Colaborador de Macron investigado por agredir manifestante

Etienne Laurent / EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron, (ao centro) com o segurança Alexandre Benalla (à direita)

A justiça francesa anunciou a abertura de uma investigação preliminar após a transmissão de imagens de um colaborador do Presidente Emmanuel Macron a agredir um manifestante no 1º de maio.

A investigação também tem como alvo a “usurpação de sinais reservados à autoridade pública”, disse o Ministério Público à agência France-Presse (AFP), referindo-se ao facto de o colaborador se ter equipado com “um capacete com uma viseira da polícia, embora não seja polícia”.

Num artigo online na noite de quarta-feira, acompanhado por um vídeo, o Le Monde revelou que “Alexandre Benalla, um conselheiro próximo do Presidente da República (…) atacou um jovem no chão durante uma manifestação “, por ocasião do 1º de maio, Dia do Trabalhador, que tradicionalmente coincide na França com muitos eventos.

De acordo com a AFP, o segurança foi responsável pela segurança de Emmanuel Macron durante a campanha presidencial que levaria à sua vitória em 2017, antes de ser nomeado “encarregado de missão” no Elysee, a Presidência francesa, como assistente chefe do Gabinete Adjunto do Presidente François-Xavier Lauch.

“O homem de capacete, obviamente fora dele, arrasta (o jovem) no chão, agarra-lo violentamente no pescoço por trás e depois agredi-o várias vezes”, relata o Le Monde, que afirma que “o diretor do gabinete de Emmanuel Macron, Patrick Strzoda, confirmou que Benalla era de facto o homem do vídeo”.

Strzoda disse ao jornal que suspendeu temporariamente o funcionário de 4 a 19 de maio, ameaçando-o de demissão no caso de uma nova lacuna. De acordo com a AFP, Benalla pediu para “observar” o policiamento no 1º de maio, o que o diretor de gabinete tinha aceitado.

O colaborador recebeu “a mais séria sanção já pronunciada contra um alto funcionário que trabalha no Elysee”, disse o porta-voz da presidência à agência France-Presse.

 

Questionado sobre este caso durante uma visita ao sudoeste da França, Emmanuel Macron recusou-se a responder. “Estou aqui com as pessoas”, afirmou à France-Presse entre os funcionários e fatores com os quais discutiu os novos empregos em La Poste.

De acordo com o Público, vários políticos pediram “sanções mais duras” contra Benalla e criticam também o facto de o Eliseu não ter informado as autoridades.

Este vídeo é chocante. Hoje, ficamos com o sentimento de que na equipa de Macron há um que está acima da lei. É óbvio que Macron tem de falar sobre isto”, disse Laurent Wauquiez, presidente d’Os Republicanos à rádio Europe 1.

“Este caso é grave, simboliza a violência social infligida pelo novo poder. Não é um caso anedótico. Deve ser denunciado”, afirmou, por sua vez, Eliane Assassi, presidente do grupo Comunista no Senado.

O deputado da direita Eric Ciotti aproveitou um debate no Parlamento para frisar que o Presidente devia ter denunciado o segurança, ao abrigo do artigo 40 do Código Penal francês, que diz que “todas as autoridades constituídas, oficial ou funcionário público que, no exercício das suas funções, tenha conhecimento de um crime ou delito deve avisar sem demoras o procurador da República”.

Entretanto, escreve o mesmo jornal, surgiram várias outras imagens do segurança a agarrar e a retirar jornalistas à força de eventos públicos em que Macron participou, com a oposição a exigir uma investigação por uma comissão de inquérito independente.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Acordo para o Brexit está "prestes a ficar fechado"

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, disseram esta quarta-feira que um acordo para o Brexit está em finalização e poderá ser apresentado quinta-feira para aprovação no Conselho Europeu. "Quero acreditar que …

Em Chernobyl, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram para trás"

Chernobyl é, atualmente, a maior atração internacional da Ucrânia e o novo presidente, Volodymyr Zelenski, já apresentou um projeto para trazer ainda mais turistas. No entanto, estão a desaparecer "as memórias que as pessoas deixaram …

Huawei afirma que a tecnologia 6G vai estar disponível daqui a 10 anos

O CEO da Huawei, Ren Zhengfei, assinalou, durante uma entrevista à CNBC, que a sua empresa está a trabalhar em redes móveis 6G, que estarão completamente desenvolvidas daqui a 10 anos.   "Trabalhámos em 5G e 6G …

Nazismo e comunismo classificados em pé de igualdade pelo Parlamento Europeu

No passado dia 19 de setembro, a União Europeia colocou comunismo e nazismo em pé de igualdade, depois de aprovar no Parlamento Europeu uma resolução condenando ambos os regimes por terem cometido "genocídios e deportações …

Conselho da Europa teme que polícia de Malta tenha “recusado provas” no caso da jornalista assassinada

Daphne Galizia era jornalista, acompanhava casos de corrupção no país e foi assassinada há dois anos. Pieter Omtzigt, relator do Conselho da Europa responsável pelo caso, diz que a abordagem da polícia e dos …

Itália quer mudar sede da final da Liga dos Campeões

A Itália quer que a final da Liga dos Campeões deste ano, marcada para o Estádio Olímpico Atatürk Olympic, mude de sede. Os últimos dias não têm sido fáceis para a UEFA. Depois dos incidentes racistas …

CNN coloca broa portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo

A propósito das celebrações do Dia Mundial do Pão, que se celebra esta quarta-feira, a CNN fez uma lista com os 50 melhores pães do mundo e um deles é a broa portuguesa. A broa conhecida …

CP lança nova campanha: Lisboa-Porto por cinco euros e mais descontos até 80%

Há 10.300 bilhetes a custos muito reduzidos, anunciou a CP – Comboios de Portugal esta terça-feira. A nova campanha garante viagens nos comboios de longo curso Alfa Pendular e Intercidades “com 80% de desconto”, abrangendo …

"Níveis recorde". Glaciares suíços perderam 10% do seu volume nos últimos cinco anos

Os glaciares suíços perderam 10% do volume nos últimos cinco anos, a maior redução em cem anos, alertou esta terça-feira a Academia Suíça das Ciências. A Academia baseia-se nas medições feitas pelos peritos do painel intergovernamental …

Caso BPN. Relação condena dois dos absolvidos e agrava penas a outros dois

O Tribunal da Relação de Lisboa condenou esta quarta-feira dois dos três arguidos absolvidos no processo principal da falência do BPN, Ricardo Oliveira e Filipe Nascimento, e agravou as penas a dois dos 12 arguidos …