Cientistas recriam habitat dos humanos primitivos (e a vida não era um piquenique)

Illustration: M. Lopez-Herrera via The Olduvai Paleoanthropology and Paleoecology Project and Enrique Baquedano

Ilustração do habitat dos humanos primitivos em África, há 1.8 milhões de anos.

Ilustração do habitat dos humanos primitivos em África, há 1.8 milhões de anos.

Uma equipa de cientistas conseguiu recriar, pela primeira vez, aquele que seria o habitat dos nossos “parentes” mais primitivos, há 1.8 milhões de anos.

Esta reconstrução foi feita a partir de dados recolhidos de um local em Olduvai Gorge, Tanzânia, onde se encontraram ferramentas de pedra e ossos de duas espécies de hominídeos – o Paranthropus boisei, de cérebro pequeno e corpo robusto, e o Homo habilis, que já tinha um cérebro maior e uma aparência mais próxima dos humanos modernos.

Estas duas espécies tinham uma esperança média de vida entre 30 a 40 anos e alimentavam-se de lesmas, caracóis e fetos, mas também de carne de animais selvagens que tinham que disputar com leões, leopardos e hienas.

“Era duro viver. Era uma vida muito stressante porque estavam em competição contínua pela sua comida com carnívoros”, nota uma das investigadores envolvidas no estudo, a professora Gail M. Ashley do Departamento da Terra e de Ciências Planetárias da Escola de Artes e Ciências da Universidade de Rutgers, nos EUA.

A investigação, que contou também com a colaboração de elementos do Instituto Geológico de Zurique, na Suíça, da Universidade Complutense em Madrid, Espanha, e da Universidade do Estado da Pensilvânia, nos EUA, desenrolou-se desde 1994.

Durante mais de uma década, foram recolhidas amostras do solo e encontrados inúmeros ossos de girafas, elefantes e outros animais selvagens que podem ter sido mortos pelos hominídeos para os comerem ou parte da sua carne ter sido aproveitada por estes, depois de mortos por outros animais.

“O facto de comerem carne é uma questão importante na definição da pesquisa actual sobre os hominídeos. Sabemos que o aumento do tamanho do cérebro, a mera evolução dos humanos, está provavelmente ligada a mais proteínas“, salienta Gail M. Ashley, citada no site da Universidade de Rutgers.

A reconstrução do modelo do habitat vai permitir aos paleo-antropologistas perceberem melhor com era a vida humana naquela época.

O resultado da investigação pioneira foi publicado recentemente na revista Proceedings da Academia Nacional de Ciências dos EUA.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …