amendoim afecta uma em cada 50 crianças com idade escolar no Reino Unido e entre 1% a 3% das crianças na Europa Ocidental, Estados Unidos e Austrália.

Gideon Lack sublinhou que este novo estudo “é um importante passo” que “contraria as actuais orientações“.

Apesar de propor novas recomendações aos pais de crianças em risco de desenvolver a alergia, o perito aconselhou que o processo deve sempre contar com aconselhamento especializado.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …