Esta habilidade ajuda as pombas a dominar as nossas cidades

As cidades não são conhecidas pela sua biodiversidade em expansão, mas alguns animais destacam-se como moradores urbanos: pássaros. Agora, os cientistas estão a entender como estes animais desenvolveram estratégias para prosperar nas cidades ao redor do mundo.

Apesar da falta de árvores e do excesso de pessoas, os pássaros têm uma capacidade estranha de sobreviver no meio urbano. Num novo estudo, publicado este mês na revista científica Frontiers in Ecology and Evolution, os cientistas restringem as suas habilidades de sobrevivência a duas estratégias.

Por um lado, alguns pássaros, como os corvos e as gaivotas, têm poder cerebral, uma vez que têm cérebros grandes e bem desenvolvidos, e usam esse poder para conseguir navegar pelas ruas da cidade.

Por outro lado, as pombas têm um poder reprodutor, uma vez que se reproduzem com mais frequência para aumentar as hipóteses de que a sua descendência chegue à idade adulta.

Investigadores analisaram dados de 27 cidades em todo o mundo, estudando mais de 600 espécies de pássaros, para descobrir a forma como as aves conseguem prosperar na calçada. Os cientistas estudaram factores como tamanho do cérebro e do corpo, expectativa de vida, distribuição da população e hábitos de reprodução.

A ideia de que pássaros com cérebro grande têm vantagens sobre outros animais não é nova. Estudos mostram mesmo que a inteligência de algumas espécies de papagaios rivaliza com a de bebés humanos. Num estudo publicado este mês, por exemplo, os papagaios conseguiram entender o conceito de probabilidade, prevendo a probabilidade das ações de um investigador resultarem na obtenção de alimentos. Essas habilidades são úteis para viver num lugar densamente povoado por humanos.

As pombas não são conhecidas por serem particularmente inteligentes. Para essas aves de cérebro relativamente pequeno, aumentar a frequência de reprodução é fundamental.

Cada uma dessas estratégias é específica para a vida na cidade, não sendo vistas em áreas mais selvagens. Em vez disso, as descobertas sugerem que as estratégias de sobrevivência são distintas – aves com cérebros de tamanho médio são as menos prováveis ​​de serem encontradas nas cidades.

Os resultados mostram a forma como os seres humanos influenciam que espécies sobrevivem nas cidades. “As espécies que conseguem tolerar cidades são importantes porque são aquelas com as quais a maioria dos seres humanos terá contacto nas suas vidas diárias e podem ter efeitos importantes no ambiente urbano”, disse Ferran Sayol, da Universidade de Gothenberg, em comunicado divulgado pelo EurekAlert.

Por sua vez, o estudo ajuda a informar sobre a forma como as cidades influenciam a natureza que substituem. “Compreender o que torna algumas espécies mais capazes de tolerar ou mesmo explorar cidades ajudará os cientistas a prever como a biodiversidade reagirá à medida que as cidades continuarem a expandir-se”, disse Sayol.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço podem prejudicar o corpo a nível celular. Fígado é o mais afetado

Viagens ao Espaço podem causar o mau funcionamento da mitocôndria de uma célula devido a mudanças na gravidade e radiação, sugere uma nova investigação conduzida pelo Georgetown Lombardi Comprehensive Cancer Center, nos EUA. Investigações com cobaias …

O envelhecimento celular em humanos foi parcialmente revertido (com o uso de oxigénio)

Investigadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, descobriram uma forma de reverter o processo de envelhecimento celular e podem ter feito um avanço na procura pela juventude eterna. O novo estudo publicado na revista Aging …

Porto 0-0 Man City | Pragmatismo portista garante “oitavos”

O FC Porto está nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Os “azuis-e-brancos” precisavam apenas de um empate, ou que o Olympiacos não vencesse em França, em casa do Marselha, e ambos os pressupostos aconteceram – …

O céu tingiu-se de roxo na Suécia (e a culpa era de uma plantação de tomates)

O céu ficou misteriosamente tingido de roxo em Trelleborg, a cidade mais a sul da Suécia, por causa da luz vinda de uma plantação de tomate enuma cidade próxima. Há algumas semanas, os moradores de Trelleborg …

Maurícias estão a abater um morcego ameaçado de extinção por interesses económicos

O morcego das Maurícias, em perigo de extinção, é mais uma vez o centro de um polémico abate nas mãos do Governo, para alarme das organizações de conservação da vida selvagem. Sob pressão de agricultores e …

Procurador-geral dos EUA: não há provas de fraude eleitoral generalizada

O procurador-geral dos Estados Unidos da América, William Barr, reconheceu hoje que não houve fraude em dimensão suficiente para invalidar a vitória do democrata Joe Biden nas eleições presidenciais norte-americanas. "Nesta altura, não vimos fraude a …

Parque de esculturas subaquático vai ser inaugurado em Miami

Miami vai servir de casa para um novo parque de esculturas subaquático como nunca viu. O ReefLine é projetado para servir como um recife artificial e vai estar disponível a receber visitantes em dezembro de …

Da "política do filho único" aos incentivos à natalidade: como a China tem mudado a sua estratégia populacional

A China está a planear incluir novas medidas para estimular a taxa de natalidade do país e lidar com o rápido envelhecimento da população. A estratégia passa pelo “plano de cinco anos” que deverá estar …

Vacinação será “grande prioridade” de presidência portuguesa da UE

O primeiro-ministro português, António Costa, referiu hoje que a vacinação contra a covid-19 deverá ser uma das “grandes prioridades” da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia (UE), após um encontro com o presidente do …

No Cambodja, os aldeões usam "espantalhos mágicos" para afastar a covid-19

Os aldeões do Cambodja têm evitado a pandemia de covid-19 sem máscaras nem distanciamento social, mas sim com "espantalhos mágicos" que espantam o vírus mortal. Os dois espantalhos de Ek Chan, um aldeão de 64 anos, …