Chá psicadélico tradicional de povos indígenas ajuda no combate à depressão e ao alcoolismo

Um estudo realizado pela Universidade de Exeter e College London, no Reino Unido, mostra que a ayahuasca, um chá psicadélico tradicional dos povos da Amazónia, tem efeitos que melhoram o bem-estar das pessoas e pode servir para o tratamento do alcoolismo e depressão.

O chá é feito com duas plantas nativas da floresta: o cipó Banisteriopsis caapi (mariri ou jagube) com as folhas do arbusto Psychotria viridis (chacrona ou rainha).

Os cientistas descobriram que utilizaores da ayahuasca relataram menos problemas com o uso de bebidas do que pessoas que usam LSD e cogumelos mágicos, drogas reconhecidas pelo combate ao vício do álcool.

A descoberta foi feita com base na análise da pesquisa Global Drug Survey, realizada com 96 mil pessoas em todo o mundo.

Os utilizaores também relataram bem-estar maior nos últimos 12 meses em relação aos outros entrevistados. “Essas descobertas dão algum apoio à ideia de que a ayahuasca pode ser uma ferramenta importante e poderosa no tratamento da depressão e do alcoolismo”, disse Will Lawn, cientista da College London e líder da pesquisa.

“Pesquisas recentes demonstraram o potencial da ayahuasca na medicina psiquiátrica, e o nosso estudo fornece mais provas de que pode ser um tratamento seguro e promissor”, afirmou.

A ayahuasca é uma bebida produzida pela combinação da videira com outras plantas. É usada há milhares de anos em rituais de tribos da região amazónica, e no século passado passou a ser usada por diversos grupos religiosos, como a União do Vegetal e o Santo Daime.

Estudo

Dos participantes da Global Drug Survey, 527 disseram usar, enquanto que 18.138 usam LSD ou cogumelos mágicos e 78.236 não faziam uso de drogas psicodélicas.

O bem-estar foi medido pelo Índice de Bem-estar Pessoal, ferramenta utilizada por cientistas em todo o mundo com perguntas sobre relações pessoais, ligação com a comunidade e sentimento de realização.

No entanto, a professora Celia Morgan, de Exeter, destacou que, para o uso em tratamento, a ayahuasca precisa de passar por estudos de longo prazo para garantir a segurança.

“Muitos estudos observacionais examinaram os efeitos de longo prazo do uso regular da ayahuasca no contexto religioso. Nesses trabalhos, não foram encontrados impactos na habilidade cognitiva, desenvolvimento de vício ou piora de problemas de saúde mental”, disse.

De facto, alguns desses estudos observacionais sugerem que o uso da ayahuasca está associado com uso menos problemático de álcool e drogas, melhor saúde mental e funcionamento cognitivo.

Entretanto, Lawn destaca que os resultados são puramente observacionais e não demonstram causalidade. “Devem ser feitos testes aleatórios controlados para examinar completamente a capacidade da ayahuasca no tratamento de desordens de humor e adição”, ressaltou o pesquisador da College London.

Entretanto, o estudo é notável por ser o maior levantamento de utilizadores de ayahuasca alguma vez realizado.

RESPONDER

Uma explosão, segredos de Estado e rumores, mas ainda não há sinal do submarino

As buscas pelo submarino argentino ARA San Juan, que está desaparecido há oito dias, entraram numa fase crítica, quando as esperanças de encontrar a tripulação viva estão praticamente esgotadas. Sem pistas sobre o submarino, há …

Bancos aumentaram ganhos com as comissões pagas pelos clientes

A banca nacional facturou 1,62 mil milhões de euros em comissões líquidas, pagas pelos clientes, desde Janeiro até Setembro de 2017. Um valor que reflecte uma subida de 5,7% relativamente a 2016. Estes dados são avançados …

Violência doméstica: 18 mulheres assassinadas este ano

18 mulheres foram assassinadas e 23 foram vítimas de tentativa de homicídio em 2017, ano que apresenta a taxa mais baixa de incidência dos últimos 14 anos registada pelo Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA). "É o …

Mais de um mês depois dos incêndios, dois homens continuam desaparecidos

Os incêndios de 15 de outubro fizeram mais de 40 mortos e, mais de um mês depois da tragédia, duas pessoas continuam desaparecidas. A PJ está a cargo das investigações, com o auxílio do Laboratório …

Decisão de mudar Infarmed para o Porto é ilegal

A decisão do Governo de mudar a sede do Infarmed de Lisboa é ilegal porque os trabalhadores não foram consultados sobre este processo. Um dado avançado pelo jornal i quando é certo que mais de …

Caso de legionella identificado em Coimbra

Um homem está internado no Hospital Geral (Covões) do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra com o vírus da legionella, disse à agência Lusa fonte da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC). Segundo a mesma …

O fim do corte no subsídio de desemprego é meu!

Esta quarta-feira, foi aprovado o fim do corte de 10% no subsídio de desemprego, mas o que animou o debate foi a discussão entre PCP e Bloco de Esquerda sobre a proposta que deveria ser …

Governo admite que o preço da água pode subir

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, admitiu esta quinta-feira que o preço da água pode vir a subir, mas garante que as tarifas se vão manter no próximo ano, porque "já estão aprovadas". À …

Puigdemont renuncia à pensão de ex-presidente catalão e não aceita destituição

Carles Puigdemont renunciou à pensão a que tem direito como ex-presidente do governo catalão, não aceitando a sua destituição e considerando que ainda dirige o executivo "legitimo" daquela região espanhola. "O Estado continua a ser uma …

Árbitros “adiam” pedido de dispensa por 20 dias

Os árbitros de futebol, assistentes e estagiários decidiram, esta quarta-feira, entregar os pedidos de dispensa, mas dentro do prazo regulamentar de 20 dias, viabilizando assim a realização da próxima jornada. Em comunicado enviado à agência Lusa …