Cientistas calcularam quanto tempo resta à Humanidade

Michael Osadciw / University of Rochester

Conceito artístico deuma estrela anã vermelha e da sua companheira anã castanha (em primeiro plano) na sua passagem pelo Sistema Solar, há 70.000 anos. O Sol aparece como a estrela brilhante ao fundo. As estrelas estão agora a 20 anos-luz de distância.

Conceito artístico de uma estrela anã vermelha e da sua companheira anã castanha (em primeiro plano) na sua passagem pelo Sistema Solar, há 70.000 anos. O Sol aparece como a estrela brilhante ao fundo. As estrelas estão agora a 20 anos-luz de distância.

Uma equipa de investigadores norte-americanos e britânicos tentou calcular qual o prazo médio da vida em termos do tempo cósmico. Para isso, avaliaram quantos anos pode existir a vida em torno das estrelas que a podem acolher.

Estes académicos das Universidades de Harvard, nos Estados Unidos, e de Oxford, no Reino Unido, concluíram que a vida da estrela está directamente ligada à vida que pode desenvolver-se em torno de si.

A única excepção a esta ideia será se a estrela “morrer” por colidir com um corpo celeste ou devido a alguma força destruidora, por exemplo.

“O peso de uma estrela é inversamente proporcional à duração da existência da vida em torno dela: quanto mais leve for uma estrela, mais tempo podem viver os organismos vivos“, consideram os investigadores no estudo pré-publicado pelo site arXiv.

A estimativa destes académicos é feita em função de uma fórmula mais elaborada do que a chamada Equação Drake, inventada pelo astrónomo Frank Drake em 1961 e que visa calcular o número de civilizações extraterrestres que poderá haver na Via Láctea.

As previsões destes investigadores apontam que há probabilidades de a vida se desenvolver em torno de uma estrela que seja 0,08 a 3,7 mais pesada do que o Sol.

“A não ser que a habitabilidade em torno de estrelas de massa baixa seja suprimida, é mais provável que exista vida próximo de estrelas de 0.1 massas solares 10 mil milhões de anos a contar de agora”, notam no estudo.

As estrelas mais comuns são as chamadas anãs vermelhas que são bastante leves e que, segundo a fórmula dos académicos de Harvard e de Oxford, podem manter a vida em torno delas durante cerca de 10 mil milhões de anos.

ZAP

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. O peso é função da gravidade!!! Não há estrelas leves nem pesadas!!! Há estrelas mais ou menos maciças . O Sol é uma estrela anã pouco maciça que se tornará uma gigante vermelha daqui a cerca de 4,5 mil milhões de anos. Certamente que muito antes disso o Homem tal qual o conhecemos já não estará por cá.

RESPONDER

"Indiana Jones do mundo da arte" recupera manuscrito do poeta persa Hafez

Uma das primeiras cópias do reverenciado Divan do autor do século XIV Hafez, iluminado com ouro, será leiloado no início de abril. O famoso poeta persa do século XIV, Hafez, escreveu uma coleção de versos místicos …

O palco onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda

O palco de madeira onde os Beatles atuaram pela primeira vez está à venda. Agora, alguém poderá replicar o primeiro concerto da famosa banda. A 10 de abril, em comemoração dos 50 anos da separação da …

Células estaminais podem ajudar a proteger os astronautas da radiação espacial

Assim que os astronautas deixam a proteção do campo magnético da Terra, ficam automaticamente expostos a níveis elevados de radiação cósmica. A Agência Espacial Europeia (ESA) está cada vez mais focada em investigações para reduzir …

Pandemia pode trazer nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas

A pandemia de Covid-19 pode trazer uma nova geração de robôs capazes de realizarem tarefas perigosas como limpeza de superfícies infetadas ou vigiar pessoas em quarentena, afirmam esta quarta-feira alguns dos principais investigadores internacionais em …

Multimilionários refugiam-se da Covid-19 a bordo de iates

Vários multimilionários têm procurado refugiar-se da pandemia de Covid-19, que nasceu em dezembro passado na China, em alto mar, a bordo de iates de luxo. Em declarações ao jornal The Telegraph, Jonathan Beckett, executivo da …

Este mamífero consegue sobreviver a quase sete mil metros de altura

Cientistas pensam ter confirmado que um pequeno rato descoberto no vulcão Llullaillaco, nos Andes, é o mamífero que consegue viver à maior altitude já conhecida (6739 metros). Segundo o IFLScience, o Phyllotis xanthopygus rupestris foi descoberto, …

O glaciar Denman recuou quase cinco quilómetros nos últimos 22 anos

O glaciar Denman, na Antártica Oriental, recuou cerca de cinco quilómetros nos últimos 22 anos. Investigadores da Universidade da Califórnia, Irvine e do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA estão preocupados coma topografia exclusiva …

Gruta em Setúbal mostra que os Neandertais também eram pescadores

Cientistas encontraram restos de alimentos numa gruta, no distrito de Setúbal, que comprovam que os Neandertais também se alimentavam de espécies marinhas. De acordo com o jornal espanhol ABC, restos encontrados por uma equipa de arqueólogos …

Associação alerta para riscos da mudança da hora em tempos de confinamento

O presidente da Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono advertiu hoje que os efeitos potencialmente adversos causados pela mudança da hora podem acentuar-se devido ao confinamento obrigatório das pessoas na sequência da pandemia …

Governo português legaliza estrangeiros ilegais. "A prioridade é a defesa da saúde"

O Governo português decidiu regularizar os estrangeiros com pedidos pendentes no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, medida em vigor desde a declaração do estado de emergência, no dia 19, e que lhes garante os mesmos …