Começou o julgamento histórico de Derek Chauvin, o polícia acusado de matar George Floyd

Esta segunda-feira começou um julgamento histórico em Minneapolis, nos Estados Unidos. Derek Chauvin foi acusado de sufocar deliberadamente até à morte George Floyd, enquanto a defesa do ex-polícia justificou o uso da força, invocando o consumo de drogas por parte do afro-americano.

O vídeo chocante de um polícia de Minneapolis ajoelhado no pescoço de George Floyd foi o foco da abertura da argumentação, esta segunda-feira, no arranque do julgamento da morte que abalou os Estados Unidos.

A defesa de Derek Chauvin, que pressionou o pescoço de Floyd numa manobra que seria fatal, alegou que consegue provar que o afro-americano estava drogado (o que teria forçado os agentes policiais a serem mais duros) e que a sua morte se devia mais às drogas e aos seus problemas de saúde do que propriamente à asfixia.

“Nove minutos e 29 segundos. Esse foi o tempo que durou”, disse o procurador Jerry Blackwell, sobre o tempo que Chauvin manteve o joelho pressionado sobre o pescoço de Floyd. No vídeo, Floyd, algemado e com o corpo estendido de bruços na calçada, tentava recuperar o fôlego enquanto os pedestres pediam ao polícia para não usar tanta força.

Não consigo respirar“, implorou Floyd, antes de desmaiar.

Há 19 anos na polícia, Chauvin é acusado de assassinato e homicídio culposo e enfrenta até 40 anos de prisão se for declarado culpado da acusação mais grave: assassinato em segundo grau. O veredito deve ser conhecido no final de abril ou início de maio.

O vídeo da morte de Floyd, gravado e transmitido ao vivo nas redes sociais por um pedestre, gerou protestos antirracistas e confrontos pelos abusos policiais contra os negros em todo o território norte-americano e até noutros países.

O Presidente Joe Biden “certamente estará a observar de perto, assim como todos os americanos”, afirmou a sua porta-voz, Jen Psaki, mencionando a “ferida” que este caso deixou no país.

“Força excessiva e irracional”

Durante a sua intervenção, Blackwell disse que o antigo agente de 45 anos não seguiu os procedimentos policiais e agiu de forma insensível ao continuar a pressionar o corpo imóvel de Floyd contra o chão. “O senhor Derek Chauvin traiu o seu distintivo policial quando usou uma força excessiva e irracional sobre o corpo do senhor George Floyd.”

“Ele colocou os joelhos sobre o pescoço e as costas, magoando-o e esmagando-o, até que a sua respiração – não, senhoras e senhores, até que a própria vida – lhe fosse arrancada“, acrescentou.

O advogado de Chauvin, Eric Nelson, disse ao júri que Floyd estava sob a influência de drogas ao ser detido e resistiu à prisão. “Derek Chauvin fez exatamente o que foi treinado a fazer”, afirmou Nelson, pedindo ao júri para ignorar a política e os movimentos sociais que rondam o caso.

“Não existe nenhuma causa política ou social nesta sala”, acrescentou.

“As evidências mostrarão que Floyd morreu de arritmia cardíaca por causa da hipertensão, a sua doença coronária, a ingestão de metanfetamina e fentanil e a adrenalina que fluía no seu corpo. Tudo isso comprometeu ainda mais partes do corpo que já estavam comprometidas”, argumentou.

O julgamento de Chauvin, transmitido ao vivo, tornou-se o centro das atenções para o movimento Black Lives Matter e uma prova sobre o exercício da justiça no âmbito policial.

O advogado e os membros da família Floyd ajoelharam-se durante o tempo em que Chauvin pressionou o joelho sobre o pescoço de Floyd no vídeo.

“Achei que a imagem tinha congelado”

Blackwell deixou claro que não pretende julgar todos os polícias, apenas Chauvin, que foi demitido do departamento de polícia de Minneapolis após o incidente.

Ben Crump, advogado dos direitos civis que representa a família da vítima, disse que o advogado de defesa de Chauvin “vai tentar assassinar o caráter de George Floyd“. “Mas este é o julgamento de Derek Chauvin, vamos ver o seu histórico”, afirmou. “Os fatos são simples. O que matou George Floyd foi uma overdose de força excessiva”.

