/

China enviou 100 mil turistas para Palau (em troca do corte de relações com Taiwan)

Ritchie B. Tongo / EPA

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Taiwan Joseph Wu (e) e o presidente de Palau Surangel Whipps Jr. (d)

O presidente do Palau afirmou que a China tentou convencê-lo a cortar relações com Taiwan enviando 100 mil turistas para o pequeno Estado insular do Pacífico. Quando o país se recusou, a China retirou-os.

O presidente Surangel Whipps Jr., que recentemente revelou ter recusado abordagens chinesas, falava em Taipé, durante uma visita a Taiwan que marca o lançamento de uma “bolha” para turismo entre os dois países, durante a pandemia de covid-19.

Segundo Whipps, responsáveis chineses disseram-lhe que “o céu é o limite” no que concerne a benefícios de cortar as relações com Taiwan e aderir à política de “uma só China”, mas que o episódio dos 100 mil turistas chineses no arquipélago demonstra tratar-se de uma política de “cenoura e cacete”, que considera “contraproducente”.

“Num relacionamento (…) não se bate na esposa para fazer com que ela goste de nós”, disse Whipps, citado pela agência CNA. “Se me der cenouras, não me diga que não posso ver outras pessoas, porque todos nós acreditamos na paz e na prosperidade para todos”, adiantou o chefe de Estado de um dos quatro aliados que restam a Taiwan na região Ásia-Pacífico, juntamente com as Ilhas Marshall, Nauru e Tuvalu.

Na mesma visita, os países anunciaram a sua primeira bolha de viagens durante a pandemia de covid-19, de acordo com a agência Reuters. “Estou feliz em anunciar o lançamento oficial da bolha de viagens Taiwan-Palau”, disse o ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu.

A bolha das viagens começará em abril, com dois voos semanais transportando 110 turistas cada um de Taiwan para Palau. Os viajantes devem apresentar testes negativos e participar em grupos turísticos, nos quais serão solicitados a seguir regras de distanciamento social, como visitar apenas hotéis e locais designados. Taiwan também receberá turistas que viajam em grupos de Palau.

A delegação do presidente de Palau integra o embaixador norte-americano no Estado insular, John Hennessey-Niland, que se tornou assim no primeiro chefe de representação diplomática dos Estados Unidos a visitar Taiwan desde que os norte-americanos estabeleceram relações diplomáticas com a República Popular da China, em 1979.

Desde 2001, a China conseguiu que 17 aliados diplomáticos de Taiwan deixassem de reconhecer a sua soberania, incluindo São Tomé e Príncipe.

Os mais recentes a virarem-se para Pequim foram as Ilhas Salomão e Kiribati, mas, no caso de Palau, a questão não se coloca, segundo o seu presidente.

  ZAP // Lusa

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.