/

Sonda chinesa descobre uma estranha rocha pontiaguda no lado oculto da Lua

6

China National Space Administration

A sonda chinesa Chang’e 4 voltou à ação para um 27.º dia lunar no lado oculto da Lua. No entanto, as descobertas do dia lunar anterior deixaram os cientistas entusiasmados.

O módulo de pouso Chang’e 4 e o rover Yutu 2 retomaram as atividades a 6 de fevereiro, após hibernar durante o frio intenso da noite lunar, de acordo com a agência estatal chinesa Xinhua. Porém, um dia lunar antes, o rover encontrou um curioso espécime de rocha que a equipa começou a referir como um “marco”.

De acordo com um diário do Yutu 2, publicado pelo Our Space, o canal de divulgação científica em língua chinesa afiliado à Administração Espacial Nacional da China (CNSA), os cientistas da missão concordaram com a equipa de propulsão que a rocha alongada merecia uma inspeção mais detalhada.

De acordo com o portal Space, a equipa planeou fazer uma abordagem detalhada e analisar a rocha com o instrumento Visible and Near-infrared Imaging Spectrometer (VNIS), que deteta a luz espalhada ou refletida em materiais e revela a sua composição.

O VNIS foi usado para investigar uma série de rochas e amostras de regolito ao longo do caminho de Yutu 2 através da cratera Von Kármán. Isso inclui espécimes incomuns de vidro derretido e potencialmente material do manto lunar.

Embora não pareça particularmente excitante, a descoberta gerou interesse entre os cientistas lunares. “Parece ter a forma de um fragmento e está a sair do chão. Isso é definitivamente incomum“, disse Dan Moriarty, bolsista do programa de pós-doutoramento da NASA no Goddard Space Flight Center.

“Impactos repetidos, tensões de ciclagem térmica e outras formas de intemperismo na superfície lunar tendem a quebrar as rochas em formas mais ou menos ‘esféricas’, com tempo suficiente”, disse Moriarty. “Pense em como as praias rochosas desgastam as pedras para suavizar as formas arredondadas ao longo do tempo, devido aos empurrões repetidos das ondas.”

Segundo Moriarty, tanto a forma semelhante a um fragmento, como a “crista” pronunciada perto da borda da rocha, parecem indicar que esta é geologicamente jovem.

“Eu definitivamente suporia uma origem como material ejetado de alguma cratera próxima. É possível que uma rocha com essa proporção pudesse ter sido produzida por um processo conhecido como fragmentação, onde fragmentos intactos de rocha são soprados da superfície próxima sem experimentar o mesmo grau de pressão de choque que o alvo imediato sofre”, disse Moriarty, acrescentando que a avaliação inicial é apenas um palpite.

Clive Neal, um importante especialista lunar da Universidade de Notre Dame, nos Estados Unidos, concorda que, com base nas imagens, os espécimes são ejetados por impacto, em vez de rochas expostas. “A questão que eu tenho é se são derivados localmente. Espero que os dados espectrais permitam uma avaliação da origem como local ou exótica, ou seja, de fora desta área”, disse.

O módulo Yutu 2 e o módulo de pouso Chang’e 4 já ultrapassaram em muito as suas vidas úteis projetadas de 90 dias terrestres e um ano, respetivamente. O rover cobriu um total de 628 metros desde a sua implantação a partir do módulo de pouso em 3 de janeiro de 2019.

Em novembro do ano passado, a China lançou a sua missão de retorno de amostra lunar Chang’e 5. A missão resultou em 1,73 quilogramas de amostras da Lua a ser entregues à Terra pouco mais de três semanas depois.

  Maria Campos, ZAP //

6 Comments

  1. Engraçado a sombra vai toda para o mesmo lado…. Já as da “Nasa” da suposta pisada americana na lua cada pedra parecia ter as sombras malucas…. Cada uma ia para um lado diferente.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.