Para mostrar que a atitude do agente foi equivocada, o procurador chamou como primeira testemunha a operadora que enviou a polícia para onde Floyd estava.

Jena Scurry disse que os viu nas imagens de uma câmara de segurança enquanto atendia outras chamadas. “Achei que a imagem tinha congelado“, porque ficaram muito parados durante muito tempo. “O meu instinto dizia-me que algo estava errado.”

Foi então que Scurry decidiu chamar outro polícia para relatar o incidente.

Donald Williams, um instrutor de artes marciais que estava no local do assassinato, afirmou ter dito a Chauvin que a sua maneira de imobilizar Floyd pelo pescoço era equivalente a uma manobra perigosa usada em combates chamada de “blood choke”, ou “sufocamento de sangue”.

O julgamento acontece numa sala de Minneapolis fortemente vigiada. O processo deve durar aproximadamente um mês.

O júri de 14 membros é racialmente misto: seis mulheres brancas, três homens negros, dois homens brancos e três mulheres negras.

Os policias raramente são condenados nos Estados Unidos e a sentença por qualquer uma das acusações contra Chauvin exigirá que o júri emita um veredito unânime.

AFP // AFP

PARTILHAR

RESPONDER

Nova Iorque quer oferecer vacina aos turistas. Miami vai começar a vacinar no aeroporto

Em Nova Iorque os turistas irão receber a vacina da Johnson & Johnson e em Miami a vacina da Pfizer. Com o objetivo de reativar o turismo na cidade, as autoridades de Nova Iorque querem oferecer …

Carta misteriosa escrita por passageira do Titanic está a intrigar os peritos

Uma equipa de investigadores está a tentar desvendar um mistério que envolve uma carta que terá sido escrita por uma jovem a bordo do Titanic na véspera do naufrágio. Uma família encontrou a carta numa garrafa …

Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares. As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária …

Veterana de Bletchley Park tem um novo código da 2.ª Guerra para decifrar (mas precisa de ajuda)

Um casal que encontrou mensagens codificadas da II Guerra Mundial sob o assoalho está tentar decifrá-las com a ajuda do seu vizinho, um decifrador de códigos de Bletchley Park. John e Val Campbell encontraram um esconderijo …

"Caixas mistério" com animais de estimação geram indignação na China

Uma nova moda conhecida como "caixa mistério" ganhou popularidade na China. O método consiste em fazer uma encomenda através da internet e é enviada, pelo correio, uma caixa com um animal de estimação. Estas encomendas estão …

Arquivos da polícia do Estado Islâmico revelam como era a vida sob o califado

Arquivos da polícia do Estado Islâmico, conhecida como shurta, revelam como era a vida sob o califado. Os polícias eram tão bem pagos que não podiam ser subornados. Não é sempre que os regimes mirram …

Barco português detido por ancorar ilegalmente em águas da Malásia

Um navio mercante registado em Portugal está retido na Malásia por ter alegadamente ancorado em águas territoriais do país sem autorização, avançou esta sexta-feira a Guarda Costeira malaia. Num comunicado, Nurul Hizam Zakaria, diretor da agência …

”Eficácia e qualidade”. OMS aprova vacina chinesa da Sinopharm

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou, esta sexta-feira, o uso de emergência da vacina chinesa contra a covid-19 da Sinopharm. Trata-se da primeira vacina desenvolvida pela China a ser aprovada pela organização, lembra a agência …

Sem estado de emergência não pode haver confinamento de pessoas saudáveis

O constitucionalista Jorge Reis Novais defendeu hoje que sem estado de emergência que suspenda a garantia do artigo 27.º da Constituição não pode haver confinamento de pessoas saudáveis, até uma eventual revisão constitucional. Por outro lado, …

"Neuro-direitos". O Chile quer proteger os seus cidadãos do controlo da mente

O Chile quer tornar-se o primeiro país a proteger as pessoas do controlo da mente, à medida que a capacidade de mexer com cérebros se aproxima cada vez mais da realidade. O senador Guido Girardi está …