Cientistas diagnosticam pela primeira vez um cancro ósseo num dinossauro

Royal Ontario Museum/ McMaster University

Massa tumoral está representada a amarelo nesta rescontrução

Uma equipa multidisciplinar de cientistas, liderada pelo Museu Real de Ontário (ROM) e pela Universidade McMaster, no Canadá, diagnosticou pela primeira vez num fóssil de dinossauro um cancro ósseo maligno.

O osteossarcoma foi detetado num perónio de um espécime de Centrosaurus apertus, um dinossauro com chifres que viveu há 76 ou 77 milhões de anos, detalha a equipa na nova investigação, cujos resultados foram publicados na revista científica The Lancet Oncology.

O fóssil do dinossauro foi descoberto em meados de 1989, no Dinosaur Provincial Park, na província canadiana de Alberta, e acreditava-se que a mal formação óssea que apresentava era fruto de uma fratura já cicatrizada.

Depois de observarem as propriedades incomuns deste osso numa visita ao Museu Real Tyrrell, David Evans, líder do departamento de Paleontologia de Vertebrados do ROM e os médicos Mark Crowther, professor de Patologia e Medicina Molecular e Snezana Popovic, Osteopatologista, ambos da Universidade McMaster, decidiram investigar mais estes estranhos restos fossilizados recorrendo a técnicas médicas modernas.

Para isso, reuniram uma equipa de especialistas multidisciplinares e médicos de várias áreas, como Patologia, Radiologia, Cirurgia Ortopédica e Paleopatologia.

“Diagnosticar um cancro agressivo como este em dinossauros tem sido ilusório e requer conhecimento médico de vários níveis de análise para adequá-lo adequadamente”, disse Crowther, citado pela agência espanhola Europa Press.

Mas o especialista não tem dúvidas sobre o diagnósticos: “Mostrámos a inconfundível assinatura de um cancro ósseo avançado num dinossauro com chifres há 76 milhões de anos, o primeiro do género. É muito emocionante”, confessou o especialista.

Cancro agressivo e em estado avançado

De forma a confirmar o diagnóstico, os cientistas compararam o fóssil com um perónio normal de um dinossauro da mesma espécie, bem como com um perónio humano com um caso já confirmado de osteossarcoma.

“O osso da canela mostra um cancro agressivo em estado avançado. O cancro teria efeitos devastadores no indivíduo e deixá-lo-ia muito vulnerável aos formidáveis predadores dos tiranossauros da época (…) O facto de este dinossauro herbívoro viver num grande rebanho protetor pode ter permitido a este animal sobreviver mais tempo do que o normal com uma doença tão devastadora”, completou Evans.

E Ekhtiari, médico residente em cirurgia ortopédica na Universidade McMaster rematou: “É fascinante e inspirador ver um esforço semelhante ao que utilizamos para diagnosticar e tratar osteossarcoma nos nosso pacientes levar ao primeiro diagnóstico da mesma patologia num espécime de dinossauro”.

O Osteossarcoma é um cancro ósseo que surge por norma na segunda ou terceira década de vida. Trata-se de um crescimento desorganizado e excessivo do osso que se espalha rapidamente, quer no próprio osso em que “nasce”, como noutros órgãos, especialmente nos pulmões, refere ainda a Europa Press.

ZAP //

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Estes é que é pô-los em hospitais, se detetam cancro a milhares de anos de distância, a poucos metros será um ver se te avias!

RESPONDER

Ronaldo volta a marcar pelo United em jogo com final frenético

O português Cristiano Ronaldo voltou hoje a marcar pelo Manchester United, mas foram Lingaard e David de Gea que ‘brilharam’ na vitória sobre o West Ham, por 2-1, em jogo da quinta jornada da Liga …

O Cumbre Vieja, num dos complexos vulcânicos mais ativos nas Canárias, entrou em erupção

O vulcão Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma, entrou hoje em erupção na zona de Las Manchas, depois de mais de uma semana em que foram registados milhares de sismos na região. Na zona, …

Portugal regista 677 novos casos de covid-19 e cinco mortes

Portugal registou, este domingo, 677 novos casos e cinco mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

Estudo mostra como diferentes espécies de polvos coexistem no mesmo ambiente

Existem mais de 300 espécies de polvos a viver em diversos habitats que abrangem recifes de coral, leitos de ervas marinhas, planícies de areia e regiões de gelo polar. Mas de que forma cefalópodes tão …

As máquinas estão "muito longe" de serem mais inteligentes (mas muito perto de agir como pessoas)

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga considera que as máquinas estão "muito longe" de substituírem totalmente os humanos ou serem mais inteligentes, mas estão "muito perto" de interagirem como as pessoas. "Acho que estamos muito …

Secreto e lucrativo, o mercado de venda de "fezes de cachalote" pode também ser violento

O âmbar cinza é altamente raro, mas também altamente valioso. Usada na indústria dos perfumes, o mercado deste material pode ser muito perigoso. Deixa na pele uma resina oleosa e tem um cheiro a tabaco, madeira, …

Empresa norueguesa garante que pode "parar" furacões antes que estes se tornam destrutivos

Especialistas ambientais advertem que o sistema de "cortina de bolhas" proposto pela empresa pode provocar efeitos indesejados. A OceanTherm, uma startup norueguesa, assegura que a sua nova tecnologia pode evitar que as tempestades tropicais se tornem …

Afeganistão: Familiares consideram "insuficientes" pedido de desculpas dos EUA

Familiares dos civis afegãos mortos por "engano" durante um ataque de um avião não tripulado 'drone' norte-americano no final de agosto em Cabul consideraram este sábado "insuficiente" o pedido de desculpas de Washington, numa entrevista …

Descoberta de pegadas fossilizadas em Espanha revela a existência de um "berçário" de elefantes

Pegadas fossilizadas foram encontradas numa praia no sul da Espanha e mostram o que pode ter sido o berçário de uma espécie extinta de elefantes. O local costeiro, situado na região de Huelva, estava normalmente coberto …

Morreu aos 98 anos o historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França

O historiador, sociólogo e crítico de arte José-Augusto França morreu este sábado, aos 98 anos, na casa de saúde de Jarzé, perto da cidade francesa de Angers, disse à Lusa a pintora Emília Nadal, sua …