Colaborador de Macron investigado por agredir manifestante

Etienne Laurent / EPA

O Presidente francês, Emmanuel Macron, (ao centro) com o segurança Alexandre Benalla (à direita)

A justiça francesa anunciou a abertura de uma investigação preliminar após a transmissão de imagens de um colaborador do Presidente Emmanuel Macron a agredir um manifestante no 1º de maio.

A investigação também tem como alvo a “usurpação de sinais reservados à autoridade pública”, disse o Ministério Público à agência France-Presse (AFP), referindo-se ao facto de o colaborador se ter equipado com “um capacete com uma viseira da polícia, embora não seja polícia”.

Num artigo online na noite de quarta-feira, acompanhado por um vídeo, o Le Monde revelou que “Alexandre Benalla, um conselheiro próximo do Presidente da República (…) atacou um jovem no chão durante uma manifestação “, por ocasião do 1º de maio, Dia do Trabalhador, que tradicionalmente coincide na França com muitos eventos.

De acordo com a AFP, o segurança foi responsável pela segurança de Emmanuel Macron durante a campanha presidencial que levaria à sua vitória em 2017, antes de ser nomeado “encarregado de missão” no Elysee, a Presidência francesa, como assistente chefe do Gabinete Adjunto do Presidente François-Xavier Lauch.

“O homem de capacete, obviamente fora dele, arrasta (o jovem) no chão, agarra-lo violentamente no pescoço por trás e depois agredi-o várias vezes”, relata o Le Monde, que afirma que “o diretor do gabinete de Emmanuel Macron, Patrick Strzoda, confirmou que Benalla era de facto o homem do vídeo”.

Strzoda disse ao jornal que suspendeu temporariamente o funcionário de 4 a 19 de maio, ameaçando-o de demissão no caso de uma nova lacuna. De acordo com a AFP, Benalla pediu para “observar” o policiamento no 1º de maio, o que o diretor de gabinete tinha aceitado.

O colaborador recebeu “a mais séria sanção já pronunciada contra um alto funcionário que trabalha no Elysee”, disse o porta-voz da presidência à agência France-Presse.

 

Questionado sobre este caso durante uma visita ao sudoeste da França, Emmanuel Macron recusou-se a responder. “Estou aqui com as pessoas”, afirmou à France-Presse entre os funcionários e fatores com os quais discutiu os novos empregos em La Poste.

De acordo com o Público, vários políticos pediram “sanções mais duras” contra Benalla e criticam também o facto de o Eliseu não ter informado as autoridades.

Este vídeo é chocante. Hoje, ficamos com o sentimento de que na equipa de Macron há um que está acima da lei. É óbvio que Macron tem de falar sobre isto”, disse Laurent Wauquiez, presidente d’Os Republicanos à rádio Europe 1.

“Este caso é grave, simboliza a violência social infligida pelo novo poder. Não é um caso anedótico. Deve ser denunciado”, afirmou, por sua vez, Eliane Assassi, presidente do grupo Comunista no Senado.

O deputado da direita Eric Ciotti aproveitou um debate no Parlamento para frisar que o Presidente devia ter denunciado o segurança, ao abrigo do artigo 40 do Código Penal francês, que diz que “todas as autoridades constituídas, oficial ou funcionário público que, no exercício das suas funções, tenha conhecimento de um crime ou delito deve avisar sem demoras o procurador da República”.

Entretanto, escreve o mesmo jornal, surgiram várias outras imagens do segurança a agarrar e a retirar jornalistas à força de eventos públicos em que Macron participou, com a oposição a exigir uma investigação por uma comissão de inquérito independente.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Jorge Jesus vence prémio "Bola de Prata" para melhor treinador do Brasileirão

Jorge Jesus volta a fazer história. O treinador recebeu, esta segunda-feira, o prémio Bola de Prata da ESPN Brasil para melhor treinador. Jorge Jesus, o técnico português que se sagrou campeão da liga brasileira de futebol …

Denunciantes são "essenciais para combater a corrupção", mas em Portugal há "falta de sensibilidade"

Esta segunda-feira, a ex-eurodeputada Ana Gomes disse que em Portugal "existem falhas de sensibilidade" face aos denunciantes, que "não são protegidos", apesar de serem "absolutamente essenciais para combater a corrupção", frisando o exemplo de Rui …

Produtores de vinagre italiano perdem batalha pela exclusividade do termo "balsâmico"

Os produtores de vinagre italiano de Modena reclamavam a exclusividade do termo "balsâmico". O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) não lhes deu razão. Segundo a BBC, o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) …

Catarina Martins desvaloriza críticas internas. BE "é o partido mais plural da sociedade portuguesa"

Catarina Martins disse ser natural que sejam apresentadas várias moções à convenção do partido. Alguns membros apontam falta de debate interno, críticas relativizadas pela coordenadora. Catarina Martins considerou natural que se apresentem várias moções à convenção …

Homens e mulheres já podem entrar juntos em restaurantes na Arábia Saudita

A Arábia Saudita acabou com a exigência de entradas separadas em restaurantes para homens e mulheres e com a separação entre sexos à mesa. Até agora era obrigatório ter uma entrada para famílias e mulheres …

Exército japonês pediu uma escrava sexual para cada 70 soldados na II Guerra Mundial

Durante a Segunda Guerra Mundial, o exército do Japão pediu ao Governo que fornecesse uma escrava sexual para cada 70 soldados, de acordo com documentos históricos analisados pela agência de notícias nipónica Kyodo News. Os 23 …

Centeno apresenta linhas gerais do Orçamento aos partidos na terça-feira

Mário Centeno apresenta aos partidos, esta terça-feira, as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado. Só o Livre fica de fora por "impedimento de agenda". O Governo apresenta amanhã, dia 10 de dezembro, as linhas …

Amianto. Fenprof vai apresentar queixa em Bruxelas

A Fenprof acusa o Governo português de não cumprir a diretiva comunitária que impõe a retirada de amianto de edifícios públicos, incluindo escolas. A Federação Nacional de Professores (Fenprof) vai apresentar uma queixa à Comissão Europeia …

Luís Maximiano: "Battaglia levou com o garrafão de água e o Misic com um cinto na cara"

O guarda-redes do Sporting disse esta segunda-feira que ficou “bloqueado e sem reação” durante o ataque à Academia de Alcochete, descrevendo as agressões aos colegas de equipa, após a entrada no balneário de mais de …

Peritos da Ordem admitem práticas ilícitas na venda de produtos no BES e Banif

Os peritos da Ordem dos Advogados que analisaram as reclamações de lesados do BES e do Banif disseram esta segunda-feira aos jornalistas que encontraram indícios de práticas ilícitas na venda de produtos financeiros por aqueles …