Ex-diretor de risco da CGD diz que houve créditos a Berardo sem parecer do risco

Manuel de Almeida / Lusa

Joe Berardo

O diretor de risco da Caixa Geral de Depósitos entre 2010 e 2017, José Rui Gomes, disse esta quinta-feira que o organismo que liderava fez o seu papel e que as decisões de crédito cabiam aos administradores.

“A decisão, como já foi explicado, cabia e cabe sempre aos elementos da gestão, aos senhores administradores, que têm a responsabilidade e, portanto, também têm de ter o poder de decisão”, disse José Rui Gomes durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito recapitalização e gestão da CGD.

Quando questionado pelo deputado do PCP Paulo Sá se tinha participado nos conselhos de crédito e alargados de crédito, José Rui Gomes disse que não tinha participado em tais reuniões.

Mais tarde, o deputado comunista disse que o ex-responsável não estava a ter uma “postura colaborativa” com a comissão parlamentar, algo que o depoente recusou.

O ex-responsável disse que o departamento de risco da CGD fazia o seu trabalho de forma “cada vez melhor, ao identificar riscos e sugerir mitigações”, mas não deixou de admitir que “terá havido falhas no risco, com certeza“.

José Rui Gomes disse ainda que o órgão a que presidia teve sempre independência e nunca se sentiu “inferiorizado” pelas suas sugestões não serem acolhidas pelas administrações. “Em qualquer parecer, de uma forma independente, sempre propusemos os melhores mitigantes para o risco”.

O ex-diretor disse ainda a Duarte Marques que estava de consciência tranquila“, uma vez que desempenhou “as funções da melhor forma que soube”. José Rui Gomes explicou também que na direção de gestão de risco “o tema rentabilidade não era considerado naquilo que eram os fatores de risco das operações”.

O antigo responsável concordou que o risco estava exclusivamente do lado do banco público em alguns empréstimos a Joe Berardo.

Na comissão parlamentar de inquérito à Caixa Geral de Depósitos, na quinta-feira, José Rui Gomes foi questionado por Mariana Mortágua se não era obrigatório que uma operação de crédito ou uma reestruturação tenha um parecer do risco. Em resposta, o ex-diretor de risco da CGD disse: “Sim, senhora deputada“.

José Rui Gomes admitiu ainda, segundo o Observador, que não foram procuradas explicações juntos dos órgãos que aprovaram os créditos e que a direção de risco só foi chamada a prounciar-se sobre o acordo de reestruturação da dívida.

O deputado do PSD Duarte Pacheco disse ainda que a narrativa de José Rui Gomes na sua audição “é ‘copy-paste’ dos administradores da Caixa”, e que lhe “fica mal” tal postura, uma vez que a direção de risco alertou várias vezes para o risco elevado das operações da CGD.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Onde e como? Um guia para votar nas eleições autárquicas

As mesas de voto das eleições autárquicas abriram hoje às 08:00 no continente e na Madeira para a escolha dos dirigentes dos municípios e das freguesias para os próximos quatro anos. Nos Açores, as urnas abrem …

Ensino Superior: 33% dos candidatos ficaram de fora. Veja se ficou entre os colocados

Mais de 49 mil novos estudantes entraram agora para o ensino superior, tendo ficado sem colocação 33% dos candidatos à primeira fase do concurso nacional de acesso, revelam dados divulgados hoje pelo Ministério do Ensino …

Pessoas mais pobres são vistas como menos suscetíveis à dor

Um novo estudo indica que os indivíduos de classe baixa são estereotipados como insensíveis à dor física, o que pode impactar os seus cuidados médicos. “As estatísticas de saúde indicam que as pessoas ricas recebem um …

As crianças têm dez vezes mais micro-plásticos nas fezes do que os adultos

Uma equipa de cientistas da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, usou espectrometria de massa para medir os níveis de micro-plásticos compostos de policarbonato (PC) e de polietileno tereftalato (PET) presentes nas fezes crianças …

MIT desenvolve mão robótica insuflável (que devolve o tato aos amputados)

Apesar de haver membros biónicos altamente articulados, concebidos para detetar os sinais musculares residuais e imitar roboticamente os seus movimentos pretendidos, a destreza de alta tecnologia tem um custo muito alto. Recentemente, engenheiros do Massachusetts Institute …

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …