CGD ainda é dos bancos que têm mais crédito para investir em ações

António Cotrim / Lusa

Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos

Os bancos cortaram nos empréstimos para a compra de ações desde a crise. Mas têm ainda um valor elevado de financiamentos deste tipo.

Este crédito é visto com cautela pelos supervisores e levaram a que bancos como a Caixa Geral de Depósitos tivessem de assumir perdas de centenas de milhões com financiamentos garantidos por ações. De acordo com o Diário de Notícias, o banco público ainda é dos bancos com mais empréstimos dessa categoria.

“O montante utilizado dos créditos concedidos para a realização de operações sobre valores mobiliários totalizou 1.911 milhões de euros entre janeiro e março, menos 1,3% do que nos três meses anteriores. Deste montante, 43,6% foi concedido pelo Deutsche Bank (Portugal) e 25,6% pela Caixa Geral de Depósitos”, indica a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O banco público tinha, no final do primeiro trimestre, 488,3 milhões de euros em empréstimos deste tipo. Ainda assim, tal como todo o sistema bancário, a Caixa tem cortado no valor acumulado destes financiamentos. No final de 2010, o banco público tinha um total de 1,6 mil milhões de euros em empréstimos para investir em bolsa.

Além da CGD, outro dos bancos que historicamente é mais ativo nestas operações era o BCP, refere o DN. Atualmente, esta instituição tem 425 milhões concedidos em empréstimos para a compra de valores mobiliários. Uma redução face aos quase 1,5 mil milhões que apresentava no final de 2010, antes da chegada da troika que veio trazer um maior aperto à vigilância do setor financeiro.

A crise financeira de 2008 e, em alguns casos, as poucas garantias exigidas nesses créditos resultaram em perdas de centenas de milhões para a CGD e para outros bancos. Foi o que aconteceu nos financiamentos a José Berardo para a compra de ações do BCP e a Manuel Fino para o investimento no capital do mesmo banco e noutros títulos da bolsa portuguesa.

Com a crise nas bolsas, o colateral dado pelas próprias ações desvalorizou bem abaixo do valor emprestado. Como a CGD não exigiu outro tipo de garantias, teve de assumir prejuízos de 585 milhões apenas com estes devedores.

Em 2008, data dos dados mais antigos da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o crédito para a compra de valores mobiliários era de mais de 6,2 mil milhões de euros. Cerca de metade era dirigido a grandes investidores, segundo o mesmo jornal.

Pedro Duarte Neves, antigo vice-governador do Banco de Portugal, considerou na comissão de inquérito à gestão da CGD que o crédito que os bancos deram para a compra de ações antes da crise era mais do que aquilo que o supervisor gostaria.

Naquele ano, recorda o DN, a bolsa portuguesa perdeu mais de metade do valor, o que provocou prejuízos com esses créditos. Desde então, os bancos portugueses travaram nos créditos para investir em bolsa. Ainda assim, no final de março esse montante era ainda de 1,91 mil milhões de euros. Mais de 1,1 mil milhões são relativos a crédito concedido a pequenos investidores. Os grandes empresários ou entidades representam cerca de 825 milhões de euros.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Forças Armadas aceitaram líder do CDS como voluntário

O Jornal de Notícias escreve esta quinta-feira que as Forças Armadas aceitaram o líder do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, como voluntário para ajudar nas ações desenvolvidas na luta contra a covid-19 durante o estado …

Portugal duplica capacidade de ventilação. Oito profissionais de saúde nos cuidados intensivos

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, anunciou esta quinta-feira a duplicação dos equipamentos de ventilação e garantiu uma distribuição equilibrada dos testes de despistagem. “Entre ofertas, compras e empréstimos, estaremos em condições de duplicar …

Coreia do Norte reitera que não tem infetados. Coreia do Sul desconfia

A Coreia do Norte reafirmou que não regista nenhum caso de coronavírus (covid-19), numa declaração feita por um alto responsável pelo setor da Saúde de Pyongyang citado esta quinta-feira pela Agência France Presse. A Coreia do …

Ovar já tem linha telefónica própria para retirar pressão à Saúde 24

A Linha de Apoio Covid Ovar vai garantir assistência atempada à comunidade de 55.400 habitantes do concelho e é exclusiva para utentes que suspeitem ter sintomas do novo coronavírus. O Município de Ovar ativa, esta quinta-feira, …

Durão Barroso defende coronabonds (mas a prioridade é outra)

Em entrevista à SIC Notícias, Durão Barroso concordou com a criação dos ​​​​​​​coronabonds, mas defendeu que a prioridade é resolver "a crise humanitária". Durão Barroso considerou, em entrevista à SIC Notícias, que as instituições europeias têm …

Do empréstimo milionário à nacionalização. As soluções da TAP para resistir à crise

A TAP está a enfrentar uma das suas piores crises, face à pandemia de covid-19, e há várias soluções em cima da mesa, desde um empréstimo com aval do Estado à nacionalização da empresa. Para fazer …

"Matem-nos". Presidente das Filipinas autoriza disparos contra quem violar quarentena

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ordenou aos agentes da polícia e aos militares que disparem sobre qualquer pessoa que esteja a causar "problemas" durante o isolamento obrigatório, decretado devido à da pandemia de Covid-19. De …

Há mais de nove mil casos de covid-19 em Portugal. Número de recuperados sobe para 68

Um mês desde o primeiro teste positivo confirmado do novo coronavírus no país, Portugal tem um total de 9.034 casos confirmados de Covid-19, segundo o Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica …

Ramalho Eanes: "Nós, os velhos, se for necessário oferecemos o nosso ventilador"

O antigo Presidente da República apelou aos mais "velhos", como ele, para darem o exemplo neste combate ao coronavírus, caso Portugal passe por uma situação semelhante à de Itália ou Espanha. Em entrevista à RTP, o …

"Profundamente preocupados". 13 países enviam recado a Viktor Orbán

Portugal e mais 12 países, entre os quais França, Bélgica e Espanha, garantiram, numa declarações conjunta, que apoiam a iniciativa da Comissão Europeia para verificar se as medidas de emergência implementadas respeitam os valores europeus. Os …